carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Confraria

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Confraria

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    2
  • Vão ler
    4
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: John Grisham

Editora: Rocco

Assunto: Romance

Traduzido por: Aulyde Soares Rodrigues

Páginas: 360

Ano de edição: 2000

Peso: 430 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
11/09/2005 às 13:55
Brasília - DF

A Confraria conta a história de Roy Spicer, Finn Yarber, Hatlee Beech, juizes presos cumprindo penas por diversos crimes menores. Eles formam a uma confraria e resolvem extorquir homossexuais e outras pessoas que fazem anúncios em jornais, sob ameaça de revelação de suas preferências sexuais. O livro segue bem o estilo de John Grisham - profundo que nem um pires - com o mundo jurídico norte americano e suas várias faces. Mais do que nunca é verdadeira a frase do Millor Fernandes: Os estrangeiros, porém, todos escrevem best-sellers que vendem bastante e fracassos totais que vendem ainda mais


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Três ex-juízes norte americanos, cumprem pena na prisão de Trumble, onde formam a Confraria, que presta serviços aos seus colegas de penitenciária: reveêm processos, fazem apelações, dão orientações para escroques, bandidos e corruptos em geral. Depois aperfeiçoam um golpe para extorquir dinheiro de ricos, famosos e políticos e acabam chegando ao Deputado Aaron Lake, candidato à Presidencia da República....

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A resposta de Brant, de Upper Darby, Pensilvânia, tinha um tom de urgência: Querido Ricky. Nossa! Que foto! Estou indo para aí mais cedo ainda. Estarei aí no dia 20 de abril. Você estará livre? Se estiver, teremos a casa só para nós porque minha mulher vai ficar aqui por mais duas semanas. Pobrezinha. Estamos casados há vinte e dois anos e ela nem desconfia. Estou mandando uma foto. Ao fundo está meu Learjet, um dos meus brinquedos favoritos. Voaremos, se você quiser. Por favor, escreva logo. Sinceramente, Brant Ainda sem sobrenome, mas isso não era problema. Eles logo descobririam. Spicer examinou o carimbo do correio e por um breve momento pensou em como a correspondência estava sendo trocada entre Jacksonville e Filadélfia. Mas a foto absorveu toda sua atenção. Era um instantâneo de 10 por 15, muito semelhante a um desses anúncios de um plano de "fique rico rapidamente", onde o sujeito aparece com um sorriso orgulhoso, flanqueado por seu jato, seus Rolls e possivelmente por sua mais recente mulher. Brant sorria ao lado de um avião, vestindo um short, de tênis e suéter, sem Rolls à vista, mas com uma atraente mulher de meia-idade ao seu lado. Era a primeira foto da sua coleção cada vez maior, onde um dos seus correspondentes incluía a mulher. Estranho, pensou Spicer, mas afinal Brant a mencionava nas duas cartas. Nada o surpreendia mais. O golpe ia funcionar para sempre porque havia um infinito suprimento de vítimas em potencial dispostas a ignorar os riscos. Brant estava em boa forma e bronzeado de sol, cabelo escuro curto com alguns fios brancos e bigode. Não era especialmente bonito, mas Spicer não se importava com isso. Por que um homem que tinha tanto era tão descuidado? Porque sempre se arriscava sem nunca ser apanhado. Porque era um modo de vida. Depois que eles o apertassem e tirassem seu dinheiro, Brant ia ser mais precavido por algum tempo. Evitaria anúncios pessoais e os amantes anônimos. Mas um tipo agressivo como ele logo voltaria aos antigos hábitos. Spicer imaginou que a excitação de encontrar parceiros ao acaso suplantava os riscos. Estava ainda preocupado com o fato de estar, justamente ele, pensando como um homossexual a maior parte do tempo. Beech e Yarber leram a carta e estudaram a foto. A sala pequena e apertada estava silenciosa. Essa podia ser a grande vítima? - Imagino quanto deve custar esse jato - Spicer disse e os três riram. Era um riso nervoso, como se não pudessem acreditar. - Alguns milhões - Beech disse. Como ele era do Texas e fora casado com uma mulher rica, os outros dois supunham que Beech sabia mais sobre jatos do que eles. - É um pequeno Lear. Spicer se contentaria com um pequeno Cessna, qualquer coisa que o tirasse do solo e o levasse embora. Yarber não queria um avião. Queria vôos de primeira classe, onde trazem champanhe e dois cardápios e você pode escolher os filmes. Primeira classe sobre o oceano, longe deste país. - Vamos aplicar o golpe nele - Yarber disse. - Quanto? - perguntou Beech, ainda olhando para a foto. - Pelo menos meio milhão de dólares - Spicer disse. E, se conseguirmos isso, voltaremos à carga para pedir mais. Ficaram em silêncio, cada um deles brincando com sua parte de meio milhão de dólares. O terço de Trevor de repente estava atrapalhando. Ele ficaria com 167 mil dólares, deixando 111 mil para cada um. Nada mau para prisioneiros, mas devia ser muito mais. Por que o advogado estava ganhando tanto? - Vamos cortar os honorários de Trevor - Spicer anunciou. - Tenho pensado muito nisso. A partir de agora, o dinheiro será dividido por quatro. Ele leva uma parte igual. - Ele não vai aceitar - Yarber disse. - Não tem escolha. - É justo - Beech disse. - Nós temos todo o trabalho e ele ganha mais do que cada um de nós. Acho que devemos diminuir sua comissão. - Farei isso na quinta-feira


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não há nenhuma historia para este livro


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.