carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Os Subterrâneos da Liberdade - Os Ásperos Tempos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Os Subterrâneos da Liberdade - Os Ásperos Tempos

Livro Ótimo - 2 opiniões

  • Leram
    2
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    2

Autor: Jorge Amado

Editora: Martins

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 295

Ano de edição: 1968

Peso: 430 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Elias Marinho
29/04/2011 às 12:48
Santa Maria - DF

Aprecio demais o mestre Amado, embora, este livro parece ter sido escrito por outro Jorge, pois aqui vemos um Jorge falando de política, diferente de outros livros em que ele se concentra em exaltar as belezas e simplicidades do maravilhoso povo baiano. Nesta coletânea, ele declama todo o seu amor ao comunismo, de maneira simples na visão de um operário. Ao ler este livro, você, certamente como eu, passará a ter uma nova opinião sobre o comunismo, ao ver a perseguição que eles sofriam, o amor incondicional aos seus ideais, e principalmente a valorização às coisas realmente importantes da vida. E como não poderia deixar de ser, em diversos momentos do livro você verá a marca inconfundível do autor que é a capacidade em descrever a alma das pessoas. Dou destaque a descrição feita pelo autor do romance entre João e Mariana, momento em que se veem apaixonados, descrição que somente o Mestre Amado seria capaz de fazer.


Excelente
Marcio Mafra
13/11/2004 às 22:23
Brasília - DF

Jorge Amado era filho de fazendeiro de cacau e publicou seu primeiro romance, " O país do carnaval ", em 1931. Militante comunista, foi exilado político entre 1941 e 1942. Em 1945, foi eleito Deputado Constituinte, pelo Partido Comunista Brasileiro. De 1947 até 1950 foi novamente para a Europa, na condição de exilado. De volta ao Brasil, dedicou-se inteiramente à literatura. Em abril de 1961, foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras. Sua obra literária foi adaptada para cinema, teatro e televisão. Áspero Tempos é uma história vivida nas células comunistas e nos subterrâneos de São Paulo, baseada na luta ideológica encetada contra a opressão política e social do Estado Novo, na desesperada busca da liberdade. O romance destaca personagens cujas histórias e figuras fortes e marcantes, como Manuela, Mariana, o "camarada" João, Lucas Puccini, Tenete Apolinário, Marieta, Ruivo e Costa Vale, se misturam nos emaranhados dos primeiros anos da cáustica ditadura de Getúlio Vargas.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

História da implacável e covarde perseguição do governo do Ditador Getulio Vargas aos comunistas brasileiros, que viviam pelos subterrâneos da Policia Politica nos anos 1930-1946. A narrativa é feita em três partes distintas: Os Ásperos Tempos Agonia da Noite, e A Luz no Túnel.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Apolinário estava imóvel como uma estatua, como se tivesse os pés ligados a terra por uma camada de chumbo. Todas as palavras dos oradores, as palmas que as entrecortavam, os brados de apoio as frases mais fortes, e aquele nome de Prestes repetido por milhares de bocas, eram uma resposta a sua inquietação de antes, aquela perdida solidão. Não, nunca estivera e nem estaria só não possuía o direito de jamais se julgar em solidão: em tomo dele, onde quer que estivesse, estariam centenas e milhares, haveria sempre a mão de um companheiro para apertar a sua mão. E repetia, sem o sentir, com a solidaria multidão: Nenhum comunista estava sozinho em meio a batalha, mesmo quando de passagem numa cidade estrangeira, indo de um campo de luta a outro campo de luta. Nenhum estava s6, perdido e abandonado, nem mesmo na prisão mais incomunicável, nem mesmo no cárcere mais imundo, separado dos demais como perigosa fera. Em tomo deles, rodeando-os de militante solidariedade, estavam milhões e milhões de homens sobre a terra, a defende-los e a ajuda-los. O ex-oficial sentia-se como alguém a quem houvessem rasgado um abcesso, numa alegria de convalescença subindo no seu peito, aliviado de toda a dor e de toda a inquietação. A chuva fina penetrava através da fazenda da roupa mas ele não sentia o frio, um calor de primavera subia do seu peito para os olhos, enevoando-os de emoção. Ao seu lado um operário de barba rala fez um aceno, convidando-o a abrigar-se sob o seu guarda-chuva. Apolinário sorriu agradecendo, se colocou ao lado do companheiro desconhecido, deixou que a voz rolasse proclamando o nome bem-amado de Prestes, deixou que rolasse a obstinada lagrima. Viu depois a multidão confiante deixar a praça, dissolver-se nas ruas e na avenida. Em sua frente passaram os cartazes, "Abajo el Estado Novo", •• Anistia para PRESTES", "Libertad para el Brasil", as faixas, os retratos dos líderes, um de Prestes com longas barbas, do tempo da marcha da Coluna, os homens partindo sob a chuva. Ficou ainda largo tempo na praça diante da janela de onde os oradores haviam falado. Dentro de alguns dias estaria na Espanha, de outro lado do mar, e lá defenderia também o povo brasileiro, os companheiros presos, o seu partido comunista. Em qualquer trincheira que se encontrasse, sustentando um combate contra o fascismo, estaria cumprindo seu dever de comunista e também seu dever de patriota, êle o compreendia agora sentindo ainda ressoar nos seus ouvidos o clamor da multidão uruguaia, nas sua mensagem ao povo brasileiro: Prestes Si! Vargas no!


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Em 1961, aos 17 anos eu trabalhava no Banco Industria e Comercio de Santa Catarina, Banco Inco, na agência da Avenida W-3 Sul, Quadra 507, Bloco B. Naquela ocasião as editoras, mantinham serviço de venda domiciliar, através de "vendedores de livros". Eram profissionais bem treinados e insistentes. De um deles, comprei as obras de Eça de Queiroz, Pe. Antonio Vieira, Jorge Amado, Machado de Assis, entre outros. De Jorge Amado eram os seguintes livros: 1) O País do Carnaval - Cacau - Suor 2) Jubiabá 3) Mar Morto 4) Capitães da Areia 5) ABC de Castro Alves 6) Terras do Sem Fim 7) São Jorge dos Ilheus 8) Bahia de Todos os Santos 9) O Amor do Soldado 10) Seara Vermelha 11) Os Subterraneos da Liberdade, em 3 volumes 12) Gabriela, Cravo e Canela e 13) Os velhos Marinheiros. Decorridos 43 anos, apenas três deles desapareceram: Capitães da Areia, Bahia de Todos os Santos e Asperos Tempos. Foram devidamente substituídos, mercê dos bons preços e serviços dos sebos abrigados no site estantevirtual.com.br


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.