carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Chave da Casa

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Chave da Casa

Livro Bom - 1 opinião

  • Leram
    2
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Tatiana Salem Levy

Editora: Record

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 206

Ano de edição: 2009

Peso: 290 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
15/11/2009 às 12:44
Brasília - DF

A Chave da Casa é o tema do livro, a história e a missão, que o avô da autora lhe passou: ir à cidade de Esmirna, na Turquia, para encontrar a sua casa deixada para trás quando tiveram que se exilar no Brasil. Durante a longa viagem de ida e de volta ela vai se questionando: quem sou eu, dando um viés existencialista ao livro. A história é diferente das autobiografias conhecidas porque não trata de um roteiro turístico, político, econômico ou folclórico, mas de uma projeção das vidas, suas chaves, portas, raças, etnias, crenças e finitudes. Leitura boa, mas meio enjoadinha.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história, meio autobiográfica, inspirada em uma lenda sobre os judeus perseguidos pela inquisição que deixaram suas casas em Portugal, levando suas chaves, na esperança de um dia retornar. A personagem recebe do avô a chave que abriria a porta da casa de Esmirna, Turquia, para onde os avós fugiram. Ela faz desta procura pelas raízes da família o início de uma viagem de questionamento sobre a sua própria vida.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Tenho dois nomes anotados num papel: Raphael e Salomon. O sobrenome é como o meu, igualzinho. São eles que tenho de procurar quando chegar a Esmirna. Segundo meu avô, não deverá ser difícil encontrá-los, pois a comunidade hoje em dia é pequena e não faz muitos anos que ele teve notícias dos dois vindas de primos que moram na França. Sim, pode ser que os caminhos estejam livres e eu os encontre facilmente, mas e depois? O que devo fazer depois de encontrar seus nomes? Tenho receio de não ter o que falar, de não ter assunto algum para conversar com essas pessoas a respeito de quem não tenho a mais vaga idéia. Sei que de alguma maneira, em algum ponto qualquer, os nossos caminhos se cruzam na mesma árvore genealógica. Mas o que eles fazem? O que pensam? De que maneira vivem? Será que teremos afinidades, que teremos assuntos entre nós? Ou será que eles me serão tão estranhos como todos os que vejo caminhando nas ruas de Istambul, como as pessoas com quem esbarro ao acaso e que provavelmente nunca reencontrarei? Tenho receio, mas ao mesmo tempo estou ansiosa para saber o desfecho dessa viagem, dessa história que conto a mim mesma.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Tatiana Salem Levy recebeu o prêmio São Paulo de Literatura em 2008, e foi finalista na premiação Jabuti, também em 2008. Ademais foi convidada da Flip 2009.e participou da mesa "verdades inventadas" com Arnaldo Bloch e Sérgio Rodrigues. Por isso, em abril de 2009 comprei A Chave da Casa.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.