carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

O Diabo no Corpo

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
O Diabo no Corpo

Livro Ótimo - 1 opinião

  • Leram
    1
  • Vão ler
    2
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Raymond Radiguet

Editora: Difel

Assunto: Erotismo

Traduzido por: Moacir Werneck de Castro

Páginas: 175

Ano de edição: 1957

Peso: 265 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ótimo
Marcio Mafra
28/10/2004 às 11:00
Brasília - DF

Reconhecido como uma obra-prima o livro do Raymond Radiguet, recebeu em 1923, logo após a morte do autor, um grande prêmio da literatura francesa, o "Nouveau Monde". Foi argumento de filme, antes e depois da guerra. É uma história de amor casto, mas com muitas passagens escandalosas que tornam o romance menos puro. O leitor tem aqui uma história de amor forte, escrita com crueza, as vezes devassa. A tradução não é das melhores. Considerando-se que foi escrito no início dos anos 20, é um livro muito mais que bom.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história do primeiro amor de um jovem de 12 anos, com Marthe, uma mulher casada, cujo marido tinha sido recrutado para lutar na Primeira Guerra Mundial.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Desde o começo de nosso amor, Marthe me havia dado uma chave de seu apartamento, para que eu não tivesse de esperá-la no jardim, se por acaso ela estivesse na cidade. Podia utilizar-me menos inocentemente dessa chave. Era um sábado Despedi-me de Marthe prometendo que viria almoçar no dia seguinte com ela. Mas estava decidido a voltar à noite, o mais cedo possível No jantar, anunciei a meus pais que faria no dia seguinte, com Rene, um longo passeio na floresta de Senart. Para isso, tinha de sair as cinco horas da manhã. Como toda a casa estaria ainda dormindo, ninguém poderia adivinhar a hora em que eu partira, nem se tinha dormido fora. Mal comuniquei o projeto a minha mãe, ela quis preparar-me uma cesta cheia de provisões, para o caminho. Fiquei consternado: essa cesta destruía todo o romance e o sublime do meu ato. Eu que gozava antecipadamente o medo de Marthe à minha entrada no quarto, pensava agora nas suas gargalhadas quando viesse aparecer aquele Príncipe Encantado com uma cesta de dona de casa debaixo do braço.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não faço a menor idéia dos motivos deste livro encontra-se na prateleira


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.