carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Filosofia Perene

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Filosofia Perene

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    4
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    1

Autor: Aldous Huxley

Editora: Civilização Brasileira

Assunto: Filosofia

Traduzido por: Murilo Nunes de Azevedo

Páginas: 361

Ano de edição: 1973

Peso: 410 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
24/10/2004 às 22:33
Brasília - DF

Em Filosofia Perene, Huxley faz um grande ensaio, passando por Platão, Aristóteles, Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino e mais uma montanha de outros pensadores, todos na busca pela compreensão ampla, profunda e íntima do homem. Esta busca é realizada sob a ótica de suas religiões, incluídos os mitos, mistérios, promessas de felicidades e graças, que são um fato e uma realidade histórica de todos os povos e de todas as raças. A Filosofia Perene fica longe - muitas léguas - do brilho e repercussão do Admirável Mundo Novo. É livro para ler "filosofando", refletindo e perscrutando a vida.








Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Ensaio sobre filosofia passando por Platão, Aristóteles, Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino, além de uma multidão de outros pensadores posteriores e contemporâneos.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Isto parece evidente por si mesmo. Mas a maior parte de nós se compraz na preguiça; não nos dedicamos a um constante recolhimento e, entretanto, desejamos apaixonadamente livrar-nos das conseqüências da preguiça e da inconsciência Conseguintemente, há uma generalizada expectativa e crença em Salvadores, que surgirão em nossas vidas, acima de tudo na sua hora final, e, como Alexandre, cortem os nós górdios que, por preguiça, não desatamos. Mas Deus não e ludibriado. A natureza das coisas é tal que o conhecimento unitivo da Base que depende da conquista de um total desprendimento não pode, possivelmente, ser realizado, mesmo com o auxílio externo, por aqueles que ainda não são altruístas A salvação obtida pela crença no poder salvador de Amida, ou de Jesus, não é a libertação final descrita nos Upanishads, nas escrituras budistas ou na dos místicos cristãos. É algo diferente, não simplesmente em grau, mas também em espécie...."


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não tem qualquer historia para contar sobre este livro


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.