carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Filha Pródiga

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Filha Pródiga

Livro Bom - 1 opinião

  • Leram
    1
  • Vão ler
    2
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Jeffrey Archer

Editora: Difel

Assunto: Romance

Traduzido por: José Antônio Arantes

Páginas: 494

Ano de edição: 1984

Peso: 575 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
19/10/2004 às 12:47
Brasília - DF

Os livros do romancista inglês Jeffrey Archer são daqueles best-sellers de alto consumo. Tipo literatura Mac Donald. Mas muito bons, como A Filha Pródiga, e Caim & Abel. São sempre histórias dramáticas de heróis pobres, que se casam com ricos homens de negócios, ou o contrário. A história da rede internacional de hotéis Barão é envolvente, rápida, boa, leve, despretensiosa e divertida.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de Florentyna, cuja família se tornou proprietária da maior rede de hotéis do mundo. A rede Barão.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

- Você é um velho tolo e cabeçudo, Abel. - Sei disso, mas agora não posso fazer voltar os ponteiros do relógio. - Bom, digo-lhe uma coisa: nada me impedirá de aceitar o convite. Metido sob a coberta, Abel ergueu o olhar. Desde que pegara uma forte gripe, seis meses antes, raramente deixava a cama. Após seu regresso de uma longa viagem a Polônia, George praticamente se tornara seu único contato com o mundo exterior. Reconhecia que o amigo mais antigo estava certo e tinha de admitir que o convite era irresistível. Mas e Kane, também iria? Esperava que sim, mas duvidava. O homem era tão cabeçudo quanto ele ... George enunciou os pensamentos de Abel: - Aposto como Kane estará lá. Abel não fez comentários. - Tem o relatório final sobre Varsóvia? - Tenho - respondeu George rispidamente, irritado por Abel mudar de assunto. - Todos os acordos foram assinados e John Gronowski colaborou ao máximo. John Gronowski, o primeiro embaixador polonês em Varsóvia, refletiu Abel. Jamais se recobraria da ... - Sua viagem a Polônia do ano passado atingiu tudo o que você esperava. Voce viverá para inaugurar o Barão de Varsóvia. - Sempre quis que Florentyna o inaugurasse - disse Abel, calmamente. - Pois então convide-a, mas não espere de mim nenhuma complacência. Tudo o que deve fazer é reconhecer a existência de Richard. E até mesmo você despertou para o fato de que o casamento deles é um sucesso, do contrário aquilo não estaria sobre o consolo da lareira. George relanceou o olhar para o outro lado da sala. Lá, apoiado contra urn vaso, descansava um convite não respondido. Quando Florentyna Kane abriu a nova boutique na 5ª Avenida, toda Nova Iorque parecia ter comparecido. Florentyna, trajando um vestido verde confeccionado especialmente para ela com o agora famoso F duplo na gola alta, postara-se próxima da entrada da loja, recebendo os convidados e oferecendo-lhes champanha. Katherine Kane, acompanhada da filha Lucy, fora dos primeiros a chegar e rapidamente o recinto apinhava-se de pessoas que Florentyna conhecia bem ou desconhecia absolutamente. George Novak chegou um pouco mais tarde e encantou Florentyna com seu primeiro pedido - ser apresentado aos Kane. - O Sr. Rosnovski chegará mais tarde? - indagou Lucy, inocentemente. - Receio que não - respondeu George. - Disse-lhe que não passava de um velho tolo e cabeçudo por perder uma festa como essa. O Sr. Kane não veio? - Não. Ultimamente ele não tem se sentido bem e raras vezes sai de casa - disse Kate, e em seguida confiou a George uma notícia que o alegrou. - E papai, como tem passado? - Florentyna sussurrou ao ouvido de George. - Não muito bem. Deixei-o deitado no apartamento de cobertura. Talvez quando souber que esta noite você vai .. - Talvez - disse Florentyna. Pegou Kate pelo braço e apresentou-a a Zaphia. Por alguns segundos, as duas velhas senhoras permaneceram silenciosas. - É maravilhoso enfim conhece-la - disse Zaphia. Seu marido não veio? Os movimentos da multidão que enchia a loja eram quase impossíveis e os risos e as vozes sonoros davam a Florentyna a certeza do êxito da inauguração. Mas apenas uma coisa lhe ocupava os pensamentos: o jantar daquela noite.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não há historia sobre o livro A Filha Prodiga


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.