carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Os 100 Livros Que Mais Influenciaram a Humanidade

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Os 100 Livros Que Mais Influenciaram a Humanidade

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    5
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Martin Seymour-Smith

Editora: Difel

Assunto: História

Traduzido por: Fausto Wolff

Páginas: 678

Ano de edição: 2002

Peso: 970 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
31/10/2004 às 20:07
Brasília - DF

Cem livros que mais influenciaram a humanidade é um tipo de coletânea que vale pelo estilo, pelas críticas e pelas análises longas e bem argumentadas sobre os autores ou sobre os textos deles. Um trabalho hercúleo que invadiu o pensamento e a filosofia dos autores que compõem cada um dos cem livros. Este trabalho guarda uma certa similaridade com a bibliomafrateca. Mesmo assim é um livro difícil, chato, desatualizado, um verdadeiro porre, apesar da grandiloqüência do titulo.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história dos cem livros, listada segundo o ano da publicação tratando de: Um pano de fundo e uma visão geral do texto abordado; Fatos pouco conhecidos sobre o autor e o processo de criação de sua obra; Uma discussão a respeito dos fatos que justificaram a inclusão da obra analisada entre os cem livros que mais influenciaram a humanidade; Analise das conseqüências de cada um dos 100 livros

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

 

Denis Diderot 1751-1772.

A Enciclopédia.

A Idade da Razão ou Iluminismo são os dois nomes dados ao movimento intelectual que, segundo se alega sem muita exatidão, começou na Inglaterra com a filosofia de JOHN LOCKE e culminou na França na época de pensadores como VOLTAIRE, DENIS DIDEROT e Jean le Rond d'Alembert. A esses pensadores franceses geralmente se atribui o título de enciclopedistas. Na companhia de nomes como DAVID HUME, Benjamin Franklin e muitos outros, agrupam-se sob a rubrica de filósofos. Organizada por Diderot e d' Alembert, que mais tarde se afastou do projeto por achar que a matemática era mais importante do que a biologia, A Enciclopédia possuía 17 volumes de texto e 11 de ilustrações. Tendo entre seus colaboradores Voltaire e os principais pensadores da época, foi a mais notável de todas as tentativas, até então, de reunir os frutos do estudo humano em um só trabalho. Alem de oferecer um sumário de informações de todo o conhecimento teórico e desafiar casualmente a autoridade da Igreja Católica, refletia fielmente o espírito geral do Iluminismo: o homem poderia agora aprimorar-se ate alcançar a perfeição. Era também um manual que dava conselhos do tipo faça-você-mesmo. Foi implacavelmente perseguida por jesuítas e outros, mas o verdadeiro peso do seu saber, sua seriedade auto-evidente e o apoio de Madame de Pompadour, indecisa amante de LUIS XV, que acabou sendo decisivo a curto prazo, acabaram prevalecendo. Poucos viram A Enciclopédia, e pouquíssimos a leram, embora hoje existam planos de colocá-la na Internet. Sua circulação com quatro mil exemplares, mesmo na época, acabou sendo restrita, por causa do seu alto preço, mas ainda assim deu lucro. Era vista como parte importante da grande e otimista ofensiva do conhecimento contra a ignorância Portanto, a sua imensa influência, embora seja pouco lembrada hoje em dia. Essa influencia pode ser vista no êxito de seus sucessores, cuja qualidade recentemente começou a declinar. Um livro sobre fatos históricos publicado havia pouco tempo simplesmente omitiu a Guerra Franco-Prussiana. A obra tem grande importância histórica, e seus artigos sobre filosofia e religião eram, além de iluminadores, divertidos, porque escritos de forma a despistar os censores. Estes, embora bem-intencionados, foram sempre conduzidos a representar o último baluarte da reação - apenas os aspirantes a censor poderiam ultrapassa-los nesse aspecto. Ainda assim, um dos censores-chefes da época, o excelente Chretien-Guillaume de Lamoigne de Malesherbes, defensor do desaventurado LUIS XVI e um administrador realmente iluminado, era favorável a Enciclopédia


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Ganhei este livro do meu amigo Adalberto Tadeu, que foi meu companheiro de trabalho na CDL Câmara de Dirigentes Lojistas.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.