carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Antologia da Sabedoria 1º Tomo

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Antologia da Sabedoria 1º Tomo

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Não Consta Autor

Editora: Edigraf

Assunto: Auto Ajuda

Traduzido por: Não Consta Tradutor

Páginas: 234

Ano de edição: 1958

Peso: 660 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
16/10/2004 às 21:46
Brasília - DF

Coletânea antológica de conceitos morais e espirituais selecionados lá pelo final dos anos 50. Uma grande bobagem, que não tem nenhuma outra serventia que não encher prateleira, até porque a coletânea foi elaborada sem nenhum critério técnico, literário, de estilo ou segundo os postulados das escolas de psicologia. Bestagem pura.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Antologia da Sabedoria é coleção de conceitos morais e espirituais, alinhados pelo editor, no final dos anos 50 e destina-se aos que desejam educar-se moral e espiritualmente, aos que entreviram, como Lecomte da Noüy, a luz que está dentro de nós mesmos....

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

O Salmo do Eterno.João Wolfang Goethe. Não se destinam os sêres ao nada. A essência eterna vive e obra em tudo, perenemente. Aceita jubiloso a existência, porque a vida é eterna e inquebrantáveis leis protegem os tesouros vivos criados pelo Universo. A verdade desde há muito se vem revelando através dos grandes espíritos. Consagra-te a essa verdade. Rende graças à sabedoria que traça o círculo do Sol e o mesmo faz com a sua irmã Terra. Volve-te para ti mesmo: no mais fundo de teu ser encontrarás um guia, ao qual um espírito nobre se confia sem reservas. O recôndito de ti mesmo é um lugar onde nenhuma lei te pode faltar porque a consciência livre é o Sol de teu dia moral. Os sentidos também orientam. Com a inteligência desperta não te enganarão os erros. Com ágil olhada observa e com passo seguro e modesto caminha através das planuras dêste mundo tão rico de dons generosos. Que tua alegria seja moderada na abundância e bendição; que a razão esteja presente quando a vida goza a vida. Assim deixa o passado de ser efêmero; assim o futuro é uma antecipação vivida; assim é presente a eternidade. E quando dessa forma modelares a tua alma; quando te cientificares de que somente é verdade aquilo que vivifica teu espírito, então observa o curso geral do mundo e junta-te à minoria. Em todos os tempos o filósofo e o poeta preferiram trabalhar silenciosamente quando de suas criações. Essa será tua felicidade, a mais invejável. Gozarás de antemão os sublimes sentimentos que um dia hão de encher as mais nobres almas.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Um caso explícito de "conto do livro", semelhante ao conto do "vigário", do "paco" e do "bilhete premiado", urdido para tomar dinheiro de leitores trouxas, como eu. No início dos anos 60, espertos editores aproveitavam suas ótimas estruturas de venda porta-à-porta, para entupir incautos leitores, com quilos e mais quilos de livros. Para forçar a venda de um "autor bom" como Victor Hugo, Jorge Amado, Machado de Assis, Rousseau, Tolstói, Eça de Queiroz ou Shopenhauer, por um preço altíssimo, pagável em 10 ou 12 módicas parcelas mensais, se oferecia ao leitor comprador "inteiramente grátis" um "valioso brinde”, "ricamente encadernado", ou seja, uma antologia de qualquer coisa: poesia, discursos, galinhas, sapos, sexo dos anjos. Bestagem pura.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.