carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Levantado do Chão

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Levantado do Chão

Livro Excelente - 1 comentário

  • Leram
    3
  • Vão ler
    6
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    1

Autor: José Saramago

Editora: Record

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 366

Ano de edição: 1979

Peso: 385 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Excelente
Marcio Mafra
25/09/2004 às 11:16
Brasília - DF

Saramago recebeu o prêmio Nobel de Literatura em 1998. Suas obras foram publicadas em 26 países, incluindo o Brasil. A história do Levantado do Chão, começa não com uma simples frase, mas com poema de efeito, próprio de quem é escritor maior: ..."O que mais há na terra, é paisagem..." É uma história comprida, de pessoas que se levantam do chão, aliás como o autor foi considerado - até por ele mesmo - ao receber o nobel de literatura: Levantado do Chão. O romance, no estilo cru, aberto, sem limites, com normas de pontuação que refletem o contar de Saramago, narra a saga da família Mau-Tempo, que descreve a relação do português com a terra. Eles são testemunhas e do inicio da República, da Primeira Guerra Mundial, da Guerra da Espanha e a nova independência de Portugal, com a revolução dos cravos em 25 de Abril de 1974. João, o patriarca, tem muita consciência de que é explorado em seu trabalho de lavrador. Mas ele é resistente à política dos donos da terra, dos latifundiários e se nega a comercializar sua produção por preços miseráveis que o falso mercado impõe. Levantado do Chão é daqueles romances onde o leitor viaja com o autor, através do tempo e através dos personagens. Leitura demorada, mas, excelente.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Levantado do Chão narra a vida de três gerações de trabalhadores do Alentejo, passada entre o século XV e 1980. Domingos Mau-Tempo, seu filho João, seus netos Antônio e Gracinda, são os personagens principais da história. Eles levantam-se.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Antônio Mau-Tempo não andou muitos dias com os porcos. Deixou na obrigação Manuel Espada e foi aprender disciplinas que o outro já conhecia, por mais velho, e com treze anos viu-se a acompanhar os homens maduros a queimar rama, a cavar, em obra de açude, que é trabalho que demanda muito esforço e braço. Tão cedo como quinze anos foi que aprendeu a tirar cortiça, prenda preciosa em que veio a suir mestre, como tudo em que se metia, sem vaidade. Muito novo abandonou as vistas do pai e da mãe e andou por lugares onde o avô deixara as suas marcas e algumas más lembranças. Porém, tão diferente era do antepassado que ninguém juntou o apelido de um e o apelido do outro para fazer a mesma família. Puxava-o muito o lado do mar, descobriu as margens do Sado e aventurou-se, que não era pequena viagem, toda feita a pé, só para ganhar uns tostões de acréscimo que em Monte Lavre se regateavam. E um dia, muito mais tarde, cada coisa em seu tempo, irá a França trocar anos de vida por moeda forte. O latifúndio tem às vezes pausas, os dias são indiferentes ou assim parecem, que dia é hoje. É verdade que se morre e nasce como em épocas mais assinaladas, que a fome não se distingue na necessidade do estômago e o trabalho pesado em quase nada se aligeirou. As maiores mudanças dão-se pelo lado de fora, mais estradas e mais automóveis nelas, mais rádios e mais tempo a ouvi-los, entendê-los é outra habilidade, mais cervejas e mais gasosas, porém quando o homem se deita à noite, ou na sua própria cama, ou na palha do campo, a dor do corpo é a mesma, e muita sorte sua se não está em trabalho. De mulheres nem vale a pena falar, tão constante é o seu fado de parideiras e animais de carga. E, contudo, olhando nós este brejo que parece morto, só cegos de nascença ou por vontade própria não verão o frémito de água que do fundo vem subitamente à superfície, obra das tensões acumuladas no lodo, entre o fazer, desfazer e refazer químico, até ao rebentar do gás enfim liberto. Mas para o descobrir é preciso estar com atenção, não dizer, passando apenas, Nem vale a pena parar, vamos indo. Se por um tempo nos afastarmos, distraídos em paisagens diferentes e casos pitorescos, veremos, ao voltar, como tudo estava afinal mudando e não parecia. Assim há-de acontecer quando deixarmos António Mau-Tempo à sua vida e regressarmos ao fio da história começada, ainda que tudo isto sejam histórias de ouvir, até a do José Gato, para seu mal tão só dele e dos que o acompanhavam, como António Mau-Tempo é boa testemunha e certificador. Que isto não são eventos aborrecidos de Lampião brasileiro, conforme já ouvi contar, nem outros cá de mais perto, como foi o caso do João Brandão ou do José do Telhado, gente má ou gente errada, vá lá saber-se. Não quero eu dizer que no latifúndio não tenha havido pessoal de. Mau carácter, salteadores de estrada que por um nada deixavam o viajante morto e roubado, mas que eu tivesse conhecido, só o José Gato seguia esse ofício, ele - e os companheiros, quadrilha será mais bem dito, que eram, se me lembro, o Parrilhas, o Venta Rachada, o Ludgero, o Castelo, e outros que já se me varreram, um homem não pode guardar tudo. Que eu nem acho que fossem salteadores. Malteses, sim, será o nome justo. Se lhes dava para trabalhar, trabalhavam como qualquer outro, tão bem e tanto, não eram malandros, mas lá vinha o dia, era como se lhes desse o vento na cara, largavam a enxada ou a picareta, iam ao feitor ou ao encarregado pedir a paga dos dias, que a eles não se atrevia ninguém a ficar a dever, e sumiam-se. Com estes foi assim, até certa altura, cada um por si, homens sozinhos e calados, e então juntaram-se e formaram quadrilha. Quando os conheci, já o José Gato era o chefe, nem acredito que outro se abalançasse estando ele. O mais que roubavam, eram porcos, que nisso é a terra farta. Roubavam para comer, e também para vender, claro está, que um homem não se governa só com aquilo que come. Naquela altura tinham um barco fundeado no Sado, era ali o talho deles. Matavam os animais, e conservavam-nos na salgadeira, para as faltas. A propósito de salgadeira, há até um caso que vou contar, faltou-lhes uma vez o sal, estava-se nisto, como é que vai ser, como é que não vai ser, e o José Gato, que era homem s6 falador quando preciso, disse ao Parrilhas que fosse buscar sal às marinhas. Em geral, bastava dizer o José Gato, Faça-se isto, eram palavras de Deus Nosso Senhor, aparecia logo feito, mas daquela vez não sei que deu ao Parrilhas, disse que não ia.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Exemplar, da coleção Mestres da Literatura Contemporânea, adquirido quando fomos à S.Paulo, por ocasião do casamento do Gustavo com Patrícia, em 31 julho de 98. Na porta de uma loja de bairro havia verdadeira montanha de livros, todos a R$ 5,00. Trouxemos um bocado de livros de "capa dura" na cor azul. Nesta oportunidade praticamos a mais legítima "cultura métrica", ou seja, quando se compra livro à metro, para enfeitar prateleira.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.