carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Normalista

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Normalista

Livro Ótimo - 2 opiniões

  • Leram
    4
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    1

Autor: Adolfo Caminha

Editora: Ática

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 157

Ano de edição: 1977

Peso: 270 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
favorido
comprar
quero-ganhar

 


Ótimo
Maria Arizete Madeira aragão
02/08/2012 às 08:47
Recife - AC
Li esse livro na adolescência e adorei.

Ótimo
Marcio Mafra
20/09/2004 às 09:51
Brasília - DF

A Normalista, romance com viés autobiográfico do Adolfo Caminha, um extraordinário escritor cearense, considerado um dos principais representantes do naturalismo no Brasil. É uma história, densa, trágica, pouco apreciada na época, repleta de descrições de perversões e crimes. Livro bom. Leitura fácil


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de João da Mata, jovem marinheiro, que no ano de 1888, aos 21 anos de idade, escandalizou a sociedade Cearense, por se ter envolvido num caso sentimental, trazendo para sua companhia a mulher de um militar, fato que provocou o maior escândalo na Capital.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF
O Zuza abalara de feito numa sexta-feira, dias depois do casamento da Lídia. Por toda parte se comentava, com risinhos sublinhados, o escandaloso namoro com a normalista, e o pai, o coronel Souza Nunes, escrupuloso em tudo que lhe dizia respeito, exigiu do filho que embarcasse no primeiro vapor, sob penas severas. - Mas, meu pai... - Tenha santa paciência, vocemecê embarca ou diz porque não embarca. Fala-se em toda a cidade nos seus namoros com a rapariga e eu não quero, não consinto em semelhante escândalo. Sei muito bem o que isso é. Não pode ser boa mãe de família uma rapariga educada em companhia de um safardana reconhecido, como o tal Sr. João da Mata. Prepare as malas e deixe-se de histórias, que é perder tempo. Nestas condições o estudante não teve jeito senão resignar-se ante a vontade imperiosa do pai e anunciar ao José Pereira o seu embarque d'aí a dois dias. - De acordo, aprovou o redactor da Província. Deves tratar quanto antes da tua formatura e então podes voltar ao Ceará e fazer um figurão na nossa magistratura, que já conta em seu seio bons talentos, rapazes da tua estatura, inteligentes e resolutos. Sentia muito que o Zuza não se demorasse mais algum tempo, mas, enfim, como esperava em breve tornar a vê-lo formadinho, com o seu título de bacharel, "dando sorte" na capital cearense, que diabo! Era preciso abafar a saudade e consolar-se. O Zuza, porém, estava contrariado. Agora que as cousas corriam-lhe tão bem, que a rapariga entregava-se-lhe de corpo e alma, é que o obrigavam a embarcar da noite para o dia, sem ao menos ter tempo de despedir-se d'ela, de dar-lhe uma beijoca, um abracinho sequer, às escondidas. É verdade que o seu amor não era lá para que se dissesse um amor extraordinário, uma dessas paixões incendiárias que decidem do futuro de um cristão, mas, tinha a sua simpatia por aqueles olhinhos ternos como os de uma santa, lá isso tinha... Tão boas as palestras ao meio-dia, na Escola Normal, enquanto as outras normalistas divertiam-se lá para dentro, à espera dos professores! Uma gentinha levada da breca, essas normalistas! Com que facilidade a Maria do Carmo, aliás, uma das mais comportadas, entregava-lhe a face para beijar e escrevia-lhe cartinhas perfumadas, cheias de juras e protestos de amor! Se fosse outro, até já podia ter feito uma asneira... Arrependia-se agora de não ter aproveitado os melhores momentos... Grandíssimo calouro! Podia ter desfructado a valer. E concluiu, preparando-se para sair: - Ora sabem que mais? Há males que vêm para bem. A cidade está cheia do meu nome e do nome da rapariga, o verdadeiro é ir-me embora mesmo, sem dar satisfação a ninguém. Meu pai é um homem de juízo Eu podia muito bem engraçar-me deveras com a menina para casar e depois... Sabe Deus as consequências. Já se foi o tempo de um homem sacrificar posição e futuro por uma mulher pobre. Concluo o meu curso e sigo para a Europa, é o verdadeiro, ora adeus! Enfiou a manga do redingote, atabalhoado, e saiu a despedir-se dos amigos. Toda a cidade soube logo da viagem intempestiva do estudante. A noticia propalou-se com a rapidez de fogo em palha por todos os botequins, por todos os cafés e restaurantes, avolumando-se, como se tratasse de um grande acontecimento. Quem, o Zuza, o filho do coronel Souza Nunes? Então não se casava com a normalista? - Por esta já esperava eu, diziam uns convictamente. - E eu, repetiam outros. - Pela cara se conhece quem tem lombrigas, seu Sussuarana, afirmava um sujeito reles na botica do Travassos. Aquele tipo sempre me pareceu uma bisca. Agora a pobre rapariga é quem fica por aí com cara de besta, sem achar quem lhe roa os ossos. - Pode dizer, seu compadre. Esses fidalgos o que querem é isso mesmo - desfructar e pôr-se ao fresco. Todo o nosso mal é recebermos em nossas casas qualquer sunga-nenen que chegue a esta terra. Nós, os pais de família, é que somos os culpados.
 

Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Consta na folha de rosto: "Pertence a Maria Alice". Conclusão: o livro foi tomado por empréstimo à Maria Alice e não foi devoldido, ainda.


 

Para baixar ou visualizar o E-BOOK é necessário logar no site.
Clique aqui! para efetutar seu login.

 

Não tem uma conta?
Clique aqui e crie a sua agora!

 

 

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.