carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Passado Presente

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Passado Presente

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    2
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Maria J F das Neves

Editora: Athalaia

Assunto: Espiritismo

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 178

Ano de edição: 1998

Peso: 235 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
19/09/2004 às 12:58
Brasília - DF

Passado Presente - que tem por sub titulo Uma História de Vida Passada - é um tipo de livro onde o enredo não tem qualquer lógica de construção, onde os personagens são espíritos, e onde nada se atenta para a verossimilhança dos fatos que o texto contém. Ao final, sobra um livro de fazer inveja à Isaac Azimov ou aos outros autores da ficção científica. Às vezes, o produto final mais parece um daqueles gostosos livros de realismo fantástico, onde, de repente, um navio sai voando como se fora a coisa mais comum da vida, ou enormes formigas conversam animadamente durante a sua jornada de trabalho. Pior é quando tais autores, como a Maria JF das Neves, mesmo sem o desejar, ainda enveredam pela linha dogmática ou doutrinária. É demais. Muito ruim. Imaginação que confunde espírito com gente dá nisso.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de Mary Ellen. Eu me chamo Mary Ellen e começo minha narrativa exatamente no mês de novembro de 1679, quando eu tinha 8 anos de idade.... Uma experiência do espiritismo.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Jean convidou-me para entrar com ela. Recusei, apesar de estar curiosa com relação a Tom. Na verdade, não sabia o que iria acontecer lá dentro da saleta onde o curandeiro pacientemente atendia, uma a uma, as pessoas que ali chegavam. Não queria que Jean fosse para casa levando qualquer preocupação a meu respeito; no fundo eu sabia que nem tudo ia bem com a minha gravidez e com a minha vida amorosa. Desculpei-me, dizendo que não era elegante "avançar a fila ". Enquanto aguardava, pensei em convidá-la para pousar na minha casa, pois sabia que ela teria de ficar na vila para sair bem cedo no dia seguinte. Ela estava acompanhada por um escravo já nosso conhecido, de nome Jeremias, que conduzia uma pequena charrete puxada por um fogoso cavalo de propriedade dos Bryan. Tia Helen havia arranjado tudo. Falei com Jean. Ela era para mim uma irmã mais velha que eu queria muito. Tínhamos muito o que conversar. E, além do mais, Hanna ia ficar feliz em ver antigos companheiros. Combinaria com ela uma maneira de falar do nosso encontro, contanto que ele não soubesse da minha iniciativa de ir à casa do curandeiro. Ela entenderia, pensando que eu não queria preocupar Hanna. No caminho de casa, a nossa conversa girou em torno das "consultas" com o bom homem. Não deixamos de comentar sobre a impressão que nos causou aquele homem franzino, de rosto murcho como uma uva passa, mas de olhos vivos e brilhantes que pareciam sondar a nossa alma e que falavam apesar de mudos. Seus gestos tranqüilos, sua voz firme e serena acalentavam os necessitados que ali chegavam; as suas palavras eram um bálsamo reparador para os doentes do corpo e da alma. Fiquei bastante emocionada com tudo o que ele me disse, embora confesse que algumas coisas tenham sido incompreensíveis para mim. E foi com muita fé que recebi de suas mãos um pequeno frasco contendo um líquido cristalino, que ele me aconselhou a ingerir na hora de dormir. Ele me deu remédio para o corpo e conforto para a alma - pensei. Eu não sabia que aquele homem era um adivinho. A maneira como ele descreveu a minha vida convenceu-me de que se tratava de uma pessoa sábia ou dotada de poderes que uma pessoa comum não possuía. Encorajei-me a fazer-lhe algumas perguntas sobre o futuro, ao que ele prontamente respondeu, logo na primeira: - O futuro pertence a Deus e só Dele é o direito de revelá-lo, mas o presente, o hoje, que também já foi futuro, pertence a nós. E cabe somente a nós saber vivê-lo da maneira mais sábia possível. Sim, minha filha, é agora que construímos o nosso futuro; vive intensamente o "agora"; aproveita toda oportunidade bendita de regeneração que te for oferecida, saiba aceitar as dificuldades com resignação e paciência; tem tolerância para com o próximo, compreensão para com os teus companheiros de jornada; perdão para aqueles que te ferirem ou magoarem. Quando conseguires isso, terás amado como o ensinou o Nosso Senhor Jesus Cristo. Só pelo amor é que construiremos para nós um futuro de luz e paz. Vai e reza bastante por esse que está voltando (e apontou para a minha barriga). Sê obediente e cumpre o teu destino. Vai com Deus, Ele sabe de tudo.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Minha mulher, Edite, ao se aposentar das atividades profissionais de professora, em setembro de 2003, recebeu - durante o tempo das "despedidas" - muitos presentinhos e lembranças carinhosas de seus alunos da Escola Classe 304 Sul. Um deles deu-lhe este livro, com a seguinte anotação: " Para: Edite. TE AMO com carinho: Milton 2003.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.