carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Você está aqui Principal / Livros / A Dama do Lago

A Dama do Lago

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Dama do Lago

Livro Péssimo - 1 opinião

  • Leram
    1
  • Lendo
    0
  • Vão ler
    0
  • Relendo
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Raymond Chandler

Editora: Brasiliense

Assunto: Policial

Traduzido por: Marcos Santarrita

Páginas: 211

Ano de edição: 1984

Peso: 250 g

comentar
  • lido
  • lendo
  • vou-ler
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
doar
aceito-doação
favorido
comprar
quero-ganhar

 

Péssimo
Marcio Mafra
18/09/2004 às 18:26
Brasília - DF





Livro muito ruinzinho. A história é arrastada, tipo policialesca pobre.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Romance policial, com os ingredientes tradicionais: mulheres sensuais e fatais, linguagem seca, falsos vilões, boas bebidas, armadilhas e, lá ao fundo, as luzes coloridas da cidade, que dão um toque misterioso à história do Raymond Chandler.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

o Athletic Club ficava numa esquina do lado oposto da rua e quatro quadras distante do edifício Treloar. Atravessei e segui a pé para o norte até a entrada. Tinham acabado de aplicar concreto rosa onde havia antes a calçada de borracha. O trecho estava cercado, deixando um estreito passadiço para se entrar e sair do prédio. O espaço estava congestionado de empregados de escritório que voltavam do almoço.
A sala de recepção da Gillerlain Company parecia ainda mais vazia do que no dia anterior. A mesma lourinha fofa se achava instalada atrás do PBX no canto. Deu-me um rápido sorriso e eu lhe fiz a saudação do pistoleiro, um dedo duro apontado para ela, os três dedos de baixo dobrados e o polegar mexendo-se para cima e para baixo, como um pistoleiro do Oeste armando o cão de sua arma. Ela riu gostosamente, sem emitir um som. Aquilo era mais diversão do que o que ela tivera em uma semana.
Indiquei a mesa vazia da Srta. Fromsett e a lourinha assentiu, enfiou um plugue e falou. Abriu-se uma porta, e a Srta. Fromsett saiu ondulando elegantemente até a sua mesa, sentou-se e deu-me a atenção de seus olhos frios e expectantes.
- Sim, Sr. Marlowe? O Sr. Kingsley não está, sinto muito.
- Acabo de falar com ele. Onde podemos conversar? - Conversar?
- Tenho uma coisa pra mostrar a você.
- Oh, tem? - Ela me olhou, pensativamente. Muitos caras provavelmente haviam tentado mostrar-lhe coisas, incluindo águas-fortes. Em outra oportunidade, não me desagradaria fazer uma tentativa também.
- Negócios - eu disse. - Negócios do Sr. Kingsley.
Ela se levantou e abriu a portinhola na grade.
- Então podemos entrar no gabinete dele.
Entramos. Ela segurou a porta para mim. Ao passar, aspirei. Sândalo. Eu disse:
- Gillerlain Regal, o Champanha dos Perfumes?
Ela deu um débil sorriso, segurando a porta.
- Com o meu salário?
- Não falei nada sobre seu salário. A senhorita não parece uma garota que tenha de comprar seus perfumes.
- Sim, é isso mesmo - ela disse
- E, se quer saber, detesto usar perfume no escritório. É ele quem me obriga.
Atravessamos o comprido gabinete na penumbra e ela pegou uma cadeira no fim da mesa. Sentei onde me sentara no dia anterior. Olhamos um para o outro. Ela usava marrom nesse dia, com folhas de renda no pescoço. Parecia um pouco mais calorosa, mas nada que se assemelhasse a um incêndio na pradaria.
Ofereci-lhe um dos cigarros de Kingsley. Ela aceitou, acendeu-o com o isqueiro dele, e reclinou-se.
- Não precisamos perder tempo com rodeios - eu disse. - A senhorita já sabe a esta altura quem eu sou e o que estou fazendo. Se não sabia ontem de manhã, é apenas porque ele adora bancar o chefão.
Ela baixou os olhos para a mão que repousava em seu joelho, depois ergueu-os e sorriu quase timidamente.
- É um grande sujeito - disse. - Apesar de gostar de bancar o executivo durão. É o único a quem engana com isso, afinal. E se ao menos o senhor soubesse o que ele aturou daquela vagabundinha... - Balançou o cigarro. - Bem, talvez seja melhor deixar isso de lado. Por que queria falar comigo?
- Kingsley disse que a senhorita conheceu os Almores.
- Conheci a Sra. Almore. Quer dizer, encontrei com ela umas duas vezes.
- Onde?
- Na casa de um amigo. Por quê?
- Na casa de Lavery?
- Não vai se tornar insolente, vai, Sr. Marlowe?
- Não sei qual seria a sua definição para isso. Vou tratar de negócios como negócios, não como diplomacia internacional.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não há qualquer registro sobre este livro.


 

Para baixar ou visualizar o E-BOOK é necessário logar no site.
Clique aqui! para efetutar seu login.

 

Não tem uma conta?
Clique aqui e crie a sua agora!