carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Benjamin Franklin e Washington Irving

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Benjamin Franklin e Washington Irving

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    3
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Benjamin Franklin

Editora: Gamma

Assunto: Biografia

Traduzido por: Não Consta Tradutor

Páginas: 213

Ano de edição:

Peso: 470 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
23/06/2003 às 14:28
Brasília - DF

Quando um livro traz o rótulo de "clássico internacional" ou "maior clássico da história", normalmente é obra pobre, mal editada, de tradução sofrível. Os seus editores apenas ganham dinheiro. Como são obras de "domínio público", portanto, isentas do pagamento de direitos autorais, são editadas sem nenhum cuidado nem responsabilidade, todavia, são livros que proporcionam ótimos luvros aos editores.


A autobiografia de Benjamin Franklin e de Washington Irving é um livro chato, tosco sem sal, e sem nada. É uma lengalenga interminável, página após página, com uma americanicite de vida heróica e limpa, de fazer dó. Não vale a leitura.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história da vida de Benjamin Franklin, que junto com Jefferson e John Adams assinou a declaração de independencia dos EUA. Franklim era um físico importante e foi inventor do pára- raios, do óculos bi focal e da estufa elétrica.

Na sequência a história da vida de Washington Irving, escritor, advogado e companheiro do inglês Lord Nelson.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Sobre Benjamin Franklin

Os primeiros números do nosso jornal diferiam completamente dos de qualquer outro dos que existiam há mais tempo na província; melhor composição e melhor impressão; além de que algumas observações humorísticas da minha autoria, sobre a polêmica então em curso entre o Governador Burnett e a Assembléia de Massachusetts, impressionaram as pessoas importantes, dando lugar a que tanto o jornal como o seu diretor fossem muito comentados; de modo que em poucas semanas consegui que todos se tornassem nossos assinantes. Esse exemplo foi seguido por muitas outras pessoas, e o número das assinaturas foi continuamente aumentando. Tal foi um dos primeiros efeitos propícios do fato de eu ter aprendido a escrevinhar; outro efeito a assinalar foi o de que os homens que orientavam a opinião pública, verificando agora que existia um jornal nas mãos de alguém igualmente capaz de manejar a pena, acharam conveniente obsequiar-me e encorajar-me. Bradford imprimia ainda os boletins de voto, leis, e outros trabalhos oficiais. Tinha impresso uma homenagem da Casa I ao Governador, de uma forma confusa e grosseira; nós fizemos uma edição elegante e correta e enviamos um exemplar a cada membro. Todos se aperceberam da diferença: e este fato reforçou o ponto de vista dos nossos amigos da Casa, que votaram pela nossa nomeação como seus impressores para o ano seguinte. Entre os membros da Assembléia que eram meus amigos não devo esquecer Mr. Hamilton, a quem já me referi, e que tendo voltado da Inglaterra ali ocupava uma cadeira. Mr. Hamilton interessou-se profundamente por mim, nessa emergência, o mesmo ocorrendo em muitas outras que mais tarde se verificaram, jamais deixando de apadrinhar-me até morrer. Mr. Vernon, por esta época, recordou-me a dívida que eu contraíra para com ele, mas sem fazer pressão sobre mim. Escrevi-lhe uma carta sincera de reconhecimento, rogando-lhe que tivesse paciência por mais algum tempo, ao que ele acedeu; e, tão cedo me foi possível, paguei com juros, e agradecendo penhoradamente a importância emprestada; e, desta maneira, este meu erro foi corrigido até certo ponto. Agora, porém, uma nova dificuldade se me deparava, que nada me podia levar a prever. O pai de Meredith, que devia ter pago a nossa tipografia, de conformidade com os compromissos que tomara comigo, não estava em condições de adiantar mais de cem libras em numerário, as quais foram pagas; ficamos devendo as outras cem ao comerciante, que se impacientou e nos moveu um processo. Apesar de termos apresentado fiador, verificamos que, se não pudéssemos levantar dinheiro em tempo, o processo em breve entraria em julgamento e seria executado, e as perspectivas esperançosas que alimentávamos desmoronar-se-iam conosco, sendo a máquina de imprimir e os tipos vendidos para pagamento, talvez por metade do preço. Nesta hora de desespero dois verdadeiros amigos, cuja bondade nunca esqueci nem esquecerei enquanto tiver memória para me lembrar seja do que for, procuraram-me, isoladamente, sem que nenhum deles tivesse conhecimento da demarche do outrem, e sem qualquer solicitação da minha parte, e ofereceram-se, individualmente, para me adiantar todo o dinheiro que me fosse necessário para me habilitar a ficar sozinho à testa do negócio, caso esta solução fosse viável; não lhes agradava, porém, ver-me associado com Meredith, que, como diziam, era freqüentemente encontrado bêbado na rua, e contava pilhérias ordinárias nas cervejarias, muito contribuindo para o nosso descrédito. Estes dois amigos foram William Coleman e Robert Grace. Expliquei-lhes que não poderia propor um distrato enquanto prevalecesse qualquer perspectiva de cumprimento do nosso acordo por parte dos Meredith, visto que me considerava em grande obrigação para com eles, já pelo que tinham feito, já pelo que ainda fariam, se pudessem; mas que, se acabassem por falhar à sua promessa e a nossa sociedade devesse ser dissolvida, me consideraria então livre para aceitar o auxílio dos meus amigos. Assim, o assunto ficou por algum tempo em suspenso, até que um dia disse ao meu sócio: - Talvez seu pai não esteja satisfeito com a sua participação neste negócio, nem possa adiantar-nos, aos dois, aquilo que desejaria reservar para si só. Se o caso é este, diga-o francamente, porque eu desistirei de tudo a seu favor, e empreenderei um novo negócio por conta própria. - Não - respondeu ele. - Meu pai ficou realmente desapontado, e está de fato incapacitado. Não desejo desesperá-lo mais. Não me adapto a este trabalho. Cresci para lavrador e cometi uma loucura vindo para a cidade e iniciando, aos trinta anos de idade, o aprendizado de uma nova profissão. Muitos conterrâneos meus do País de Gales vão partir para se estabelecer na Carolina do Norte, onde a terra é barata. Estou tentado a seguir com eles e a retomar o meu antigo trabalho. Você pode encontrar amigos que o auxiliem. Se quiser assumir a responsabilidade das dívidas da firma; restituir a meu pai as cem libras que ele adiantou; pagar as minhas pequenas dívidas pessoais, dar-me trinta libras e um novo selim, deixarei a sociedade e abandonarei tudo em suas mãos. Concordei com a proposta, que foi imediatamente reduzida a escrito, selada e assinada. Dei-lhe o que me pedira; e pouco depois Meredith partia para a Carolina, de onde, no ano seguinte, me enviou duas longas cartas, nas quais incluía os melhores relatos que me foi dado ler sobre a região, clima, solo, lavoura, etc. porquanto, nestes assuntos, era muito judicioso. Publiquei-os ambos no meu jornal, e o público acolheu-os com muita satisfação....."

 

Sobre  Washington Irving

Logo que toda a gente teve conhecimento da perda das viaturas e dos cavalos, todos os proprietários se dirigiram a mim reclamando a indenização que me comprometera a pagar-lhes. Esta reclamação ocasionou-me sérios aborrecimentos, informando-os eu de que o dinheiro estava em poder do Intendente, mas que se tornava necessário obter ordens de pagamento do punho do General Shirley, e assegurando-lhes que as tinha solicitado por carta endereçada ao referido general; como porém ele se encontrava longe, a resposta teria de ser demorada e precisavam ter paciência; estas justificações não bastaram para satisfazê-los e por essa razão me começaram a mover uma demanda. Finalmente, o General Shirley libertou-me desta terrível situação, nomeando delegados para examinar as reclamações e ordenar os pagamentos. O montante das indenizações orçava por vinte mil libras aproximadamente, que, se eu tivesse de pagar do meu bolso, ficaria arruinado. Ainda se não tinha recebido a notícia desta derrota, quando os dois doutores Bond solicitaram a minha contribuição para uma subscrição destinada a custear as despesas com um grande fogo de artifício que seria queimado, assim tencionavam, como manifestação de regozijo no dia em que se recebesse a boa nova da captura do forte Duquesne, pelas tropas de Braddock. Tomei um ar sério para responder que me parecia que sobejaria tempo para preparar a manifestação de regozijo quando soubéssemos que havia motivo para nos regozijarmos. Pareceram-me admirados pelo fato de me não verem aprovar imediatamente a sua proposta. - Com os demônios! - exclamou um deles. - Certamente não pensa que o forte não será conquistado? - Eu ignoro se não será conquistado, mas o que não ignoro é que o desenrolar da guerra está sujeito a grandes incertezas. Apresentei-lhes as razões das minhas dúvidas; a idéia da subscrição foi abandonada e aqueles que a projetavam evitaram a mortificação que teriam sofrido se os fogos de artifício tivessem sido preparados. Mais tarde, em outra ocasião, o Dr. Bond declarou que não gostava dos agouros de Franklin. O Governador Morris, que continuamente enfadara a Assembléia com mensagens sobre mensagens, antes da derrota de Braddock, opondo-se à promulgação de decretos atinentes ao levantamento de fundos para a defesa da província, desde que se não isentassem do referido imposto, entre outros, os bens dos "proprietários", e que tinha rejeitado todos os seus orçamentos por não conterem essa cláusula, redobrava agora na intensidade dos seus ataques, com mais esperança de sucesso, dado o fato de se terem tornado maiores o perigo e a necessidade. A Assembléia, todavia, continuava firme, cônscia de que a justiça estava do seu lado e de que qualquer concessão feita ao Governador, no sentido de introduzir emendas nos seus orçamentos, corresponderia a renunciar a um direito essencial. Num destes últimos, que se destinava a obter uma verba de cinqüenta mil libras, a emenda proposta pelo Governador, em boa verdade, consistia apenas numa única palavra. Na justificação orçamental declarava-se - "que todas as propriedades, reais e pessoais, seriam abrangidas pelo imposto, inclusive a dos "proprietários"." A emenda proposta limita-se à substituição da palavra inclusive, pela palavra exclusive. Alteração mínima, mas substancial. No entanto, quando as notícias do desastre chegaram à Inglaterra, os amigos que lá tínhamos, e aos quais tivéramos o cuidado de remeter todas as respostas da Assembléia às mensagens do Governador, clamaram em grita contra os "proprietários", pela baixeza e injustiça reveladas no fato de terem dado semelhantes instruções ao Governador; alguns chegaram a declarar que, obstando à defesa da sua província, eles alienavam o seu direito a ela. Os "proprietários" sentiram-se tão intimidados com esta campanha que enviaram ordens ao seu Cobrador-Geral para adicionar quinhentas libras do seu dinheiro a qualquer verba que a Assembléia pudesse autorizar para este fim..


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não tenho nenhum registro histórico para este livro.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2020
Todos os direitos reservados.