carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Da Monarquia - Discursos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Da Monarquia - Discursos

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    1

Autor: Dante Alighieri

Editora: Gamma

Assunto: Ciencia Politica

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 195

Ano de edição:

Peso: 445 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
23/06/2003 às 15:57
Brasília - DF

A grandiloqüência do nome "Clássicos Internacionais" é um apelo do marketing, para vender uma obra "menor" de Dante Alighieri. Considerado o maior poeta da humanidade, pela autoria da "comédia" (que só ficou divina por interesses político-religiosos), em "Da Monarquia", o autor expõe a teoria das relações entre o Estado e a Igreja. Na Itália, por volta de 1300, a autoridade civil disputava o poder com a autoridade religiosa. Este foi o motivo da guerra entre guelfos e gibelinos. Os guelfos eram partidários dos papas cristãos e os gibelinos eram os partidários do imperador. A guerra terminou em acordo, daí esta "obra" de Dante, da Monarquia. Como obra, é menor e como literatura é pequena. Como estratégia de guerra não vale nada. Resta a impressão que edição e tradução são um engodo. A leitura só vale como referencial. Maquiavel, autor do famoso tratado de política "O Príncipe" e de uma notável peça teatral: Mandrágora, neste seu livro "Discursos" trata - politicamente - da primeira década do império de Tito Lívio. É o mesmo caso de Dante. Editores atribuem a Maquiavel uma grande importância por esta obra, mas na realidade, é somente uma ferramenta "marquetista" para promover a venda de "cultura métrica" eis que o leitor será induzido a achar que está adquirindo uma grande obra. Em "O Príncipe", publicada após a morte do autor, encontram-se conselhos para a boa governança. Em "Discursos" aparecem uns arremedos de conselhos, quase em forma de perguntas e respostas. Neste livro, também fica a impressão de engodo, tanto para a edição, como para a tradução. Sua leitura também vale como um referencial.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Em "da monarquia" Dante Alighieri, considerado o maior poeta da humanidade, expõe a teoria das relações entre o Estado e a Igreja. Em "discursos" Maquiavel, autor do famoso tratado de política, "O Príncipe", trata politicamente da primeira década do império de Tito Lívio.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Da Monarquia:

O que é adquirido por duelo é adquirido legitimamente. De fato, quando o julgamento humano é fraco, seja porque está sepultado nas trevas da ignorância, seja por não ter o apoio de um magistrado, a justiça não deve permanecer aniquilada; por isso, é necessário recorrer àquele que amou a justiça até o ponto de pagar pelo sangue e pela morte o que ela exigia. Daí o Salmista dizer: "Deus é justo e ama a justiça". Quando os adversários, com todas as forças dos seus corpos e das suas almas, lutam lealmente, sem ódio e por amor da justiça, fazem, de comum acordo, um apelo ao julgamento divino. Essa luta que, primitivamente, se produziu entre dois indivíduos, é o que se chama duelo. Sejamos, porém, prudentes. Nas guerras, deve-se experimentar antes de tudo os meios diplomáticos, e não combater senão em último caso; é o que nos ensinam Túlio e Vegécio, este na sua Arte Militar, e aquele no Livro dos Deveres; em Medicina, antes de empregar o ferro e o fogo, devemos experimentar todos os meios e não recorrer aos extremos remédios senão como último recurso. Assim devemos agir; devemos, antes de tudo, esgotar todos os meios de julgar nossas disputas e não recorrer ao duelo senão quando forçados a isso, se o duelo parecer o único meio de revelar a justiça. Há duas espécies de duelo: uma, da qual falamos agora, outra, da qual já falamos acima, isto é, esse combate ao qual se entregam os antagonistas sem ódio e sem paixão, apenas pelo zelo da justiça. Por isso, Túlio diz com razão: "As guerras que pretendem o império do mundo são conduzidas com menos crueldade". Se as regras do duelo são observadas (e se não fossem não haveria duelo), foi a necessidade de manifestar a justiça que colocou os duelistas em frente um de outro; não são, pois, confrontados em nome de Deus? E se ali estão reunidos em nome de Deus, Deus não estará no meio deles, segundo a promessa feita no Evangelho? Se Deus está presente, não será impiedade crer que a justiça pode sucumbir, essa justiça que Deus ama com tão grande amor? Se a justiça não pode sucumbir no duelo, o que o duelo pode adquirir é legitimamente conquistado. Essa verdade, os próprios pagãos a conheciam antes da trombeta evangélica, e pediam o julgamento à fortuna do duelo. Por isso, Pirro, que devia sua generosidade aos costumes e ao sangue dos eacides, teve razão de responder aos embaixadores que os romanos lhe haviam enviado para tratar do resgate dos prisioneiros: "Não peço nem ouro nem recompensa de qualquer espécie; não somos traficantes de guerra, mas apenas combatentes. O ferro, e não o ouro, nos julgará a todos. Se o destino quer que eu reine, ou quer que vós reineis, a nossa coragem no-la ensinará. Enfim, escutai o que vos digo: todos os que forem poupados pelo destino serão poupados também por mim, e não atentarei contra sua liberdade. Podem levar convosco todos os prisioneiros, eu vo-los dou.

Discursos

Não observar uma lei é dar um mau exemplo, sobretudo quando se é co-autor dela; e renovar cada dia ofensas contra o povo não pode acarretar senão os maiores perigos a quem o governa. Quando tudo isso ficou combinado e Roma restabelecida na sua antiga constituição, Virgínio citou a Ápio diante do povo, para que ele defendesse sua causa. Ápio compareceu, acompanhado por uma multidão de nobres. Virgínio ordenou que o pusessem na prisão. Ápio começou a clamar, apelando para o povo. Virgínio pretende que Ápio não é digno desse apelo, que ele próprio destruiu, nem de obter, como defensor, o apoio do povo que ele tão cruelmente ofendeu. Ápio responde por sua vez que não se deve violar esse apelo, cujo uso foi restabelecido com tanto fervor. Foi, entretanto, feito prisioneiro e, antes do dia do julgamento, matou-se. Embora seus crimes merecessem os maiores suplícios, violar essas leis a seu respeito não deixou de ser um atentado contra a liberdade, particularmente em leis que acabavam de ser restabelecidas, pois o mais funesto exemplo que se possa dar ao Estado, na minha opinião, é de criar uma lei e não observá-la, e sobretudo quando é violada por aqueles mesmos que a promulgaram. Depois do ano de 1494, a República de Florença tinha reformado seu governo pela influência do irmão Jerônimo Savonarola, homem cujos escritos testemunhavam a ciência, a sabedoria e a virtude. Entre os regulamentos estabelecidos para assegurar a liberdade dos cidadãos, havia uma lei que permitia apelar para o povo sobre todos os julgamentos feitos por crime de Estado, pelo conselho dos oito ou pela Signoria. Essa lei, que Savonarola havia aconselhado durante muito tempo e cuja promulgação obteve com grande dificuldade, acabava de ser confirmada, quando cinco cidadãos foram condenados e mortos pela Signoria, por atentado contra a segurança do Estado. Quiseram, apelar, mas não lhes foi permitido e essa lei foi violada. Esse acontecimento, mais do que qualquer outro, diminuiu o crédito de Savonarola. Se ele considerava o apelo como útil, devia fazer observar a lei; se considerava inútil, não devia ter feito tantos esforços para conseguir que fosse promulgada. Esse acontecimento foi tanto mais notável quanto em todas as prédicas que Savonarola fez depois que a lei foi violada ninguém o ouviu jamais censurar nem desculpar os que assim a haviam calcado aos pés, porque não queria desaprovar uma coisa que falava em seu favor e que ele não podia desculpar. Foi assim que se revelou o caráter faccioso e a ambição de sua alma, que ele perdeu todo o crédito e que atraiu a censura geral. Nada é mais funesto para um Estado do que acordar diariamente no coração dos cidadãos novos ressentimentos pelos ultrajes prodigalizados constantemente a este ou aquele cidadão, assim como acontecia em Roma, depois do decenvirato. De fato, todos os decênviros, assim como um grande número de outros cidadãos, foram em diversos tempos acusados ou condenados. O terror era universal entre os nobres, que não viam outro meio de acabar com essas condenações senão destruindo toda a nobreza. Disso teria resultado para a República uma série dos mais desastrosos inconvenientes, se o tribuno Marcos Duélio não lhe tivesse posto termo, por um edital que proibia durante um ano, a quem quer que fosse, a faculdade de citar ou acusar qualquer cidadão romano, o que restituiu aos nobres toda a tranqüilidade. Vê-se por esse exemplo quanto é perigoso para uma República ou para um príncipe esmagar o espírito dos cidadãos em contínuos terrores, fazendo pairar constantemente sobre eles ultrajes e suplícios. Nada mais perigoso do que semelhante conduta, pois os homens que começam a tremer por si próprios tomam a todo custo as precauções possíveis contra os perigos, a sua audácia cresce e logo nada mais os detém nas suas tentativas. É necessário pois nunca ofender a ninguém, ou satisfazer ao mesmo tempo todos os ressentimentos, sobretudo apaziguar os cidadãos restituindo-lhes a confiança e a calma.


  • Sobre Maquiavel

    Autor: Caio Tulio Costa

    Veículo: Revista Piauí, edição nº33, junho 2009

    Fonte:

     Nicolau Maquiavel era um devasso. Como o adjetivo que leva seu nome, maquiavélico, é sinônimo de duplicidade e má-fé, devasso não é uma novidade para defini-lo, mas soa como tal. Ao referendar o desequilíbrio entre moral e política na esfera pública, a amoralidade de Maquiavel não só inaugura a modernidade - ela é o coração da sua esfera íntima, de sua vida amorosa.

    Viajante assíduo, por obra do trabalho diplomático, de dia Maquiavel negociava com príncipes, nobres e cortesãos. A noite, freqüentava botequins e rufiões, bordéis e cortesãs. Bebia, jogava, apostava e se entregava ao que ele definiu como "Amor", com letra maiúscula. Quando não dava para se divertir, se queixava. Em carta na qual descreve o isolamento longe da sua Florença, reclama de que "não havia dormido nem brincado".
    Numa dessas viagens, dormiu e brincou com uma dama a quem chamou de "borrão de visão", de "tão feia". A um amigo, numa carta, deu detalhes da peça que lhe foi pregada pela Fortuna. A aventura é tão rocambolesca e minuciosamente relatada que persistem dúvidas se os fatos se passaram do jeito que ele conta. Suspeita-se de que Maquiavel - ou Machia, como o chamavam os amigos - tenha exagerado. Mas se sabe que a carta é real, autêntica e pouquíssimo divulgada. Continua lá, nos arquivos, como um grotesco entrevero carnal na vida de um cronista dado às firulas sutis da alta política.
    Quando datou assombrosa missiva pornô ao amigo Luigi Guicciardini, em 8 de dezembro de 1509, Maquiavel estava casado com Marietta di Luigi Corsini havia oito anos. Sabe-se mais de sua vida extraconjugal do que de seu casamento, apesar de Marietta tê-lo suportado até o fim da vida e lhe ter dado quatro filhos e duas filhas. Na única carta conhecida que Marietta lhe enviou, ela termina pedindo-lhe que "se lembre de voltar para casa".
    O próprio Maquiavel admitiu que era mais fácil encontrá-lo fora de casa. "Quando estou em Florença fico entre a bodega de Donato del Corno e La Riccia, um me chama de 'o chato da bodega' e a outra de 'o chato da casa"', escreveu a um amigo. Del Corno era um homossexual, dono de dois bares. La Riccia - ah! La Riccia! - era uma dama de alto coturno cuja casa Maquiavel freqüentava com assiduidade. Cortesã, ela atendia os "bem de vida" - seria o que hoje se chama de "garota de programa". La Riccia aparece ao menos em seis das cartas do filósofo. Maquiavel chegou a ser processado pelas autoridades florentinas por sodomizar La Riccia. Por conta de sua influência, livrou-se da acusação.
    "Além de ter um gosto por prostitutas de todos os tipos, Maquiavel parece ter mantido uma amante em cada cidade para a qual viajou", escreveu o seu mais recente biógrafo, Michael White.
    Ele foi um amante apaixonado, caprichoso e volúvel, a despeito de ter sido, enquanto teórico e prático da política, extremamente racional.
    Sua primeira amante chamava-se Jeanne e vivia na corte do rei Luis XII, da França. Ele a apelidou carinhosamente de Janna. O caso teria começado antes de ele conhecer Marietta, mas existem referências a ela nove anos depois de casado. Numa carta a Francesco Vettori, em 1514, ao falar de outra amante, Maquiavel demonstra que não economizava afetos: "Conheci uma criatura tão graciosa, tão refinada, tão nobre, tanto na sua natureza quanto na sua circunstância, que meu amor e prazer por ela nunca serão tão grandes quanto ela merece."
    Sua mais querida e mais durável amante foi uma cantora (e também cortesã) famosa, Barbera Raffacani Salutati. Em sua atenção, escreveu diligentemente a um amigo romano: "Barbera está em Roma; se você puder lhe prestar algum serviço, eu recomendo, porque ela me preocupa mais do que o imperador." Gostava tanto de Barbera que escreveu duas peças de teatro especialmente para ela: A Mandrágora e Clizia. Barbera era uma celebridade. E como cantava nos intervalos entre os atos, acabou dando certa notoriedade a Maquiavel - cuja fama póstuma é oceanicamente superior à que teve em vida.
    Nas peças, Maquiavel retrata casamentos disfuncionais, esvaziados de amor. São comédias sobre traições. Na Mandrágora, Calímaco, um jovem de Florença, planeja dormir com Lucrécia, a mulher mais bonita daqueles tempos. Manipula o marido de Lucrécia para deixá-los a sós por ao menos uma noite. Na outra peça, Nicômaco cai de amores por sua filha adotiva, a Clizia que dá nome à peça, filha do primeiro marido de sua mulher, Sofronia -louca e irracional, no dizer do marido.
    Maquiavel não tinha ilusões quanto à fauna humana. No prólogo de Clizia, ele diz: "Todos, e principalmente os jovens, se deleitam com a cupidez dos velhos, com a loucura dos amantes, com as mentiras de um criado, com a ganância dos parasitas, com a miséria dos pobres, a ambição dos ricos, os artifícios da prostituta - e com a reduzida confiança que se pode depositar nos outros."
    Como a moral do filósofo era "utilitária", na definição do historiador inglês John Rigby Hale, autor de Maquiavel e a Itália da Renascença, ele "perdoava" os pecados da carne. "A fidelidade sexual não era considerada por Maquiavel, nem pelos seus amigos mais próximos, como parte necessária do casamento", escreveu Hale.
    Quando um dos melhores amigos de Maquiavel, Vettori, pediu conselhos a respeito de um caso amoroso, Maquiavel foi explícito:
    Lembrando o que as setas do Amor me causaram, sou obrigado a lhe dizer o quanto tenho lidado com ele próprio. De fato, eu o deixo fazer o que ele gosta e o tenho perseguido por colinas e vales, florestas e planícies; descobri que ele me concedeu mais encantos do que eu poderia atormentá-lo para ter. Portanto, tire o arreio, remova o cabresto, feche os olhos e diga: "Vá em frente, Amor, seja meu guia, meu líder; se as coisas acabarem bem, o prazer te pertencerá; se acabarem mal, a culpa é tua, eu sou seu escravo."
    Vários dos biógrafos se perguntam se o "Amor" enaltecido por Maquiavel tinha mais a ver com a luxúria do que com o amor propriamente dito. Ou, pelo menos, do que se entende hoje por amor nas sociedades ocidentais. Afinal, o sexo casual não era incomum na Florença e na Roma renascentistas. O mesmo Vettori, casado, foi eloqüente, numa carta em 1515: "Nada me delicia mais do que pensar em foder."
    O renascimento, igualmente, deu fama à família Bórgia, na qual reinava a esbórnia. E Maquiavel, sardônico, teve presença de espírito para captá-la em toda a sua intensidade - política. Funcionário público, contemporâneo da desregrada família, escreveu muito sobre ela. E os Bórgia acabaram encarnando na história do mundo o adjetivo maquiavélico, num tempo em que artimanhas políticas e corrupção sexual caracterizavam os papados.
    A dama mais famosa da época era Lucrécia Bórgia. Nascida em 1480, quando; Maquiavel tinha 11 anos, era filha ilegítima do Papa Alexandre VI, nascido Rodrigo Bórgia. E irmã de César Bórgia, a principal inspiração de O Príncipe. Mesmo para os hábitos liberais de seus contemporâneos, Lucrécia era considerada dissoluta. Aos 13 anos, suas formas, desde menina, atraíam a atenção de todos os homens. A crônica a retrata de cabelos "cor de ouro" e os olhos "de um azul cintilante". Foi considerada a mulher mais bela de Roma. Só podia ser ela a personagem central de Mandrágora.
    Na primavera de 1509, Maquiavel recebeu uma missão de courier e de agente de informação. Estava em Florença quando o mandaram pegar dois cavalos e partir a galope para Mântua, na Lombardia, a fim de entregar ao imperador Maximiliano a segunda parcela dos 40 mil florins que os florentinos lhe haviam prometido durante a conquista da cidade de Pisa. Chegou, pagou a áurea soma e circunstâncias fortuitas o levaram um pouco acima, a Verona, de onde teria que enviar informes sobre a guerra - mas não havia guerra.
    Sem ter o que fazer, escreveu, copiosamente, conselhos às autoridades florentinas e cartas aos amigos. Em meio ao tédio, esboçou um negócio com economias feitas durante a viagem: montar uma granja. Pediu ao amigo Luigi Guicciardini para propor a um tal de Piero di Martino que tomasse conta das futuras galinhas. Apesar da modorra, estava de bom humor. Havia recebido uma carta na qual Luigi lhe revelava uma aventura amorosa e confessava um "imenso desejo" de rever uma "bela senhora".
    Em resposta, Maquiavel descreveu a passagem inconfessável que teve em Verona. Como estava em "carência conjugal", acabou aceitando o convite de uma "velha tratante" que lhe lavava a roupa. A "velha tratante" tanto fez que o convenceu a ver uma "certa camisa" que queria que ele provasse.
    O relato é tão escalafobético que, repito, alguns maquiavelistas levantam dúvida sobre sua veracidade. Roberto Ridolfi, autor da mais famosa biografia do florentino, afirma que é "provavelmente verdadeiro". E racionaliza: "A descrição dos detalhes é forçada demais para ser verossímil, demasiado realista para ser real."
    Apesar disso, Ridolfi não transcreveu a carta em seu livro. Só a última biografia, de Michael White (2007), traz um bom pedaço da carta. Outros biógrafos comentam a existência do relato.
    Os detalhes do acontecido falam por si. Se você é uma pessoa sensível, não prossiga. Eis então a carta de Maquiavel para Luigi Guicciardini em resposta àquela na qual o amigo confessa desejar reencontrar uma bela senhora:
    Admira-te, Luigi, e veja quanto a Fortuna dá ao homem diversos fins para um único motivo. Você a fodeu, teve a vontade de refodê-la e ainda tentou de novo. Mas eu fiquei aqui vários dias, cego pela carência conjugal, quando encontrei uma velha que me lavava as camisas, que mora em uma casa meio subterrânea onde não se vê a luz senão pela porta: e eu estava passando um dia por lá, ela me reconheceu e me fez uma grande festa, me pediu que lhe desse o prazer de ir à sua casa, com a desculpa de me mostrar umas camisas bonitas como se eu as quisesse.
    Uma vez lá dentro, distingui na escuridão uma mulher agachada num canto, exalando modéstia com uma toalha cobrindo a cabeça e o rosto. Aquela velha tratante me tomou pela mão, me mostrou a mulher e me disse:
    - Essa é a camisa que eu quero vender, mas queria que você a provasse antes e depois você a paga. Eu, cauteloso que sou, senti-me bastante amedrontado; porém, ficando a sós com a tal e no escuro (já que a velha saiu logo da casa, fechando a porta), para encurtar a história, sozinho com ela naquele breu, eu a fodi de um só golpe. Embora sentisse as suas coxas um pouco moles e a sua xoxota desanimada - e o seu hálito era um pouco fedido -, ainda assim, excitado como estava, fui aos finalmente com ela.
    Tendo terminado, e com vontade de dar uma olhada na mercadoria, peguei um pedaço de madeira da lareira do quarto e o acendi, mas quase deixei cair das minhas mãos antes que se apagasse.
    Urgh! Quase caí morto com aquele borrão da visão, aquela mulher tão feia. A primeira coisa que notei nela foi um tufo de cabelo metade branco, metade preto - em outras palavras, esbranquiçado. Embora o topo de sua cabeça fosse careca (graças à calvície, era possível perscrutar alguns Piolhos passeando por ali), alguns poucos e finos fios de cabelo desciam até a fronte. No meio de sua cabeça pequena e enrugada, ela tinha uma cicatriz de queimadura que fazia parecer como se tivesse recebido uma marca no mercado; na ponta de cada sobrancelha, em direção aos olhos, havia um aglomerado de lêndeas; um olho olhava para cima, o outro para baixo - e um era maior; seus dutos de lágrimas estavam cheios de remela e ela não tinha cílios. Tinha um nariz arrebitado incrustado baixo demais no rosto e uma das narinas estava cortada e cheia de ranho. Sua boca parecia a de Lorenzo de Médici, mas era torta para um lado, e desse lado escorria uma baba porque, não tendo nenhum dente, ela não podia conter a saliva. Seu lábio superior servia de apoio para um longo e ralo bigode. Ela tinha um queixo longo e pontiagudo um pouco virado para cima; uma papada levemente peluda balançava até seu pomo-de-adão.
    Enquanto fiquei ali absolutamente desconcertado e estupefato olhando aquele monstro, ela tomou consciência disso e tentou perguntar "Qual é o problema, senhor", mas não conseguiu porque gaguejou. Assim que abriu a boca, ela expeliu um tal fedor em seu hálito que meus olhos e meu nariz - portais vizinhos para, o mais delicado dos sentidos - se sentiram assaltados por ele e meu estômago ficou tão indignado que foi incapaz de tolerar esse ultraje; começou a se rebelar, e então se rebelou - de modo que vomitei em cima dela. Tendo-a ressarcido em espécie, parti. E juro por todos os céus que, enquanto estiver na Lombardia, podem me condenar ao Inferno se pensar em voltar a ficar excitado; e se você agradecer a Deus por eu ter encontrado tanta diversão eu agradeço a Ele por perder o medo de não ter mais tanto desprazer.
    Creio que levarei desta viagem algum dinheiro e verei quando chegar a Florença se começo algum negócio. Pretendo montar um galinheiro, preciso encontrar ninguém que o administre: acredito que Piero di Martino seja suficiente; fale com ele quer ser o chefe e responda-me, porque se ele não o quiser eu vou procurar outro.
    Das novidades daqui Giovanni as relatará. Lembranças e recomendações a Jacopo, e não se esqueça de Marco.
    Em Verona, 8 de dezembro de 1509. Espero a resposta de Gualtieri sobre minha história comprida e inverossímil.
     
    A tradução da carta para o português vem de várias fontes. Usei o trecho que aparece no livro de Michael White (Maquiavel, um Homem Incompreendido), outro de Maurizio Viroli (O Sorriso de Nicolau: História de Maquiavel) e, para o restante da carta e outras expressões dos originais de Maquiavel, tive a ajuda de Lulla Gancia.
Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não há nenhum registro histórico sobre este livro.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.