carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Tributo à Sanidade De Um Louco Brasiliense

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Este livro está disponível
para Doações
Clique aqui
para solicitar
Tributo à Sanidade De Um Louco Brasiliense

Livro Ótimo - 3 comentários

  • Leram
    2
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    2

Autor: Murilo Homem

Editora: Autografia

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 398

Ano de edição: 2018

Peso: 450 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 


Excelente
Raskólnikov
04/08/2019 às 23:20
Brasília - DF
Excelente livro! Recomendo a leitura a todos os espíritos inquietos, sobretudo aos brasilienses.


Excelente
Larisse Costa
13/07/2019 às 00:17
Valparaíso de Goiás - GO
Li e gostei bastante do livro, de verdade. A obra é fluida e contemporânea, mas passa bem longe da tendência (o que é elogiável). Inclusive, acho que precisamos de mais obras do gênero, afinal, a ficção está se perdendo na retidão das discussões políticas e sociais.
A dita “estranheza” dos personagens é nítida, mas, certamente, é proposital – e cabe perfeitamente com a obscuridade em que são regidas as relações oficiais detalhadas, desconhecidas pela maioria dos leitores. Posso até afirmar que este foi um dos aspectos que eu mais gostei na obra.
Resumindo, a “estranheza” do livro me fez lembrar um pouco as obras de Kafka, das quais sou grande apreciadora. Recomendo muito. Vale a leitura.

Ruim
Marcio Mafra
19/05/2019 às 21:14
Brasília - DF
“Tributo à Sanidade de Um Louco Brasiliense” de Murilo Homem, editado agora em 2018 pela editora autografia, como diz o titulo, a história se passa em Brasília, tida como a “ilha da fantasia” e “capital da corrupção”, só pode ser uma ficção repleta de personagens esdrúxulos. Augusto Rosenberg é o personagem principal que nasceu e viveu em Brasília. Conhece as mordomias e outras loucuras praticadas pelos poderosos incrustados nos três poderes da nação. Augusto na juventude - como é típico de qualquer jovem - contestou o Estado, a política, os poderosos, as autoridades adorando os filósofos e poetas da Chapada dos Veadeiros e também outros intelectuais da época.
Mas o romance é de uma estrutura um tanto pernóstica, metida e escalafobética.
Duas características são positivas: (1) O livro é bem escrito. (2) O final da história não é previsível.
Ainda assim, na condição de simples leitor, considero o livro sofrível. Ruim.

Marcio Mafra
19/05/2019 às 00:00
Brasília - DF

A história de Augusto Rosenberg, casado com Camélia por quem se apaixonou na juventude e seus amigos Camilo, Arthur, Rafael, Mão Santa e muitos outros personagens que viviam com o que a vida lhes oferecia. Jovens politicamente críticos do estado, da sociedade e da corrupção. Jovem de maneiras utopistas, Augusto se depara com o existencialismo da época e acredita que não vale a pena abdicar de seus ideais, assim como da natureza, em benefício da coletividade. Ao final ele acaba ingressando no Serviço Publico Federal, carreira do judiciário, com altíssimo salário e importância social, quando descobre e vive a face oculta da elite de Brasília.

Marcio Mafra
19/05/2019 às 00:00
Brasília - DF

Duas semanas antes do julgamento de Dom Satanás, bateu à porta da

casa dos Rosenberg, na quinta-feira pela manhã, um sujeito bastante

peculiar, com baixíssima estatura, vestindo camisa social enfiada para

dentro da calça e sapatos envernizados. Guland era o seu nome, ou pelo

menos a alcunha conferi da pelo meio jurídico, e ele era conhecido por

 

entregar correspondências especiais que não podiam ser caprichosa-

mente deixadas nas mãos curiosas dos carteiros.

 

Desde que Augusto se tornara juiz, Guland aparecia pelo menos

 

uma vez por ano em sua porta, a fim de entregar pessoalmente um en-

velope negro, cujo conteúdo fazia tremer as vértebras de sua espinha.

 

Tratava-se de um convite ... Um convite ao Baile dos Magistrados daque-

le ano.

 

- Outra vez o convite, hein, Guland? - disse o juiz, simpaticamen-

te, ao anãozinho calvo enquanto analisava as letrinhas miúdas expos-

tas no papel.

 

A despeito da simpatia, Augusto sequer cogitava a possibilidade de

ir ao famoso baile, não, aquela extravagância o enojava. Desde a ocasião

 

em que conhecera Salvatore, Augusto não pisara mais no solo amaldi-

çoado das galerias. Nem sequer cogitara! E o mesmo se repetia, o asco,

 

a repulsa.

"Não, Guland, eu não vou aparecer no seu baile nojento'; externou,

ainda, o Juiz, em pensamento. Mas ele não teve coragem de revelar a

 

sua luz. As palavras ficaram presas na boca, na garganta, nem ele sa-

bia dizer onde. Guland pediu licença para entrar, pois estava com sede.

 

Marta trouxe-lhe um copo de água, ele bebeu e se sentou no sofá.

 

- Posso crer que desta vez o senhor irá aparecer? - indagou o mensa-

geiro com a voz anasalada, aguardando, com olhar severo, uma respos-

ta positiva.

 

- Vamos ver, vamos ver - disse-lhe Augusto, tocando um dos om-

bros do baixinho com a mão. - Sabe como é, tenho um grande julga-

mento na semana que vem, e ...

 

- Por isso é imprescindível que o senhor vá ao baile - interrompeu

Guland de forma sentenciosa, comprimindo os olhinhos já minúsculos

na direção de Augusto. - Para que tudo se esclareça.

- Não há nada a ser esclarecido, meu senhor - manifestou o juiz,

com certa severidade. - Os papéis estão espalhados sobre a minha mesa

e lá se encontra a verdade.

- Salvatore pediu pessoalmente que eu o convencesse e é o que eu

pretendo fazer.

- Ouça, Guland - disse Augusto, com um sorriso sereno nos lábios.

- O baile é neste sábado, certo? Tenho dois dias para refletir. Se achar

que vou ser beneficiado, com certeza irei, mas é uma questão de ponto

 

de vista. Portanto, não há como sair daqui, hoje, com uma resposta defi-

nitiva. A minha presença, ou não, no baile, vai manifestar a minha deci-

são. É a única certeza que consigo dar ao senhor.

 

- Assim não pode ser - disse Guland, ficando vermelho de raiva. -

Porque se você não for, eu serei o prejudicado!

 

- Eu sei, eu sei, mas ...

- Ouça - interrompeu Guland, levantando a voz. - Não há como

negociar. O senhor deve saber que fazer parte do Poder Público é ser

parte de uma coisa maior. Não há como desviar dos olhos daquele que

tudo vê.

- Está me ameaçando, Guland? - questionou o juiz, levantando-se

furioso do sofá.

- Oh, não, Excelência, eu não seria capaz de ameaçá-I o - disse, por

sua vez, o baixinho, com a voz mansa e servil. - Estou aqui unicamente

para servi-lo, senhor.

 


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
19/05/2019 às 00:00
Brasília - DF

Meu amigo Rafael Canivelo, companheiro de viagem ao Japão, e mestre em  “De Rose Method High Performance” (Método dos empreendedores de sucesso), de onde provem seus dotes de massagens. Rafael Canivelo que é um profissional sério porém, tem algo de “místico”, me presenteou, no inicio de 2019 com este “Tributo à Sanidade de Um Louco Brasiliense”, de autoria de Murillo Homem


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2020
Todos os direitos reservados.