carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Revolução dos Bichos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Revolução dos Bichos

Livro Ótimo - 2 comentários

  • Leram
    27
  • Vão ler
    21
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    15

Autor: George Orwell

Editora: Fundação Victor Civita

Assunto: Romance

Traduzido por: Heitor Ferreira

Páginas: 137

Ano de edição: 1982

Peso: 130 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 


Excelente
ANTONIO VINICIUS RIBEIRO VARGAS
30/04/2015 às 12:15
Tremembé - SP
Livro excelente, surpreendente, reflexivo. Ótima opção para leitura.

Bom
Marcio Mafra
03/03/2003 às 11:32
Brasília - DF

George Orwell, comunista batizado e crismado, renunciou à sua condição burguesa e virou operário na Inglaterra. Consta que chegou a trocar de nome. Seu maior livro escrito em 1949 e previa que o mundo seria comandado pela tecnologia e pelos robôs, se chamou 1984. A Revolução dos Bichos era um livro que os militares do golpe de 1964 gostavam de citar, porque o George Orwel foi um dos poucos "comunistas de carteirinha" que teve a coragem de criticar o regime soviético, ainda que o tenha feito através deste romance. Crítica sim, "pero no mucho" . Foi para incensar o autor, que o tradutor, Heitor Ferreira, um conhecido anti comunista, que ocupou importantes cargos na hierarquia direitista, durante a ditadura militar de 64, adaptou o romance para a nossa linguagem. Revolução dos Bichos é a historinha na qual Orwell condena a traição de Josef Stalin à causa bolchevista. Animais tomam o poder em uma fazenda, e paulatinamente desvirtuam seus propósitos revolucionários. Apesar de toda esta conotação política, o romance não é dos piores. Mas não é um livro que faça o leitor perder uma noite de sono.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história dos bichos, que na Inglaterra estavam cansados da exploração e da tirania dos seres humanos. Então explode a revolução dos bichos. Com o correr dos anos, aconteceu entre eles a dissidência e a Granja dos Bichos transforma-se num mundo feito de mentiras, traições e terror.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

O ano inteiro os bichos trabalharam feito escravos. Mas trabalhavam felizes; não mediam esforços ou sacrifícios, cientes de que tudo quanto fizessem reverteria em beneficio deles próprios e dos de sua espécie, que estavam por vir, e não em proveito de um bando de preguiçosos e aproveitadores seres humanos. Durante toda a primavera e o verão.,. enfrentaram uma semana de sessenta horas de trabalho, e em agosto Napoleão fez saber que haveria trabalho também nos domingos à tarde. Esse trabalho era estritamente voluntário, porém o bicho que não aceitasse teria sua ração diminuída pela metade. Mesmo assim, ficou alguma coisa por fazer. A colheita foi pouco menor do que a do ano anterior, e duas lavouras, que deveriam receber mandioca no início do verão, não foram plantadas por não ter sido possível ará-las a tempo. Era fácil prever que o inverno seria bastante duro. A construção do moinho de vento apresentou dificuldades imprevistas. Havia na granja uma boa pedreira, e grande quantidade de areia e cimento fora encontrada num depósito, portanto o material para a construção existia e estava à mão. O problema que os animais não conseguiram resolver, de início, foi o de quebrar as pedras do tamanho desejado. Não parecia haver outra maneira senão com picaretas e alavancas, coisas que nenhum animal podia usar, porque não lhes era possível ficar de pé sobre duas patas. Somente após semanas de trabalho em vão, foi que ocorreu a alguém a idéia certa: aproveitar a gravidade. Pelo leito da pedreira jaziam seixos enormes, demasiado grandes para serem usados como estavam. Os bichos amarravam cordas em torno das pedras e, todos juntos, cavalos, vacas, ovelhas, todo animal que fosse capaz de segurar os cabos - até os porcos entravam no grupo, em certos momentos críticos -, arrastavam-nas com desesperadora lentidão até o ponto mais elevado da pedreira, de cuja borda eram derrubadas para despedaçarem-se embaixo. O transporte das pedras, uma vez quebradas, era relativamente simples. Os cavalos carregavam-nas em carroças, as ovelhas arrastavam blocos individuais, até mesmo Maricota e Benjamim atrelaram-se a uma velha charrete e fizeram sua parte. No fim do verão já haviam acumulado um bom estoque de pedras e começou a construção sob a direção dos porcos. Entretanto, o processo era demorado e laborioso. Freqüentemente levavam um dia inteiro para arrastar.uma pedra das maiores até o topo da pedreira, e às vezes, atirada pela borda, não quebrava. Nada se teria feito sem Sansão, cuja força parecia igual à de todos os outros bichos juntos. Quando a pedra começava a escorregar e os animais gritavam de desespero, ao se verem arrastados colina abaixo, era sempre Sansão que retesava os cabos e continha a pedra. Vê-lo na faina da subida, palmo a palmo, com a respiração acelerada, os costados molhados de suor e as pontas dos cascos cravadas no solo, era coisa que enchia a todos de admiração. Quitéria às vezes recomendava-lhe que tivesse cuidado e não se esforçasse demais, mas Sansão não lhe dava ouvidos. Seus dois lemas: "Trabalharei mais ainda" e "Napoleão tem sempre razão" pareciam-lhe resolver todos os problemas. Pediu a um dos galos que o acordasse três quartos de hora mais cedo, pela manhã, ao invés de meia hora. E nos momentos de folga, coisa que nos últimos tempos não sucedia muito amiúde, ia sozinho à pedreira, juntava um monte de pedra britada e puxava-o até o local do moinho de vento, sem ajuda de ninguém. Os bichos não passaram muito. mal aquele inverno, malgrado a dureza do trabalho. Se não dispunham de mais alimentos do que no tempo de Jones, também não tinham menos. A vantagem de só terem a si próprios para alimentar, sem os cinco esbanjadores seres humanos, era tão grande que compensava bem algumas faltas. E,sob muitos aspectos, seus métodos eram mais eficientes e econômicos. Certas tarefas, como; por exemplo; a limpeza de ervas daninhas, podiam ser realizadas com uma perfeição impossível aos seres humanos. E como nenhum animal roubava, não houve necessidade de separar as pastagens das terras aráveis, o que evitou o grande trabalho da construção de cercas e porteiras. Não obstante, à medida que o verão passava, começou a se fazer sentir alguma escassez, imprevista. Houve falta de óleo de parafina, de pregos, de corda, de biscoitos para os cachorros e de ferraduras para os cavalos, coisas que, não podiam ser fabricadas na granja. Mais tarde, faltaram também sementes e adubo artificial, além de vários tipos de ferramentas, e, finalmente, a maquinaria para o moinho de vento. Como obter isso tudo, ninguém conseguia imaginar. Um domingo de manhã, quando os bichos ,se reuniram para receber as ordens, Napoleão anunciou sua decisão de encetar uma nova política. A partir daquele dia, a Granja dos Bichos passaria a comerciar com as da vizinhança; naturalmente, sem qualquer objetivo de lucro, mas com o fito único de obter algumas mercadorias urgentemente necessárias. As exigências do moinho de vento deviam sobrepujar tudo mais, disse. Em conseqüência, ele estava tratando da venda de uma grande meda de feno e de parte da safra de trigo daquele ano; mais tarde, caso fosse necessário mais dinheiro, este teria de ser obtido com a venda de ovos, para os quais sempre havia mercado em Willingdon. As galinhas, disse Napoleão, deveriam agradecer a oportunidade de oferecer esse sacrifício, como contribuição especial em prol da conservação do moinho de vento. Os animais sentiram outra vez uma vaga inquietude. Nunca realizar quaisquer contatos com seres humanos, nunca fazer comércio, jamais utilizar dinheiro - essas coisas não estavam entre as primeiras resoluções passadas naquela formidável reunião inicial, logo após a expulsão de Jones? Todos lembravam-se da aprovação dessas resoluções - ou pelo menos julgavam lembrar-se. Os quatro jovens porcos castrados que haviam protestado quando Napoleão acabara com a Reunião levantaram timidamente a voz, mas foram logo silenciados por um rosnar terrível dos cachorros. Nesse instante, como de hábito, as ovelhas estalaram "Quatro pernas bom, duas pernas ruim !", e a momentânea impertinência foi abafada. Finalmente, Napoleão levantou a pata ordenando silêncio e declarou que já havia tomado todas as providências. Não haveria necessidade de qualquer animal entrar em contato com seres humanos, coisa que seria da maior inconveniência. Ele pretendia tomar sobre seus ombros toda essa carga. Um certo Sr. Whymper, que era procurador em Willington, concordara em atuar como intermediário entre a Granja dos Bichos e o mundo exterior, e viria à granja todas as segundas-feiras pela manhã, a fim de receber instruções. Napoleão finalizou o discurso com sua exclamação habitual: "Viva a Granja dos Bichos !", e após cantarem Bichos da Inglaterra, os animais foram dispensados


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Nada para registrar


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.