carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Obra Em Negro

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Obra Em Negro

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Marguerite Yourcenar

Editora: Nova Fronteira

Assunto: Romance

Traduzido por: Ivan Junqueira

Páginas: 330

Ano de edição: 1981

Peso: 385 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
16/02/2003 às 10:29
Brasília - DF

Marguerite Yourcenar foi a primeira mulher a se eleger para a Academia Francesa de Letras. Em termos de literatura, isso é muito. Ninguém pode contestar a glória de um escritor pertencer à AFL. Todavia, A Obra Em Negro, assim como Alexis, não podem ser considerados nem máximo, nem mínimo. O tema do livro, além de chato, não tem nada de novo, nem de belo. Neste livro se repetiu a mais safada das técnicas de vendas: Lançar, primeiro, um grande sucesso literário. Em seguida, entupir as livrarias de qualquer coisa escrita pelo mesmo autor. Pelo "qualquer coisa" os livreiros pagam uma miserabilidade à titulo de direitos autorais. Resultado: vendas abundantes. O leitor ? Que se dane o leitor. A Obra em Negro sequer foi tão bem traduzido como Memórias de Adriano. Os personagens mais parecem bonecos de pano, inclusive Zenon. O fim é sem graça. Uma droga.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de um médico, alquimista e filósofo.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

As Últimas Viagens de Zênon. Era uma dessas épocas em que a razão humana se encontra aprisionada em um círculo de chamas. Após escapar de Innsbruck, Zênon vivera algum tempo confinado em Wurzburg em companhia de seu discípulo Bonifácio Kastel, que praticava a arte hermética numa casinha às margens do Meno, cujos glaucos reflexos inundavam as vidraças. Mas a inércia e a imobilidade lhe pesavam, e Bonifácio não era em absoluto homem de se arriscar muito tempo por um amigo em perigo. Zênon partiu então para a Turíngia e, em seguida, foi até a Polônia, onde se engajou como cirurgião nos exércitos de Sigismundo, que se preparava, com a ajuda dos suecos, para expulsar os moscovitas da Curlândia. Ao fim de dois invernos de campanha, a curiosidade por novas plantas e novos climas levou-o a embarcar para a Suécia em companhia de um certo Capitão Guldenstarr, que o apresentou a Gustavo Vasa. O Rei andava à procura de um homem de arte capaz de aliviar as dores que lhe deixavam no corpo alquebrado a umidade dos campos e o frio das noites passadas sobre o gelo quando dos tempos aventurosos de sua juventude, as seqüelas de antigos ferimentos e do mal-francês. Zênon ratificou seu talento ao preparar uma poção revigorante para o monarca, aborrecido de haver festejado o Natal com sua jovem terceira esposa no Castelo de Vadstena. Por todo o inverno, com os cotovelos fincados no peitoril de uma alta janela, entre o céu frio e as planuras geladas do lago, dedicou-se ele a compulsar as posições das estrelas susceptíveis de trazer a felicidade ou o infortúnio à casa dos Vasas, ajudado nessa tarefa pelo jovem Príncipe Érico, que nutria pelas ciências ocultas uma fome doentia. Inutilmente, Zênon o fazia ver que os astros influenciam nossos destinos, mas não os decidem, e que tão pujante e misterioso quanto aqueles, pois que regula nossa vida e obedece a leis mais complexas do que as nossas, é o astro vermelho que pulsa na noite do corpo, suspenso em seu cárcere de carne e ossos. l!rico, porém, era daqueles que preferem receber seu destino de fora, fosse por orgulho, pois achava belo que o próprio céu se ocupasse de sua sorte, fosse por indolência, para não ter de responder nem pelo bem nem pelo mal que trazia em si. Acreditava nos astros da mesma forma que, a despeito da fé reformada que recebera do pai, orava aos santos e aos anjos. Seduzido pela tentação de exercer influência sobre uma alma da realeza, o filósofo testava aqui e ali o efeito de uma instrução, de um conselho, mas os pensamentos alheios como que submergiam num lodaçal dentro do jovem cérebro que dormia por detrás daqueles pálidos olhos cinzentos. Quando o frio se tornava quase intolerável, o discípulo e o filósofo se achegavam ao enorme fogo cativo sob o pano da chaminé da lareira, e Zênon nunca deixava de maravilhar-se com o fato de que o calor benfazejo, o demônio domesticado que aquecia docilmente uma caneca de cerveja colocada sobre as cinzas, fosse o mesmo deus inflamado que circula nos céus. Em outras noites, Érico não aparecia, ocupado com seus irmãos em beber nas tabernas em companhia de mundanas, e o filósofo, caso os prognósticos daquela noite se revelassem funestos, os corrigia então com um dar de ombros. Poucas semanas antes da festa de São João, ele se permitiu interromper por algum tempo suas funções e subir outra vez rumo ao Norte, a fim de observar por si mesmo os efeitos do dia polar. Ora a pé, ora a cavalo ou de barco, Zênon errou de paróquia em paróquia, fazendo-se entender graças à língua do pastor em cuja casa sobrevivia ainda o uso do latim eclesiástico, recolhendo por vezes fórmulas eficazes junto aos curandeiros de aldeia que conheciam as virtudes das ervas e dos musgos da floresta, ou entre os nômades que tratavam suas doenças com banhos, fumigações e a interpretação de sonhos. Tão logo regressou à corte de Upsala, onde Sua Majestade Sueca abria a assembléia de outono, Zênon se apercebeu de que o ciúme de um confrade alemão o havia indisposto com o Rei. O velho monarca temia que seus filhos utilizassem os cômputos astrológicos de Zênon para calcular exatamente a duração da vida do pai. Zênon contava com o apoio do herdeiro do trono, que dele se fizera amigo e quase discípulo, mas, quando reencontrou Érico por acaso num dos corredores do castelo, o jovem príncipe cruzou por ele sem vê-lo, como se o filósofo houvesse adquirido subitamente o poder de tomar-se invisível. Zênon embarcou em segredo num navio de pesca do Lago Malar, através do qual alcançou Estocolmo e, daí, Kalmar, navegando em seguida para a Alemanha.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Marguerite Yourcenar foi a primeira escritora francesa a se eleger para a Academia Francesa de Letras. Seus romances foram lançados no Brasil no início dos anos 80. Na época todo mundo leu os livros da Yourcenar. Eu também comprei todos os que apareceram.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.