carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

10 Contos Escolhidos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
10 Contos Escolhidos

Livro Péssimo - 1 opinião

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: José Sarney

Editora: Horizonte

Assunto: Contos

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 164

Ano de edição: 1985

Peso: 195 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
favorido
comprar
quero-ganhar

 

Péssimo
Marcio Mafra
19/10/2002 às 15:25
Brasília - DF

Continhos. De nada. Esta grande obra, foi editada pela grande editora Horizonte, do Geraldo Vasconcelos, de Brasília, como parte da coleção 10 contos escolhidos, dos melhores autores do Brasil. A edição se deu em 1985, coincidentemente, o primeiro ano do mandato do autor, como Presidente da República Federativa do Brasil. A este fenômeno litero-poético-contista chama-se, também, de bajulação oportunista. É ler estes 10 maravilhosos contos e depois morrer feliz.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Os boastardes - Os bonsdias - Os boasnoites - Merícia do Riacho Bem Querer - Joaquim, José, Margarido, Filhos do velho Antão - Beatinho da Mãe de Deus - O cavalo graúna - A camarista Bertoldo - A baba de sangue - As fagulhas de Sal.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Vinte linhas: Cada linha vinte e cinco braças. Cada braça um dia. na derrubada, na coivara, no fogo, no plantio, na capina, na colheita. Suor, sede, lábios secos, costas ardidas do sol, mãos grandes e duras, calos de quem faz, da mulher, dos filhos que ajudam, dos ajuntados que no mutirão plantam e colhem, colhem e comem.
A roça de Satiro Língua-Mole estava verde e crescia bem. Molhada, seria boa colheita. Com azares pequenos. Destes de todo ano e de toda roça. A hora ruim passara. No princípio, quando jogou a semente, veio uma estiagem grande e de novo teve de semear.
Os brotos da folhinha esguia de um verde-claro, tênue, balançando devagar na corrida da brisa, foram visitados pela lagarta, a comer alguns ollios. Mas poucos. Diferente do ano anterior. Ano terrível de pulgão comendo na roça e nos guardadores, violentamente, das duas cores. O preto: roedor de embrião, invisível quase,- miúdo, piolhento, escondido, demônio, satanás. O vermelho, este que vai furtar no paiol,
gazea como papo de graúna, deixa cuim de tudo, esfarinha, esfarela o grão, pulgão danado, esfomeado, que nasce do nada, se mete no tabuado e nas paredes de taipa.
Este inverno, não. Tudo estava correndo bem. Os cachos pendurando, baloiçantes, e várias manhãs, suspenso o sol, levantando o aguaceiro, Língua-Mole e Zequinha viam a roça longamente. Começava a capina. Todos,mulher:filhos grandes e pequenos. Até mesmo Badu, que começava a caminhar, ia para a morde dela.
- Prumode que o Badu aqui junto? - Zezinho perguntou.
- Pra ajudar. Enquanto a gente trabalha, a mutuca persegue, num deixando produzir. A mutuca toca o ferrão no Badu e larga a gente. Deixa aí pra mutuca chupar.
Os lombos curvados, suarentos, braços firmes, patachos na mão, arrancando as vassouras de botão, viçosas, brotando da vessada. Ao simples gesto o mosquedo esvoaça. As muruanhas voando em cortina, sem avançar e zunindo. Moscas pequenas pousando aqui e ali, mutucas e mutucudas, varejeiras e piuns.
Três lances no chão, um no rosto, no lombo, no pescoço, a espantar a malícia. E Badu, dois anos, indefeso, chorando, batendo, atraindo os bichos para os homens trabalharem um pouco mais.
- É assim que se fazem os machos. Morde a nós, morde a ele.
Debaixo da ramada baixa, dois beirais em quina, cobertos com pindovas, apanhadas ali mesmo, escapadas da queima e do corte, estava a cabaça de água. Os goles marcavam as horas do dia e as palavras eram poucas. Trocadas assim, de raspão, sobre rezas, sobre peixes, sobre plantas, sobre a terra


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Ganhei este livro, em algum evento profissional ao qual tive que comparecer.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.