carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Viagem ao Oriente

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Viagem ao Oriente

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    1

Autor: Hermann Hesse

Editora: Civilização Brasileira

Assunto: Romance

Traduzido por: Leda Maria Gonçalves Maia

Páginas: 107

Ano de edição: 1970

Peso: 305 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
30/09/2002 às 13:50
Brasília - DF

Viagem ao Oriente é uma viagem no tempo e no espaço, em busca da verdade, tendo por companhia, os membros da Confraria: Platão, Don Quixote, Pitágoras e Baudelaire. É - de alguma forma - uma alegoria muito fascinante que bordeja o realismo fantástico. Para quem não leu Sidarta, este livro é ótimo. Para quem já leu, nem tanto.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Viagem ao Oriente é uma jornada que o autor percorre, no tempo e no espaço, em busca da verdade, tendo por companhia, os membros da Confraria: Platão, Don Quixote e Baudelaire.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Venho pensando constantemente em minha decisão, desde que escrevi os capítulos anteriores, tentando solucionar minhas dificuldades. E não encontrei uma saída. Ainda me acho confuso. Mas estou determinado a não desistir, e no momento em que assim decidi, atravessou-me a mente uma agradável lembrança. Foi o mesmo que me ocorreu, quando iniciamos a expedição; àquela época, havíamo-nos dedicado a uma emprêsa aparentemente impossível, viajávamos nas trevas, sem conhecer nossos rumos e planos. E, apesar disso, tínhamos dentro de nós uma fôrça mais possante que a realidade ou a probabilidade, que era a fé nos desígnios e na necessidade de nossa ação. Tive um estremecimento ao recordar êste sentimento, e naquele abençoado momento tudo tornou-se novamente claro e possível. Decidi executar meus planos. Ainda que seja necessário recomeçar dez, cem vêzes minha narrativa, chegando sempre ao mesmo cul-de-sac, cem vêzes a retomarei. Se não me fôr dado reconstruir as imagens em forma de um todo corrente, apresentarei cada fragmento isolado tão fielmente quanto possível. E, tanto quanto me fôr agora ainda permitido, observarei o preceito máximo de nosso importante período, jamais deixando-me embaraçar pela. razão, tendo sempre em mente que a fé é mais forte que a realidade, como a denominamos. Durante êsse intervalo, fiz uma sincera tentativa de abordar meus objetivos de uma maneira prática e judiciosa. Procurei um amigo de juventude que mora nesta cidade e é diretor de um jornal. Seu nome é Lucas. Participou da Grande Guerra e publicou um livro de grande tiragem sôbre o assunto. Lucas recebeu-me calorosamente. Como é natural, tinha prazer em rever um antigo companheiro de colégio. Tive duas longas conversas com êle. Tentei fazê-lo compreender minha situação. Deixei de lado as evasivas. Disse-lhe com tôda a franqueza que participara daquela magnífica jornada da qual êle também já deveria ter ouvido falar, a Viagem ao Oriente, a expedição da Confraria, ou qualquer que fôsse a sua denominação para o público. Sim, naturalmente, sorriu com ironia, é claro que se lembrava. Entre seus amigos o singular episódio era conhecido principalmente, talvez com um certo desrespeito, como a Cruzada Infantil. Tal movimento não era levado a sério por seu círculo de amigos. Fôra inclusive comparado a uma espécie de movimento teosófico ou uma irmandade. Haviam também ficado surpresos com os êxitos periódicos da emprêsa. Leram com o devido respeito sôbre a destemida viagem através da Suábia Superior, do triunfo em Bremgarten, da rendição da aldeia montanhosa de Tessin, e muitas vêzes perguntavam-se se o movimento desejaria colocar-se a serviço de um govêrno republicano. O assunto, então, esgotou-se. Muitos dos antigos líderes abandonaram o movimento; na verdade, pareciam de certo modo envergonhar-se dêle, e não mais desejavam lembrá-lo. As notícias a êsse respeito eram poucas e sempre estranhamente contraditórias. Assim, a questão foi posta de lado ad acta e esquecida, como tantos movimentos políticos, religiosos e artísticos considerados excêntricos, naquela época do após-guerra. Foi um período rico em profetas, sociedades secretas com esperanças messiânicas, que surgiam e desapareciam sem deixar vestígios. Êle deixou clara sua opinião, a de um cético bem intencionado. Todos os que ouviram sua história, mas dela não haviam participado, talvez tivessem pensado o mesmo sôbre a Confraria e a Viagem ao Oriente. Não tinha a intenção de convencer Lucas, mas prestei-lhe algumas informações esclarecedoras. Por exemplo, disse-lhe que nossa Confraria não era uma conseqüência do após-guerra, mas que atravessara tôda a história universal, é claro que, algumas vêzes, de maneira discreta, porém formando uma linha contínua; que, mesmo certas fases, como a da Grande Guerra, não passaram de estágios da nossa história; e também que Zoroastro, Lao-Tsé, Plato, Xenofon, Pitágoras, Albertos Magnos, Don Quixote, Tristram Shandy, Novalis e Baudelaire eram co-fundadores e membros da Confraria. Êle sorriu exatamente da maneira que eu esperava.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Minha amiga Jussara Zakarewicz sempre foi uma apreciadora dos livros de Hesse. Em 1971, emprestou-me este. Sua assinatura está na primeira pagina do livro. Ainda penso em devolvê-lo.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.