carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

O Drama da Puberdade

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
O Drama da Puberdade

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    2
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Alois Gruber

Editora: Paulinas

Assunto: Psicologia

Traduzido por: Miguel Zaupa

Páginas: 295

Ano de edição: 1962

Peso: 490 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
28/09/2002 às 13:12
Brasília - DF

No início dos anos 60 começava-se a falar em psicologia entre os jovens e nos meios de comunicação. Entre as publicações mencionadas da época, Alois Gruber era citado como analista da juventude de então. Ele escreveu O Drama da Puberdade em 1956. Foi traduzido e publicado no Brasil em 1962. Mas, trata-se de um engodo, pois o livro tem um destacado viés moral e doutrinário, que envereda pelo catolicismo, o que lhe tira credibilidade, ainda que aparentemente se trate de um assunto técnico-médico-científico. Ele aborda a sexualidade, pelo lado da ética e da atividade psico-espiritual.

A leitura, mercê da tradução também não é amigável. É ruim.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A puberdade analisada sob o ponto de vista psicológico e tratada em quatro partes distintas:
1) O desenvolvimento somático e psíquico dos jovens
2) Desenvolvimento Psicológico social
3) Amadurecimento sexual do jovem e
4) Desenvolvimento religioso.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Como temos visto, os instintos sexuais tornam-se mais veementes durante a fase emocional da pré-puberdade. A excitabilidade difundida pela menina, que tem repercussões sómente no campo psíquico, depara-se no rapaz com uma inquietação psico-somática e uma excitação especificamente orgânica. A sexualidade na menina, se não é excitada pelo exterior, permanece adormecida também depois da primeira menstruação. No rapaz já não acontece o mesmo. A primeira ejaculação realiza-se com um senso de prazer e a excitabilidade sexual torna-se mais violenta, antes, algumas vêzes extraordinàriamente opressora.
Todavia, o mórbido aglomerar-se de pensamentos de caráter instintivo-sexual, o "confluir" da dinâmica dos instintos e das energias psíquicas no campo sexual, é providencialmente desviado ou impedido por um Eros elevado, pelo jôgo, pelo trabalho, pelos interêsses pessoais e pelas exigências espirituais. Uma juventude idealista, e que sente a alegria da formação, contorna inconscientemente a impulsividade dos fatos hormônicos no dinamismo da vida e na atividade psicoespiritual.
Mas há também horas em que o eu "espiritual" não é tomado inteiramente por nenhuma idéia grande; horas de vazio, de depressão e, talvez, de um trabalho monótono e desabituado. A secreção das glândulas continua, todavia, o seu curso e exercita um estímulo ainda mais forte sôbre os centros nervosos, sôbre os órgãos sexuais, sem que ache uma distração compensadora. As excitações externas, as
imagens sufocantes e uma rnorbosidade biológica, favorecem, então, sobretudo no sexo masculino, mais fortes excitações de caráter orgânico, que a fantasia associa às imagens sexuais. A mente e a vontade são fascinadas, como que por um canto de sereia, e então é suficiente que se verifique um motivo externo qualquer, uma hora de debilidade, para que o jovem caia vítima da prepotência dêstes instintos sexuais. Grande parte dos jovens, porém, não chega pela primeira vez à masturbação por um impulso interior, mas porque para isso é instigado pelos companheiros, quando não pelos adultos, ou porque foi simplesmente informado pelos outros, porque a descobriu por si só, porque a viu praticar, ou por uma experiência casual.
A satisfação do prazer sexual é no maior número de vêzes alcançada estimulando perifericamente os órgãos genitais com as mãos, provocando uma tensão muscular ou movendo os fêmures (masturbação femural). Pode também ser provocada por meio da fantasia coadjuvada pelos mecanismos psíquicos.
A essência da masturbação consiste no fato de a excitação e a tensão genital (expulsão do sêmen) ser obtida consciente e voluntàriamente sem que seja acompanhada pela possibilidade de gerar.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

No início dos anos 60, as revistas e os meios de comunicação em geral, começavam a falar de psicologia. Daí, adquiri este livro para tentar entender alguma coisa sobre o assunto.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.