carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Droga da Obediência

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Droga da Obediência

Livro Excelente - 2 opiniões

  • Leram
    0
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Pedro Bandeira

Editora: Moderna

Assunto: Adolescente

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 191

Ano de edição: 1997

Peso: 250 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Excelente
Marcio Mafra
23/09/2018 às 16:09
Brasília - DF
A Droga da Obediência é um livro de Pedro Bandeira, da coleção Os Karas, voltado para o público adolescente. Foi publicado em sua primeira edição em 1984 pela Editora Moderna, e teve novas edições em 1992, 2003, 2009 e a edição mais recente publicada em 2014.
O livro foi escrito no ano de 1984 e tem como temática a relação entre estes amigos e as aventuras dos mesmos para desvendar crimes. A obra possui elementos típicos de uma novela policial, como personagens que são detetives audaciosos e muito perspicazes, um policial honesto e outro desonesto, o vilão que é perseguido, e, claro, o “grande plano de ação” que é executado durante a perseguição ao vilão.
(Comentario baseado na publicação da editora www.infoescola.com)

Excelente
Elaine Tinti
04/09/2018 às 15:53
Caetité - BA
Excelente leitura. Traz a visão de alguns adolescentes sobre o mundo desconhecido das drogas.

Marcio Mafra
23/09/2018 às 00:00
Brasília - DF

A história de muito mistério e suspense, onde cinco estudantes - os Karas - enfrentam uma macabra trama internacional:

o sinistro Doutor Q.I. pretende subjugar a humanidade aos seus desígnios através de uma perigosa droga que

está sendo testada em alunos dos melhores colégios de São Paulo...

Marcio Mafra
23/09/2018 às 00:00
Brasília - DF

Na entrada dos vestiários do Colégio Elite, havia um quartinho onde eram guardadas as vassouras e outros materiais de limpeza. Um cantinho sem lâmpada, escuro mesmo de dia.

Por isso ninguém podia ver o pequeno alçapão que havia no forro. Com a agilidade de um gato, Magrí saltou, agarrando a beirada do alçapão. Afastou a tampa e jogou o corpo para cima como um trapezista.

Estava no esconderijo secreto dos Karas: todo o vasto forro do imenso vestiário do Colégio Elite, iluminado no centro por algumas telhas de vidro por onde passava a luz do dia, deixando todo o resto mergulhado na escuridão.

Bem no centro da pequena área iluminada, estava Miguel, sentado sobre os calcanhares.

A sua frente, espalhadas pelo chão, havia várias cópias de matérias de jornal. Ao seu lado, Crânio e Calú esperavam em silêncio.

Magrí fechou o alçapão e agachou-se junto aos amigos, sem uma palavra.

O grupo dos Karas estava completo.

Haviam sido convocados pelo K desenhado na mão esquerda de Miguel, o sinal de emergência máxima.

Crânio tirou sua famosa gaitinha do bolso e ficou passando-a pelos lábios, sem soprar, lentamente.

Calú quebrou o silêncio, sem se preocupar com o tom de voz, pois o forro do vestiário era bem espesso e não deixava vazar nenhum som:

- O que houve, Miguel? Com os olhos nas cópias de jornal, ainda sentado como um sacerdote budista, Miguel falou pausadamente:

- É uma emergência máxima. Está na hora de os Karas... Um ruído veio do alçapão. Por um décimo de segundo, os Karas se entreolharam.

O grupo estava completo. Quem estaria invadindo o esconderijo? Obedecendo a um sinal de cabeça do líder, Crânio, Magrí e Calú saltaram para longe da luz, escondendo-se silenciosamente na escuridão.

Estariam descobertos? Ou seria algum servente do colégio que resolvera subir no forro do vestiário por alguma razão inocente?

A tampa do alçapão foi afastada. Os Karas puderam perceber que havia alguém pendurado na beirada, esforçando-se para subir.

Parecia ser um corpo bem mais leve do que o de qualquer um dos serventes.

Magrí estendeu o braço e apertou a mão protetora de Miguel.

Uma cabecinha apareceu na abertura do alçapão e uma vozinha brincalhona invadiu o forro:

- Vamos, Karas, apareçam! Eu sei que vocês estão aí!

O dono da vozinha e da cabeça pulou para dentro do esconderijo, fechou o alçapão e avançou até a área iluminada.

Os Karas puderam ver a carinha sorridente do Chumbinho. ***

- Como é, Karas? Eu sei quem vocês são, o que vocês são e sei que esta deve ser uma reunião importante.

Dos cantos escuros não veio nenhuma resposta. O pequeno intruso continuou:

- Que surpresa, hein? Eu sei tudo sobre vocês. Há muito tempo eu estou de olho em todos os seus movimentos. Mas não precisam esquentar a cabeça: só eu sei de vocês, não contei nada a ninguém!

O silêncio novamente respondeu ao menino.

- E então? Querem brincar de esconde-esconde? Ah, ah, ah! Eu pensava que os Karas se reuniam para coisas mais importantes!

Calú mordeu o lábio e Magrí apertou um pouco mais a mão de Miguel, enquanto Chumbinho continuava com a brincadeira, saboreando o seu triunfo:

- Querem que eu encontre vocês? Quem vai ser o primeiro? A Magrímagricela? O Crânio? O Calú? Ou vamos começar pelo chefão? Hein, Miguel? O que você me diz? Eu sei ou não sei quem são vocês?

Lentamente, cada um dos Karas saiu da escuridão.

Chumbinho logo estava cercado pelos quatro, bem debaixo da luz que se escoava pelas telhas de vidro.

O menino era um palmo mais baixo que o menor dos Karas, mas seu sorriso era o de um gigante:

- Olá, pessoal! Por essa vocês não esperavam, hein? 


Magrí agarrou o garoto pela gola do uniforme:

- Seu pirralho! Eu devia...

- Ei, calminha, campeã! É assim que vocês recebem as visitas?

- Largue o menino, Magrí. Era a voz de Miguel. Baixa, seca, como deve ser a voz de um comandante.

Magrí soltou Chumbinho, e Miguel pôs a mão no ombro do invasor:

- O que você quer aqui?

- Ora, Miguel, ainda pergunta?

Eu quero ser um dos Karas, é lógico!


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
23/09/2018 às 00:00
Brasília - DF

A Droga da Obediência é um livro que fisicamente não faz parte  do acervo.

Foi um dos exemplares doados por Fernanda Gomes, de Brasília em dezembro de 2017 para o programa de doações de Livronautas.

Posteriormente o livro foi solicitado e doado para  Elaine Tinti, da cidade de  Caetité, Estado da Bahia em 16/8/2018.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.