carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Santa Teresa do Menino Jesus

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Santa Teresa do Menino Jesus

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    2
  • Vão ler
    3
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    1

Autor: Santa Tereza do Menino Jesus

Editora: Salesiana

Assunto: Catolicismo

Traduzido por: Amando Adriano Lochu

Páginas: 329

Ano de edição: 1947

Peso: 380 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
22/09/2002 às 21:11
Brasília - DF

Um dos livros de edição "mais antiga" da bibliomafrateca. Editado em 1947, o livro tem 55 anos de editado e são muitas observações a serem feitas ao leitor não-católico e não devoto de Santa Terezinha. Santa Tereza do Menino Jesus, faleceu no Carmelo de Lisieux, em 30/9/1897, aos 24 anos de idade. Foi beatificada em abril de 1923 e canonizada em maio de 1925. Observação do editor no início do livro (pagina 29) "Santa Teresa do Menino Jesus, História de Uma Alma, escrita por ela mesma" . Essa observação causou dúvida no momento de classifica-lo como biografia ou como livro sobre catolicismo. Uma estranha carta assinada pelo Bispo de Bayeux e Lisieux, sobre a publicação da vida da Santa Tereza, consta integralmente em seu livro: " Entreat, 12 de setembro de 1913. Minha Reverenda Madre. Animei-a a por em execução a sua idéia, desde o dia em que me manifestou o seu desejo de publicar dora avante o que Soror Teresa do Menino Jesus nos tem revelado da "História da sua alma", conservando a distinção dos tres manuscritos. Esta modificação pouca mudança traz ao texto até hoje publicado, conhecido e apreciado de tantos leitores, e deixa intacto quanto há de piedoso e sublime nas confidências da jovem Carmelita. Os amantes da literatura folgarão de poder explicar o cunho especial destes tres escritos diferentes, que tão bem se completam. Outros - e sou destes - terão mais um motivo para se edificarem, à vista do abandono filial e da obediência de Sóror Teresa àquelas que sucessivamente foram para ela as representantes da autoridade divina. Aprovo, portanto, esta nova edição, renovando o meu voto de 1909, a saber: que o místico perfume de quem foi o bom odor de Jesus Cristo inebrie e santifique grande numero de almas. Abenço-a, minha Reverenda Madre, e peço-lhe que se digne aceitar a expressão dos meus sentimentos de paternal dedicação em Nosso Senhor. " Por se tratar praticamente de uma "autobiografia" de uma religiosa de apenas 24 anos de idade, submissa aos votos de castidade, pobreza e obediência, o livro é entremeado de notas e observações das autoridades eclesiásticas, que assim ostravam "quem manda" nas almas e vidas dos que servem à Jesus. "....Antes porém de principiar a leitura da Autobiografia, o leitor folgará certamente de conhecer os virtuosos pais de nossa heroina. Merece atenção especial um episódio de sua mocidade, idílio graciosos, piedoso e sobremodo comovedor. De resto, transcrevemos aqui, com ligeiros pormenores suplementares, a antiga introdução do "História duma alma". Já na pagina 37, a mãe de Terezinha escreve sobre a filha, quando esta tinha tres anos de idade. ..."Perguntou-me há dias a Terezinha se ela iria para o ceu. - "certamente, respondi-lhe eu, contando que sejas boazinha. - Ah! Minha mãezinha, replicou ela, com que então, se não fosse boazinha iria para o inferno?....mas deixe estar, sei eu o que havia de fazer nesse caso: voaria ao céu, lá para junto da mamãe, que apertaria com força entre braços. Sempre queria ver como se arranjaria então o meu Pai do ceu para me apanhar." Percebi-lhe no olhar como estava persuadida de que Nosso Senhor nada lhe poderia fazer, se chegasse a refugiar-se entre os braços de sua mãe. Maria estremece muito a irmãzinha; é uma criança que nos dá a todos muita consolação, duma franqueza extraordinária: queria que a visses correr atrás de mim, ansiosa por me confessar as suas pequenas travessuras:" olhe, mamãe, dei um empurrão na Celina, e dei nela uma vez, porém não o torno a fazer.".... A mãe, continuava contando em carta...: "....Há dias disse a Celina (irmã mais velha, um ano que a Terezinha): - Como se explica que Deus Nosso Senhor esteja numa hóstia tão pequenina ? Responde-lhe a Tereza (aos quatro anos de idade) ..."que maravilha pode haver nisso, uma vez que nosso Senhor é todo poderoso! E que quer dizer todo poderoso ? Quer dizer que pode fazer tudo o que lhe apraz.!..." Uma resposta desta, por uma criancinha de 3 anos de idade, moradora do interior da França, no ano de 1876, certamente é porque ela era santa, pois não seria pela grande massa de informação que as crianças daquela epoca, mesmo as que residiam na área rual, recebiam da internet. Se não fosse da internet, devia ser da TV Globo e suas inolvidáveis novelas de época. Ou ainda, talvez fosse um Orkut (Francês) de relacionamento de criancinhas não disléxicas. Exageros de retórica ou exageros de fé, ou maluquice sem pé nem cabeça ? Na ultima parte do livro estão alinhados os depoimentos e declarações do milagres atribuidos à Santa Therezinha. Como curiosidade, é interessante ser lido, em razão de ter sido editado em 1947. Como assunto religioso é infantil, beirando a sandice. Sem entrar no mérito da santidade ou da vida dedicada ao serviço da Igreja, este livro é uma narrativa repleta de bobagens inverossímeis.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de Santa Teresa do Menino Jesus, sendo autor da obra a propria Santa.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Com que então, a minha Irmã querida deseja que lhe deixe uma lembrancinha!... Pois bem, já que a Nossa Madre mo permite, venho com imenso prazer entreter-me com quem e duplamente minha irmã e me emprestou sua voz, protestando em meu nome que só queria servir a Jesus, quando não me era ainda possível falar.
Querida madrinha, quem lhe fala esta noite e a filhinha que ofereceu a Nosso Senhor, e lhe tem o filial amor com que uma criancinha sabe amar sua mãe ...
Só no céu alcançará conhecer toda a gratidão que lhe transborda do coração.
Irmã da minha alma, anela ouvir os segredos que Jesus confia à sua filhinha; mas estes mesmos segredos não duvido que Jesus lhos revela também, poius foi a minha irmã que me industriou na arte de enteisorar os divinos ensinamentos. Tentaterei contudo balbuciar algumas palavras, não obstante estar convencida de que a expressar coisas que mal pode perceber o nosso coração está fora do alcance da palavra humana.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não sei a que fenômeno atribuir, o fato de possuir este livro, uma edição de 1947 - a 7º Edição Brasileira. De minha infância, resta uma lembrança - que confirmei com Marilena - de que uma tia , já falecida, de nome Dulcinéia, era uma dessas devotas fervorosas de Santa Terezinha, causa possível da origem deste livro.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.