carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

O Balanço das Sociedades Anônimas

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
O Balanço das Sociedades Anônimas

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Rogério Pfaltzgraff

Editora: Sedegra

Assunto: Contabilidade

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 211

Ano de edição: 1958

Peso: 405 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
08/09/2002 às 12:49
Brasília - DF

O conteúdo do livro não vale absolutamente mais nada, pois que nos 40 ou 50 anos decorridos da sua edição, toda a legislação que rege a contabilidade já mudou inteiramente, afetando completamente a forma e o conteúdo de confeccionar e analisar o balanço das sociedades anônimas. Esta é a razão do livro ser considerado ruim, mas o seu histórico é excelente e merece ser lido.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Trata-se de uma obra de consulta sobre os balanços das sociedades anônimas, contendo, inclusive, o decreto-lei n.º 2.627

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

FOLHA DE VALES
A folha de vales é uma maneira, pela qual tem a Administração o poder de adiantar dinheiro aos seus empregados, diminuindo assim o tempo normal de trinta dias, habitual de pagamento salarial.
O modo pelo qual se pretende realizÁ-Lo, modo aconselhado por Definitiv, não é simples; nem na sua execução no Departamento do Pessoal, nem no seu registro contábil, por partidas dobradas, na Contabilidade.
Nosso pensamento, de organização cientifico-prática e de simplicidade é o seguinte:
a) no caso da folha de vales.
dá-se a cada Chefe de Seção uma folha muito simples chamada "Pedidos de Vales" constante dos seguintes elementos:
numero do cartão do empregado. nome do empregado.
valor do vale.
na qual o Chefe apõe sua assinatura e a devolve ao Deparrtamento do Pessoal que faz então, um por um, os vales. (simplesmente os vales feitos a mão; sempre que se puder evitar a máquina, fazendo o trabalho à mão, é melhor, e mais rápido).
Não há complicação nem de plaquetes nem de folhas, nem de escrituração conjugada: tudo é simples e fácil, porque a
concepção do problema foi e é simples e facil.
Em seguida a Contabilidade registra como despesa, puro e simplesmente. O controle será feito no Departamento do Pessoal.

b) no caso da não existência da folha de vales.
Faz-se então a folha de pagamento quinzenal. É uma questão a ser estudada pela Direção Superior da Firma.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Segundo Flávia, o seu avô Aldo, em 1990, por ocasião da passagem dela e Fernanda pelo "vestibular" resolveu distribuir alguns livros que possuía. Flavia, Fernanda, Tatiana e Caroline foram as contempladas. Nesta ocasião ele já se divertia com os cupins, à quem enviava pequenas mensagens, juntamente com longas e filosóficas dedicatórias que escrevia nos livros. Não consegui apurar as razões ou as finalidades da posse dos livros, porque, embora a edição seja datada por volta dos anos 60, nesta ocasião o Aldo já se encontrava no final da carreira de funcionário do governo de S.Catarina, na área da fiscalização da fazenda. Evidentemente ele não tinha mais interesse em estudar novos assuntos profissionais.
Esta é a dedicatória:
"Quando vir algo errado, corrija se possível, ou não repita.. Vô Aldo."
"Para a neta e afilhada que vai ficar econômica, uma lição: economizar elogios. Vó Ida e Vô Aldo Fpolis, Janeiro de 90."
Mensagem para os cupins: "queremos a sua amizade querida".
Esta dedicatória para a Neta e para o Cupim é coisa sureal, de fazer inveja a a Salvador Dali.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.