carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Ensaio Sobre a Lucidez

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Ensaio Sobre a Lucidez

Livro Ótimo - 1 opinião

  • Leram
    2
  • Vão ler
    25
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    3

Autor: José Saramago

Editora: Folha

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português (de Portugal)

Páginas: 368

Ano de edição: 2012

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
favorido
comprar
quero-ganhar

 

Ótimo
Marcio Mafra
14/12/2017 às 22:11
Brasília - DF
Saramago é genial em tudo que escreve.
Mesmo sendo um gênio reconhecido por portugueses e brasileiros, também escreve xérox de seus próprios livros, assim como muitos outros grandes autores e escritores.
Não sei qual dos três livros foi escrito primeiro: “Intermitências da Morte”, “Ensaio Sobre a Cegueira” ou “Ensaio sobre a Lucidez”, mas que os três livros são colinha, meleca, xérox, clone - lá isso são.
Claro que as características da história são diferentes.
“Ensaio Sobre a Lucidez” conta a história de uma eleição, onde a maioria dos votantes vota em branco.
Ao longo da narração Saramago utiliza o seu reconhecido talento para mesclar bom humor, amargura, sutileza e inteligência nas tratativas da vida e da condição humana.
Mas a história segue o mesmo prumo e rumo de “Intermitência da Morte” ou “Ensaio sobre a Cegueira” coisa que empana o brilho da genialidade de Saramago.

Marcio Mafra
14/12/2017 às 00:00
Brasília - DF

Num país qualquer, num dia chuvoso, poucos eleitores vindos de Lisboa, após grandes cheias, compareceram para votar durante a manhã. As autoridades eleitorais preocupadas chegaram a supor que haveria uma abstenção gigantesca. À tarde, quase no encerramento da votação, centenas de milhares de eleitores compareceram aos locais de votação. Formaram-se filas quilométricas, e tudo pareceu normal. Mas, para desespero das autoridades eleitorais, houve quase setenta por cento de votos em branco. Uma catástrofe.

Marcio Mafra
14/12/2017 às 00:00
Brasília - DF

Pediu ao contínuo que lhe trouxesse a gabardina, pegou na pasta dos assuntos a estudar em casa desceu.

O motorista, que estava à espera, abriu a porta do carro, Disseram-me que não precisa de mim, senhor presidente, Assim é, pode ir para casa, Então, até amanhã, senhor presidente, Até amanhã.

É interessante como levamos todos os dias da vida a despedir-nos, dizendo e ouvindo dizer até amanhã, e, fatalmente, em um desses dias, o que foi último para alguém,
ou já não está aquele a quem o dissemos, ou já não estamos nós que o tínhamos dito. Veremos se este amanhã de hoje, a que também costumamos chamar o dia seguinte, encontrando-se
uma vez mais o presidente da câmara e o seu motorista particular, serão eles capazes de compreender até que ponto é extraordinário, até que ponto foi quase um milagre terem dito até amanhã e verem que se cumpriu como certeza o que não havia sido mais que uma problemática possibilidade. O presidente da câmara entrou no carro. Ia dar uma volta pela cidade, olhar as
pessoas à passagem, sem pressas, estacionando uma vez por outra e sair para caminhar um pouco a pé, escutar o que se dissesse, enfim, tomar o pulso à cidade, avaliar a força do febrão que se estava incubando. De leituras da infância recordava que um certo rei do oriente, não estava bem certo de que fosse rei ou imperador, o mais provável é que se tratasse do califa da
época, saía disfarçado de vez em quando do seu palácio para ir misturar-se com o povinho, com a arraia-miúda, e ouvir o que de si se dizia no franco parlatório das ruas e das praças. Na verdade, não seria tão franco quanto isso porque naquele tempo, como sempre, também não haviam faltado espiões para tomarem nota das apreciações, das queixas, das críticas e de algum embrionário planeamento de conspiração. É regra invariável do poder que, às cabeças, o melhor será

cortá-las antes que comecem a pensar, depois pode ser demasiado tarde. O presidente da câmara não é rei desta cidade cercada, e quanto ao vizir do interior, esse exilou-se para o outro lado da fronteira e está, a esta hora, seguramente, em reunião de trabalho com os seus
colaboradores, iremos sabendo quais, e para quê. Por isso este presidente da câmara não necessita ir disfarçado com barba e bigode, a cara que leva posta no sítio da cara é a sua de sempre, apenas um pouco mais preocupada que de costume, como se tem notado pelas rugas da testa. Algumas pessoas reconhecem--no, mas são poucas as que o saúdam. Não se creia, porém, que os indiferentes ou os hostis são só aqueles que votaram de origem em branco, e por conseguinte veriam nele um adversário, também não poucos dos votantes do seu próprio partido e do partido do meio o olham com indisfarçada suspicácia, para não
dizer mesmo declarada antipatia, Que andará este tipo a fazer aqui, pensarão, por que veio misturar-se à escuma lha dos brancosos, devia era estar no seu trabalho a merecer o que lhe pagam, se calhar, como agora a maioria passou a ser outra, veio à caça de votos, se foi essa a ideia stá bem tramado, que eleições não as vai haver aqui tão cedo, se eu fosse governo sei bem o que faria, dissolveria esta câmara e nomearia em seu lugar uma comissão administrativa decente, de absoluta confiança política.

 


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
14/12/2017 às 00:00
Brasília - DF

Durante a FLIP, em julho de 2016, passei no templo Folha de São Paulo e trouxe um monte de livros editados pela folha, entre eles “Ensaio sobre a Lucidez”.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.