carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Você está aqui Principal / Livros / Trono De Vidro - Rainha Das Sombras

Trono De Vidro - Rainha Das Sombras

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Trono De Vidro - Rainha Das Sombras

Livro Excelente - 1 opinião

  • Leram
    2
  • Lendo
    1
  • Vão ler
    33
  • Relendo
    1
  • Recomendam
    3

Autor: Sarah J Maas

Editora: Galera Record

Assunto: Romance

Traduzido por: Nenhum Tradutor o livro é em Portugues

Páginas: 644

Ano de edição: 2016

comentar
  • lido
  • lendo
  • vou-ler
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
doar
aceito-doação
favorido
comprar
quero-ganhar

 


Excelente
vanessa nunes
02/06/2016 às 19:23
Várzea Paulista - SP
Amei este livro, uma leitura viciante, nao há absolutamente nada que me faça parar de ler ( menos quando estou com fome), com certeza você se apaixonará pelo livro mas antes leia: Trono de Vidro Volume 1,2,3 e a mais Lamina da Assassina - Histórias de Tronos de vidro.


vanessa nunes
02/06/2016 às 19:12
Várzea Paulista - SP
Tudo que Celaena Sardothien ama foi tirado dela. Mas ela enfim retornou ao império - por vigança, para resgatar seu reino e para enfrentar as sombras de seu passado... Ela vai lutar por seu primo, um guerreiro preparado para morrer apenas para vê-la de novo. Ela vai lutar por seu amigo, um homem jovem encarcerado em uma prisão terrível. E ela lutará por seu povo, escravizado por um rei brutal e esperando o retorno triunfante de sua rainha perdida.

vanessa nunes
02/06/2016 às 19:12
Várzea Paulista - SP

Depois de um ano de escravidão nas Minas de Sal de Endovier, Celaena Sardothien estava acostumada a ser conduzida a todos os lugares em grilhões e com espadas apontadas para si. A maioria dos milhares de escravos de Endovier era tratada da mesma forma – mas meia dúzia de guardas adicionais sempre escoltava Celaena para dentro e para fora das minas. Isso era esperado pela assassina mais famosa de Adarlan.

O que Celaena não esperava, porém, era um homem encapuzado, todo vestido de preto ao seu lado – como havia naquele momento. Ele segurava-lhe o braço enquanto a conduzia pelo prédio reluzente onde a maior parte dos oficiais e capatazes de Endovier estavam lotados.

Eles seguiram por corredores, subiram lances de escada e deram voltas e mais voltas até não haver mais a mínima chance de Celaena encontrar o caminho da saída. Pelo menos essa era a intenção do seu acompanhante, pois Celaena percebeu que eles subiram e desceram a mesma escadaria dentro de poucos minutos.

Ela também não deixou de notar que, apesar de o prédio ser uma estrutura padronizada de corredores e escadarias, tinham ziguezagueado entre os andares. Como se Celaena fosse se perder assim, com tanta facilidade. Se o homem não estivesse se esforçando tanto, talvez ela tivesse se sentido insultada. Entraram em um corredor bem longo, silencioso exceto pelo som dos passos. O homem que lhe segurava o braço era alto e forte, mas ela não conseguia ver as feições do rosto escondido sob o capuz. Outra tática para confundir e intimidá-la.

As roupas negras também deviam fazer parte da estratégia. Ele se virou na direção de Celaena, e ela lhe lançou um sorriso. O homem olhou para a frente de novo e apertou mais o braço da assassina. Celaena imaginou que deveria se sentir lisonjeada, mesmo sem saber o que estava acontecendo ou por que o homem ficara à sua espera na saída da mina. Depois de um dia inteiro extraindo sal grosso das entranhas da montanha, encontrá-lo parado lá fora com outros seis guardas não melhorara seu humor.

Mas Celaena ficara mais alerta quando o homem se apresentou ao seu capataz como Chaol Westfall, capitão da Guarda Real.

O céu, de súbito, pareceu desabar sobre sua cabeça, as montanhas foram empurradas na direção dela e até a terra, por um momento, pareceu inchar na direção de seus joelhos. Há algum tempo Celaena não sentia medo – não se permitia sentir medo.

 

Todas as manhãs, quando acordava, repetia as mesmas palavras: Eu não terei medo. Durante um ano, essas palavras significaram a diferença entre se partir e ceder; evitaram que Celaena se despedaçasse na escuridão das minas.

Mas ela não deixaria o capitão desconfiar de nada daquilo.

 

Celaena examinou a mão enluvada que apertava seu braço. O couro escuro era quase da mesma cor da sujeira que cobria-lhe a pele. Celaena ajustou a túnica rasgada e suja com a mão livre e prendeu um suspiro. Como entrava nas minas antes da aurora e saía depois do crepúsculo, quase nunca conseguia ver o sol. Por baixo de toda aquela sujeira, estava assustadoramente pálida.

É verdade, porém, que um dia já fora atraente, até mesmo bela, mas agora já não fazia mais diferença, não é? Eles chegaram a outro corredor, e Celaena estudou a espada bem-trabalhada do estranho. O punho dourado tinha o formato de uma águia de asas abertas.

Percebendo o olhar de Celaena, a mão enluvada do homem desceu e repousou sobre a cabeça de ouro da águia.

A prisioneira sorriu novamente.

– Você está bem longe do Forte da Fenda, capitão – disse ela, pigarreando.

– Veio com o exército que escutei chegar mais cedo?

 

Celaena tentou ver o que havia sob o capuz, mas não enxergou nada. Sentiu, porém, os olhos do homem sobre seu rosto, julgando-a, avaliando-a, testando a assassina. Celaena encarou de volta. O capitão da Guarda Real seria um adversário interessante. Talvez até digno de algum esforço da parte dela. O homem finalmente ergueu a mão da espada, e as dobras da capa voltaram a esconder a lâmina. Quando o tecido se moveu, Celaena viu uma serpente alada bordada na túnica. O selo real.

– Qual o seu interesse no exército de Adarlan? – replicou ele.

Como era bom escutar uma voz como a dela, calma e bem-articulada, mesmo que fosse a voz de um brutamontes.

– Nenhum – respondeu Celaena, dando de ombros.

O capitão emitiu um pequeno rosnado de irritação. Seria bom ver o sangue dele derramar-se no chão de mármore. A assassina já perdera o controle uma vez quando seu primeiro capataz escolhera o dia errado para provocá-la. Ainda se lembrava da sensação de fincar a picareta no estômago dele e do sangue pegajoso em suas mãos e rosto. Celaena podia desarmar dois daqueles guardas em menos de um segundo.

Será que o capitão se sairia melhor que o capataz falecido? Imaginando os possíveis resultados do confronto, ela sorriu novamente para ele.

– Não olhe assim para mim – avisou o capitão, e sua mão voltou à espada.

Celaena escondeu o sorriso dessa vez. Eles passaram por uma série de portas de madeira que a prisioneira vira há alguns minutos. Se quisesse escapar, era só virar à esquerda no próximo corredor e descer três lances de escada. A única coisa que aquela tentativa de confundi-la conseguiu foi familiarizá-la melhor com a estrutura do pré- dio. Imbecis.

– Para onde vamos mesmo? – disse ela, com doçura, tirando o cabelo do rosto. Quando o capitão não respondeu, Celaena trincou os dentes.

Os corredores ecoavam alto demais para que Celaena conseguisse atacá-lo sem chamar a atenção do prédio inteiro.

Além do mais, ela não sabia onde estava a chave das correntes e os seis guardas que os seguiam seriam um grande empecilho. Isso sem falar dos grilhões.

Eles entraram em um corredor repleto de candelabros de ferro.

Do lado de fora das janelas enfileiradas já era noite; as tochas brilhavam tanto que mal havia sombras onde se esconder.

Celaena conseguia escutar os outros escravos no pátio se deslocando em direção ao prédio de madeira onde dormiam.

Os gemidos de agonia e o retinir das correntes eram um coro tão familiar quanto o das monótonas canções de trabalho que eles entoavam o dia todo.

O ocasional estalar dos chicotes contribuía para a sinfonia de brutalidade que Adarlan criara para seus piores criminosos, seus mais pobres cidadãos e suas mais recentes conquistas.

Embora alguns prisioneiros fossem pessoas acusadas de tentar praticar magia – não que isso fosse possível, pois há muito a magia desaparecera do reino –, mais e mais rebeldes chegavam a Endovier naqueles dias. A maioria era de Eyllwe, um dos últimos países que ainda combatiam o imperialismo de Adarlan.

Mas quando Celaena os importunava em busca de notícias, eles a olhavam com olhos vazios. Sem esperanças. Ela se arrepiava ao pensar no que teriam sofrido nas mãos das tropas de Adarlan.

Às vezes, se perguntava se não teria sido melhor para eles se tivessem morrido no campo de abate. E se não teria sido melhor para ela também ter morrido na noite em que fora traída e capturada.

Mas Celaena tinha outras coisas em que pensar enquanto caminhava. Será que seria finalmente enforcada? Seu estômago embrulhou. Ela era importante o suficiente para merecer ser executada pelo próprio capitão da Guarda Real. Mas então para que levá-la primeiro para dentro do prédio?

Finalmente, pararam diante de portas de vidro vermelhas e douradas, tão grossas que Celaena não conseguia ver o que havia além. O capitão Westfall fez um sinal com o queixo para os dois guardas ao lado das portas, e eles bateram a lança no chão em um cumprimento.

O capitão apertou dolorosamente o braço da prisioneira. Puxou-a mais para perto, mas os pés de Celaena pareciam feitos de chumbo e ela fez força na direção oposta.

– Prefere ficar nas minas? – perguntou ele, parecendo divertir-se com a ideia.

– Talvez se me contassem do que isso tudo se trata, eu não me sentiria tão inclinada a resistir.

– Você logo vai saber.

As palmas das mãos de Celaena estavam úmidas. Sim, ela realmente estava prestes a morrer. A hora finalmente chegara. As portas rangeram ao abrir, revelando o salão do trono imperial.

Um candelabro de vidro no formato de um cacho de uvas ocupava a maior parte do teto, refletindo prismas de fogo nas janelas do outro lado do aposento.

Comparada à aridez do lado de fora das janelas, a opulência ali era como um tapa na cara. Mais uma evidência do lucro que o trabalho de Celaena lhes proporcionara.

– Por aqui – rosnou o capitão da guarda, e finalmente a soltou, empurrando-a com a mão livre.

Celaena tropeçou, e seus pés calejados escorregaram no chão liso enquanto ela se endireitava. A prisioneira olhou para trás e viu outros seis guardas aparecerem.

Catorze guardas, mais o capitão. O emblema dourado real bordado no peitoral dos uniformes negros.

Aqueles eram membros da guarda pessoal da família real: impiedosos, rápidos como raios, treinados desde pequenos para proteger e matar.

Celaena engoliu em seco, nervosa.

Desorientada e sentindo-se estranhamente pesada, ela postou-se no salão. Em um trono ornamentado, feito de madeira de sequoia, sentava-se um belo jovem.

O coração de Celaena parou enquanto os outros se curvavam em reverência.

Estava diante do príncipe herdeiro de Adarlan.

 

Leia o livro e você sabera todo os demais capítulos da história


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.


vanessa nunes
02/06/2016 às 19:12
Várzea Paulista - SP

Possuo este livro pelo mesmo motivo de todos os demais livros que tenho: gosto do assunto!


 

Para baixar ou visualizar o E-BOOK é necessário logar no site.
Clique aqui! para efetutar seu login.

 

Não tem uma conta?
Clique aqui e crie a sua agora!