carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Você está aqui Principal / Livros / Todos os Reis Estão Nus

Todos os Reis Estão Nus

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Todos os Reis Estão Nus

Livro Ótimo - 1 opinião

  • Leram
    1
  • Lendo
    0
  • Vão ler
    5
  • Relendo
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Contardo Calligaris

Editora: Três Estrelas

Assunto: Crônica

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas:

Ano de edição:

comentar
  • lido
  • lendo
  • vou-ler
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
doar
aceito-doação
favorido
comprar
quero-ganhar

 

Ótimo
Marcio Mafra
08/04/2016 às 15:25
Brasília - DF
São quase 120 crônicas dos mais variados assuntos: teatro, filmes, crimes, politica, livros, e outras coisas do dia a dia.

Particularmente, tenho séria pinimba contra cronista e contista.

Explico a implicância: escrever sobre uma briga de rua, uma noite de amor, uma balada que deu chabu, o ridículo de um fato politico, um assassinato que chocou o mundo nem precisa talento. Qualquer jornalista, repórter ou blogueiro pode fazê-lo com facilidade, mais ainda quando se trata de assunto que está na mídia.

Mas há casos e casos.

Contardo Calligaris é um craque da crônica. Ele escreve com talento.

Óbvio que em meio de 120 assuntos, alguns não agradem. Outros chegam a ser chatinhos e uns poucos poderiam nem existir que não faria falta. Pelo menos uma dúzia deles é quase sensacional. “O Saber e Experiência” (pagina 93) é genial.

A história que titula o livro é muito boa porque quase ninguém sabe o que quer dizer “o rei está nu”. Leitura é fácil, gostosa e divertida. A linguagem é simples sem ser simplória. Livro e autor ótimos.

Marcio Mafra
08/04/2016 às 00:00
Brasília - DF

Crônicas selecionadas pelo próprio autor, de suas publicações semanais no jornal Folha de São Paulo, de 2008 até 2014. Contardo Calligaris escreve sobre filmes, peças de teatro, livros e outros acontecimentos que chamam a atenção da mídia.

Marcio Mafra
08/04/2016 às 00:00
Brasília - DF

Saber e experiência

 

Na sua próxima visita a um museu de arte, esqueça as obras e considere apenas os visitantes. Um bom número deles, talvez a maioria, não para diante de uma tela (por exemplo) sem antes ter lido a etiqueta com nome do artista, título e data.

 

Bom, eles querem se cultivar, saber quem pintou, quando e o quê. Mas, dessa forma, muitos acabam, sobretudo, limitando sua experiência: ao constatar que o autor lhes é desconhecido, mal olham para a tela e passam à obra seguinte; se o pintor for uma celebridade, contemplam com dedicação - as más-línguas dirão que assim eles se sentem "autorizados" a parar e contemplar.

 

Os mais divertidos são os que adotam estratégias bizarras para dar uma espiada na etiqueta sem que o amigo que os acompanha se dê conta e logo exclamam em voz alta, como se tivessem reconhecido a obra sem auxílio algum:

 

"Aqui está o quadro de ... ". E há os grupos de turistas, forçados a correr de uma "obra-prima" a outra, atropelando obras menores, que talvez fossem para eles (quem sabe, só para eles) decisivas.

 

De fato, o saber pode aprimorar a nossa experiência estética; por exemplo, é bom apreciar uma tela de EI Greco tendo conhecimento do fato de que ele pintou no século XVI, pois talvez, sem isso, sua incrível ousadia expressionista nos comova menos. Inversamente, se privilegiarmos demais o saber, tenderemos a nunca sair de caminhos já trilhados e, pior, a forçar a nossa experiência no molde do pouco que sabemos.

 

Na primeira vez em que visitei o Museu do Prado, em Madri, aos catorze anos, eu só queria ver a pequena sala onde estavam os quadros de Hieronymus Bosch. Ao entrar, fui hipnotizado pelo azul estranho e intenso do céu numa paisagem de Joachim Patinir, um pintor flamengo da mesma época, que eu desconhecia. Não li a etiqueta, "atribuí" a Bosch o quadro de Patinir e saí feliz de ter descoberto "o meu Bosch preferido", que era tão diferente dos quadros de Bosch mais conhecidos e reproduzidos.

 

Se eu tivesse lido a etiqueta, provavelmente teria me sentido na obrigação de esquecer o céu de Patinir e destinar minha atenção só aos quadros de Bosch; em obséquio ao meu saber, que era modesto e trivial, teria renunciado a uma experiência cuja lembrança ainda me encanta.

 

Recentemente, visitei a exposição, no Palazzo Fortuny, em Veneza, que reúne obras e objetos de todas as épocas ao redor de um tema, "In-finitum", o qual, cá entre nós, é suficientemente vago para que qualquer coisa possa ser incluída na exposição. Instalações e quadros emprestados por museus e coleções particulares são misturados a objetos que enfeitavam a casa do estilista Mariano Fortuny, quando ele estava vivo. Há de tudo: de um Conceito espacial de Lucio Fontana a um banal ovo de avestruz. A regra (inusitada e atrevida) das exposições do Palazzo Fortuny quer que os objetos não sejam identificados por

etiqueta nenhuma, como se a gente estivesse visitando a casa de alguém. Para quem não aguenta o tranco, está disponível uma espécie de mapa que deveria permitir identificar os objetos expostos, mas cuidado: a duras penas.

 

Para alguns, assim a visita se torna uma caça ao tesouro (as crianças adoram). Outros rejeitam o mapa e testam a sua própria capacidade de atribuir algumas da obras a seu respectivo autor. Outros, ainda, fiéis ao espírito da exposição, percorrem os andares do palácio permitindo-se uma experiência estética e miditativa, sem se preocupar em saber direito quais são os objetos nos quais esbarrarlam. O catálogo obedece ao mesmo princípio da exposição: começa com a reprodução das obras expostas, sem nada que as identifique.

 

Seguem os ensaios e, só em apêndice, a lista das reproduções.

 

Antes de deixar o palácio, li o caderno em que os visitantes são convidados a escrever as suas impressões. O leque vai de "experiência única, por uma vez pensei e senti, em vez de querer saber quem fez o quê" até a (mais frequente) "os curadores estão bêbados?  Não se entende nada no mapa. Que tal uma etiqueta de vez em quando?".

 

O que aconteceria em nós, visitantes, se os museus escondessem toda a informação sobre as obras expostas?

 

Moral da história: o debate entre saber e experiência, por mais que seja um clássico do pensamento pedagógico, não tem solução. A falta de saber compromete e empobrece a experiência, mas, sem a liberdade da experiência imediata, o saber se torna chato, estupidamente repetitivo e, no fundo, frívolo.  (27.8.2009 )


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
08/04/2016 às 00:00
Brasília - DF

Adriano Oliveira, Imperador, me presenteou este livro em dezembro de 2015.


 

Para baixar ou visualizar o E-BOOK é necessário logar no site.
Clique aqui! para efetutar seu login.

 

Não tem uma conta?
Clique aqui e crie a sua agora!