carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Mão e a Luva

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Mão e a Luva

Livro Péssimo - 1 opinião

  • Leram
    4
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    1

Autor: Machado de Assis

Editora: Sedegra

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 175

Ano de edição: 1962

Peso: 345 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Péssimo
Marcio Mafra
26/07/2002 às 16:11
Brasília - DF
Em 1874, o fundador da Academia Brasileira de Letras publicou seu primeiro romance. No mesmo ano, antes da edição do livro, todo o conteúdo de A Mão e a Luva foi publicado no jornal "O Globo", em forma de folhetim. O próprio Machado de Assis disse o seguinte sobre a Mão e a Luva: "...esta novela, sujeita às exigências da publicação diária, saiu das mãos do autor, capítulo à capitulo, sendo natural que a narração e o estilo padecessem com esse método de composição, um pouco fora dos hábitos do autor. Se a escrevera em outras condições, dera-lhe desenvolvimento maior, e algum colorido aos caracteres, que aí ficam esboçados. Convém dizer que o desenho dos caracteres, - o de Guiomar, sobretudo, - foi o meu objeto principal, senão exclusivo, servindo-se a ação apenas de tela em que lancei os contornos dos perfis. Incompletos, embora, terão eles saído naturais e verdadeiros." Machado de Assis é com certeza um dos mais respeitáveis escritores do Brasil, é dono de uma vastíssima e variada obra. O Primeiro "imortal" é mais que genial. É insuperável. A Mão e a Luva, no entanto, não é nada genial, é um livro ruim de ser lido e chato em sua composição, conforme comentários - nada airosos - ditos pelo próprio autor a respeito do livro. Estranho!...Porém, autêntico.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de Estevão e Luis Alves, amigos que estudavam na mesma academia de São Paulo. Ambos acabam amando Guiomar, que também é amada por Jorge.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A baronesa, quando se lhe aproximaram os dois interlocutores da cerca, mais receosa ficou e mais perplexa. Guiomar vinha risonha e até gracejadora; mas o abatimento de Estevão era tão mal disfarçado, que de duas uma, -- ou ela acabava de lhe dar o último desengano, -- ou aquilo era apenas um arrufo sério, que o moço não podia ou não queria esconder de olhos estranhos. Isto é o que a baronesa pensou. O que ela concluiu foi que, em todo caso, urgia tentar alguma coisa em favor do maior, -- do único sonho da sua velhice. Jorge não percebeu a verdadeira razão por que a tia lhe dissera ser necessário conversar com ela; imaginou que se trataria de Guiomar e Estevão, -- mas estava longe de supor todo o alcance da entrevista. A entrevista não pôde ser logo nesse dia; as visitas ficaram ali até tarde, e a noite foi a mais agradável e distraída de todas as noites; Guiomar, sobretudo, esteve como nunca, jovial e interessante. A serenidade parecia morar-lhe na alma e refletir-se-lhe na rosto, -- tantas vezes pensativo, mas agora tão frio e tão nu. Não será preciso dizer a um leitor arguto e de boa vontade: Oh! sobretudo de boa vontade, porque é mister havê-la, e muita, para vir até aqui, e seguir até o fim, uma história, como esta, em que o autor mais se ocupa de desempenhar um ou dois caracteres, e de expor alguns sentimentos humanos, que de outra qualquer coisa, porque outra coisa não Se animaria a fazer; -- não será preciso declarar ao leitor. dizia eu, que toda aquela jovialidade de Guiomar eram punhais que se lhe cravavam no peito ao nosso Estevão. Ele não podia supô-la abatida; mas penalizada, ao menos, um pouco respeitosa para com a dor que havia nele, isto, sim, imaginava que seria. Mas nada disso foi, e o pobre rapaz saiu dali mais cedo do que pensara e quisera sair.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Adquiri, de um vendedor porta-à-porta, a coleção de livros Machado de Assis, em janeiro de 1962, quando já recebia salário do meu primeiro emprego, no Banco Inco - Banco Industria e Comercio de Santa Catarina, agência da W-3 Sul, quadra 7, bloco B, loja 3, anos depois se chamou quadra 507. A coleção, comprada e paga em prestações mensais se compunha de 11 volumes. Foi editada pela Sodegra Sociedade Editora e Grafica Ltda.: A Mão e a Luva, Quincas Borba, Memórias Póstumas de Brás Cubas, Dom Casmurro, Helena, Contos 1º e 2º Volume, Esaú e Jacó, Iaiá Garcia, Ressurreição e Memorial de Aires.


 

Para baixar ou visualizar o E-BOOK é necessário logar no site.
Clique aqui! para efetutar seu login.

 

Não tem uma conta?
Clique aqui e crie a sua agora!

 

 

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.