carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Os Militares no Poder

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Os Militares no Poder

Livro Excelente - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    2
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Castello Branco

Editora: Nova Fronteira

Assunto: História

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 680

Ano de edição: 1977

Peso: 1.015 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Excelente
Marcio Mafra
09/08/2002 às 18:14
Brasília - DF
Carlos Castelo Branco se confunde com a história recente da política brasileira. Desde a queda da ditadura Vargas, Castelinho como era tratado, passou a viver e a respirar com as instituições políticas. Conservador e pacato, seus escritos tinham a virtude de incomodar os poderosos que, a pretexto de salvar a pátria, usavam e abusavam do poder. Era considerado sério, competente e como tal era respeitado no meio militar, no meio civil e no meio político, tanto à direita como à esquerda.
O conteúdo do seu livro, sob forma de coletânea de coluna política, quase diária, feitos ao longo de três anos foi o melhor testemunho sobre a "revolução" de 64, que não foi "escrito" por direitista convicto, nem por esquerdista fanático, embora não se possa considerar o autor como um jornalista independente. Aliás, na época ninguém era totalmente independente.
Ao longo da leitura fica mais cristalizada a idéia de que o golpe de 64, foi o" toco", a "volta por cima" ou a "vingança" dos perdedores de Getúlio, tanto em 1930 como em 1946. São eles: os coronéis militares de 46 (então generais), a elite econômica (ex-agrobussines, então, chefes de oligarquias industriais) a elite da igreja católica, e a elite política da UDN. Leitura fácil e indefensável para uma boa visão e entendimento das razões pelas quais os militares atravessaram o samba em 1964.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Informações e comentários do dia-a-dia político recolhidos na famosa Coluna do Castelo, publicação diária do Jornal do Brasil, cobrindo todo o governo do ditador José Umberto Castelo Branco, no período que vai de abril de 1964 à março de 1967.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Sem recorrer até agora aos poderes de emergência que se atribuiu por intermédio do Ato Institucional nº2, o Governo Federal chega às vésperas da posse do Sr. Negrão de Lima -aparentemente em condições de assegurá-la, tais as providências de controle do dispositivo militar e até mesmo de segurança policial que tomou nos últimos dias. O Presidente Castelo Branco tem-se conduzido com energia apenas contida pela prudência requerida pela instabilidade e a fluidez de uma situação na qual não se definem com absoluta precisão os elementos em que se apóiam as decisões do Governo.
O que há de nítido é a orientação do Presidente, o alvo em direção do qual caminha o Governo, mas na verdade os métodos da marcha têm comportado alternativas táticas que levam em conta as nuanças das posições individuais dos diversos setores militares. Isso significa que há riscos ainda e que o êxito da marcha depende em grande parte da dosagem das medidas impostas pela emergência e da segurança no leme.
O Presidente já se sabe que não cederá até o dia 5, na busca do alvo, bem como não pretende submeter-se a pressões incompatíveis com o exercício do seu comando nacional.
Do lado da linha dura, cuja ação vem sendo cerceada por enquanto com o simples recurso aos regulamentos militares e o exercício da hierarquia judiciária, o esforço continuado de impedir que o Sr. Negrão de Lima permaneça no Governo não cessou um minuto sequer, muito embora vá a esta altura se consolidando a impressão de impotência dos grupos radicais pelo menos para cobrir a primeira etapa do seu programa.
Pelas notícias chegadas a Brasília, o Sr. Carlos Lacerda, nome a que se associam geralmente as ações da linha dura militar, quebrou o seu silêncio para uma investida final contra o Governo, ao mesmo tempo que se programava para a manhã de hoje, em frente ao Palácio da Guanabara, manifestação de senhoras que pretenderiam retirar do prédio a placa comemorativa da Revolução de março e quebrá-la no meio da rua.
Manifestações de nervoso inconformismo, previsíveis no clima que se criou, poderão suscitar medidas mais enérgicas que o Governo não deixaria de tomar para completar, amanhã, com um espetáculo tranqüilo, sua corajosa decisão de convocar e realizar eleições populares.

O Sr. Pedro Aleixo anunciava ontem que já subscreveram a lista de formação da ARENA 180 deputados e 28 senadores. "Todos revolucionários?" perguntou-lhe um repórter. "Ê como no jansenismo", respondeu o líder, "os que não se salvarem pela obra se salvarão pela misericórdia".

Não há vetos ao ingresso de deputados e senadores no Partido do Governo, mas apenas uma exigência de fidelidade às decisões políticas da direção. Quem não estiver disposto a ser fiel, que não assuma a responsabilidade, pois o Partido punirá com a expulsão os que votarem contra suas recomendações.

Já a oposição será um Partido mais aberto, pois admitirá a colaboração em escala muito flexível à administração federal e até mesmo à política do Presidente. Ali só fará oposição quem quiser fazê-la.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Em 1964, os militares promoveram um golpe militar e tomaram o poder, por mais de 20 anos. Fizeram eleger um Marechal como Presidente da Republica, que governou o país de 64 à 67. Daí adveio a censura e outras mazelas típicas de qualquer ditadura. Em meio a confusão, o Jornalista Carlos Castelo Branco foi indicado e durante um tempo, exerceu as funções de "assessor de imprensa" da Presidencia da Republica. Ele assinava diariamente a "Coluna do Castelo" no Jornal do Brasil. Era uma privilegiada visão jornalística, enriquecida por detalhes, fatos e comentários que só um jornalista poderia dispor. Dez anos depois de deixar o governo ele publicou este livro.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.