carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Você está aqui Principal / Livros / Um País Chamado Favela

Um País Chamado Favela

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Um País Chamado Favela

Livro Ótimo - 1 opinião

  • Leram
    3
  • Lendo
    0
  • Vão ler
    7
  • Relendo
    0
  • Recomendam
    1

Autor: Renato Meirelles

Editora: Gente

Assunto: Economia

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 165

Ano de edição: 2014

Peso: 240 g

comentar
  • lido
  • lendo
  • vou-ler
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
doar
aceito-doação
favorido
comprar
quero-ganhar

 

Ótimo
Marcio Mafra
03/04/2015 às 23:18
Brasília - DF
Além de sambas e outras coisas completamente caricatas, favela sempre indicou pobreza, violência, droga, crimes, traficantes e carência de tudo que se possa imaginar.
Nem é preciso levar em conta o preconceito que a cidade (os cidadãos e os meios de comunicação) tem das favelas.

Nas favelas – ou comunidades – como é politicamente correto dizer, falta tudo e tudo faz falta.
Desde os mais simples serviços públicos ou privados, como energia elétrica, água, gás, esgoto, correio, nome de rua até os serviços mais complexos como escolas, creches, comércios, postos de saúde, policiais, delegacias de polícia, hospitais, bancos, caixas eletrônicos, ou transporte coletivo.

Cinema, pracinha, jardim, restaurante, praça de alimentação, clínicas, clubes, academias, espaços esportivos são mera fantasia ou sonhos impossíveis.

Isso é – mais ou menos - o que o cidadão (não favelado) conhece das comunidades, através da mídia.

Ressalvadas as exceções, pessoalmente o individuo residente nas cidades – homem, mulher, jovem, criança, idoso - jamais adentrou nas favelas, seja padre, pastor, estudante, empresário, jornalista, engenheiro, médico, prefeito, governador, deputado, senador, advogado, juiz, político, artista, publicitário, celebridade etc.

No livro “Um País Chamado Favela” se descobre que os “favelados” são felizes.
Que têm amor pelo lugar e gostam do lugar onde moram.
São pessoas que praticam a solidariedade, são trabalhadores incansáveis, além de altamente responsáveis com a família e otimistas em relação ao futuro.
Que o otimismo está associado, principalmente, ao aumento da renda e da geração de emprego, coisa que tem acontecido a partir nos últimos 10 ou 12 anos.
Que as histórias de superação pessoal são abundantes.
Eles sempre têm projetos de estudo, trabalho e realizações materiais em desenvolvimento.

Relativamente à economia é surpreendente, senão espantoso, que as favelas componham um mercado consumidor que movimenta, no Brasil, perto de 65 bilhões de reais por ano.
O livro vale muito mais do que pesa.
É livro de constatação e – porque não – de meditação.

Marcio Mafra
03/04/2015 às 00:00
Brasília - DF

Estudo de economia e pesquisa sobre quase 70 favelas de regiões metropolitanas brasileiras, realizada pelo Instituto Data Favela. Durante o lançamento do livro, em diversas entrevistas os autores afirmaram que a pesquisa é o estudo mais abrangente sobre os costumes sociais, econômicos, religiosos e até políticos já realizados no país. Talvez para minimizar a leitura chata e enjoada das inevitáveis tabelas comparativas, os autores adensam o conteúdo do livro, narrando suas vivências nas principais comunidades do Brasil. Segundo os editores é a maior pesquisa já feita sobre a favela brasileira.

Marcio Mafra
03/04/2015 às 00:00
Brasília - DF

Quem comanda o processo de mudança no Brasil? Quem lança tendências? Quem aprova ou reprova um programa social, uma linha de eletrodomésticos ou uma nova música? Resposta simples: são os ingressantes no mercado de consumo, de modo especial os 11,7 milhões de habitantes das favelas, grupo que equivale a 6% da população brasileira.

Com vigor, eles movem a onda transformadora que varre o país no século XXI. De modo ligeiro, essas pessoas constituem novos padrões de consumo, reinventam atividades econômicas e contribuem decisivamente para definir o perfil cultural do país dos emergentes.

Se compusessem um estado, as favelas seriam o quinto mais populoso da federação, capaz de movimentar 63 bilhões de reais a cada ano. Ainda assim, o universo da favela parece invisível à grande mídia, aos intelectuais e à boa parte dos planejadores de negócios, que ignoram e desprezam seu poder transformador.

Empenhado em decifrar os enigmas que marcam esse fenômeno de metamorfose, o Instituto Data Favela realizou um estudo inédito sobre esse território ainda pouco explorado da cidadania. Os pesquisadores - membros de comunidades, treinados especificamente para executar a tarefa - investigaram 63 favelas em dez regiões metropolitanas do Brasil e ouviram com método e atenção 2 mil pessoas.

O resultado da Radiografia das Favelas Brasileiras pode parecer surpreendente se adotarmos como baliza de conhecimento o estereótipo midiático, em que os moradores de comunidades, de modo invariável, figuram como miseráveis incultos, indolentes e bárbaros. Efetivamente, não foram esses cidadãos que encontramos nas ruas, nas vielas e nos becos percorridos.

Os dados tabulados compõem, na verdade, cenários heterogêneos, ou seja, de favelas que podem se iniciar em um centro de comércio desenvolvido, com caprichadas casas de alvenaria, e terminar, no outro lado do morro, em uma área de risco, de difícil acesso, em que se equilibram humildes barracos de madeira. Vimos, portanto, avanços incríveis e, ao mesmo tempo, graves problemas estruturais. Há diferenças significativas até mesmo no espaço reduzido da vizinhança. Se um cidadão passava dificuldades para sustentar sua família e pagar a prestação do colchão da caçula, do outro lado da parede, o vizinho comia filé-mignon com cogumelos e planejava a aquisição de uma banheira com hidromassagem para tornar o espaço da laje mais amigável.

Uma análise geral dos resultados, porém, exibe uma favela muito menos pobre do que se imaginava, mais conectada e ansiosa por completar processos de inclusão social e econômica. Um observador desavisado ficará admirado, por exemplo, com o fato de que 4 % dos favelados se consideram felizes, índice muito semelhante ao da avaliação geral dos brasileiros, apenas um ponto percentual acima.

Os contentes, em geral, amam o cônjuge, adoram os filhos e folgam com a boa saúde, valorizando a parte cheia do copo.

Misturando a garra e o jeitinho, levam a vida e deixam que a vida os leve, seguindo a filosofia do mestre Zeca Pagodinho.

Um fator fundamental, porém, justifica esse regozijo: há mais dinheiro circulando, mais do que em qualquer outro momento da história das comunidades.

Em 2013, a média salarial do favelado era de 1.068 reais contra apenas 603 reais, em 2003. Trata-se de um salto notável de 54,7%. No Brasil em geral, a renda pulou de 1.172 reais para 1.616 reais, uma evolução de 37,9%. Conclusão: na favela, o ritmo do avanço é mais acelerado.

O bem-estar recente, portanto, tem relação direta com o processo contínuo de ascensão social e econômica. No cotidiano de lutas e desafios, os moradores das favelas favoreceram-se de mais recheio na carteira e mais comida na geladeira.

Houve elevação da renda em todas as regiões pesquisadas, ainda que prevaleçam disparidades flagrantes, por exemplo, na escala dos rendimentos. A renda média do trabalho principal numa família gaúcha era de 1.158 reais; no Rio, 1.090 reais.

Na outra ponta, no Nordeste, o mantenedor "máster" embolsava, em média, 821 reais no Ceará e 762 reais na Bahia.

Na época da pesquisa, no trimestre que fechou 2013, a maior parte dos moradores das favelas já pertencia à classe C, estrato que nesses núcleos praticamente dobrou de tamanho em dez anos. Trata-se de um crescimento extraordinário e que inspira uma reflexão sobre o processo recente de .inclusão social massiva no país. A parcela de famílias faveladas na classe média é maior do que a do Brasil como um todo. Isso mesmo: 65% a 54%.

Desmentindo a crença vigente, 81 % dos moradores gostam a comunidade em que estão fixados e 66% não estão dispostos a abandoná-Ia. De maneira plena ou com restrições, 62 % admitem ter orgulho do local onde vivem. Se existe esse amor e essa fidelidade ao lugar, a principal razão é o estabelecimento de fortes laços sociais entre os moradores. A favela é, desde sempre, responsável e solidária. Ali, o cidadão tem quase sempre com quem contar. Há alguém que pode lhe emprestar algum dinheiro ou o cartão de crédito na hora do aperto. Há outro que pode tomar conta de seus filhos enquanto ele trabalha. E há sempre aquele que pode ouvir suas confissões, no "divã" improvisado no boteco ou no salão de beleza. Quem recebe, evidentemente, acaba por retribuir. A lei da reciprocidade impera na favela.

Atentos às transformações, 51 % dos moradores de favelas consideravam que a comunidade havia melhorado de alguma maneira nos doze meses anteriores à consulta. Para 76%, alguma melhora ocorreria nos doze meses seguintes. Essa percepção encontra-se associada, principalmente, às mudanças estruturais no território das vivências públicas. Melhorou se agora há coleta pública de lixo. Melhorou se o Estado inaugurou uma nova creche. Melhorou se agora há uma casa lotérica na rua principal.

No campo da vida privada, essa visão depende, sobretudo, do que se vê no horizonte próximo. As coisas parecem bem se a reforma no segundo andar da casa do vizinho progrediu. Se esse mesmo sujeito trocou seu Passat 76 por um Gol seminovo, é sinal de que a comunidade como um todo avança. "Se ele conseguiu, posso conseguir também", raciocina o cidadão.

Quando indagados sobre a própria vida nos doze meses seguintes, 93% projetaram desenvolvimento e evolução. No Brasil em geral, esse grupo abrangia 81 % da população. Nesse caso, os otimistas vislumbram à frente a oportunidade de crescimento, em especial no campo profissional. Em um país com reduzidas taxas de desemprego e demanda por mão de obra especializada nos mais diversos setores, os moradores das favelas enxergam a chance de romper paradigmas. Ao contrário de seus pais, avós e bisavós, experimentaram a ascensão social e sabem que podem ir muito além, especialmente por meio da educação e do empreendedorismo.

Os chefes de família desejam ver os filhos na universidade, mas buscam, eles mesmos, um diploma em curso superior. Gente que sempre viveu de salário cogita, agora, montar uma empresa na comunidade. Pode ser uma pizzaria, um albergue, uma loja de presentes ou uma oficina de reparos automotivos.

Há possibilidades em todos os setores. Formidavelmente, pessoas com até 60 anos, homens e mulheres, veem a vida em aberto. Ainda há jogo pela frente.

No total, 76% das pessoas opinaram que a vida melhorou no período imediatamente anterior à pesquisa. No entanto, poucas atribuem esse avanço às políticas públicas ou aos empregadores. Para 14%, a família é a principal responsável pela evolução. Deus é citado por 40%. Segundo 42%, a ascensão é resultado do próprio esforço.

As formidáveis histórias de vida dessas pessoas podem justificar essa percepção, apenas em parte influenciada por concepções religiosas. Os jovens, em particular, são filhos e netos daqueles cidadãos abandonados e maltratados pelo Estado. Criados a partir dessa memória familiar recente, ainda não enxergam o governo, qualquer que seja, como provedor de bem-estar. Não raro treinados em modelos espartanos de sobrevivência, converteram-se em homens e mulheres particularmente resilientes, que aprendem, enfrentam preconceitos e fazem acontecer. Incentivados à prática de um exercício de futurismo, 75% se veem na classe média em 2023; enquanto 10% esperam conquistar um posto na classe alta. Pode-se validar, assim, pelo menos no que diz respeito à parcela maior dos habitantes de favelas, a tese de que o brasileiro nunca desiste da luta.

O fator juventude, aliás, é fundamental à compreensão do pensamento silenciosamente evolucionário da favela. Nada menos que 26% dos integrantes das comunidades tinham idade inferior a 15 anos na época da pesquisa. No total, 61 % não haviam completado 35 anos. Na virada de 2013 para 2014, a média de idade dos brasileiros era de 33,1 anos; na favela, de 29,7 anos.

Outros dados revelam outras características da heterogeneidade desses agrupamentos. Mais de 130 anos depois do surgimento do núcleo pioneiro Quilombo do jabaquara; em Santos (SP), reduto urbano de desterrados, a favela ainda é lugar de entrantes e forasteiros, particularmente nas regiões Sul e Sudeste. Em São Paulo, 52 % dos moradores de comunidades não nasceram no estado. No Rio de Janeiro, essa parcela é de 29%.

Cabe destacar outra informação importante, que é a mobilidade das famílias nessa complexa malha de núcleos habitacionais, muitos deles de existência fugaz. Há favelas que surgem e, pouco tempo depois, são desfeitas ou transferidas para outro terreno, dentro ou fora do município. Foi o que se viu, por exemplo, na cidade de São Paulo, a partir da segunda metade da década de 2000, quando muitas comunidades sucumbiram, total ou parcialmente, ao fogo, em episódios não completamente esclarecidos pelas investigações policiais.

Outro exemplo famoso é o de 9 mil brasileiros que, em 2012, perderam subitamente o endereço, quando a polícia desocupou, de maneira violenta, a área da tradicional comunidade do Pinheirinho, em São José dos Campos (SP). O núcleo popular ocupava uma área três vezes maior que a do Vaticano. Contava com associações de moradores, sete igrejas, dezenas de estabelecimentos comerciais e uma grande praça, chamada Zumbi dos Palmares.

Se o cotidiano constitui vidas em trânsito, não é de estranhar que apenas 29% das pessoas tenham nascido na comunidade em que residiam na época da pesquisa. Viver na favela é, sobretudo, construir laços. No entanto, é também tocar a vida para a frente quando seus moradores são abruptamente "quebrados", seja por motivos particulares seja por inflexões derivadas de decisões no âmbito da gestão pública. Resistem melhor aqueles que sabem se mover na hora certa, que sabem recomeçar em outro lugar. 


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
03/04/2015 às 00:00
Brasília - DF

Sempre que oportuno converso com Rafael Mafra sobre a questão social. Ele ocupa função de diretoria no Ministério do Desenvolvimento Social e tem “de cor e salteado” muitos dados e elementos sobre os serviços sociais do Brasil que, naturalmente, inclui favela (ou comunidade). Foi ele que me recomendou “Um País Chamado Favela”. Também me recordo que no inicio de 2014, lá por fevereiro ou março, apareceu na mídia o lançamento deste livro, autoria conjunta de Renato Meirelles e Celso Athayde, claro que precedido de melosos elogios e referencias. Depois – devido as eleições presidenciais – desapareceu da mídia. Então o coloquei na lista de compras, que acabei fazendo em abril 2015.


 

Para baixar ou visualizar o E-BOOK é necessário logar no site.
Clique aqui! para efetutar seu login.

 

Não tem uma conta?
Clique aqui e crie a sua agora!