carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Você está aqui Principal / Livros / Lobão Manifesto do Nada na Terra do Nunca

Lobão Manifesto do Nada na Terra do Nunca

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Lobão Manifesto do Nada na Terra do Nunca

Livro Péssimo - 1 opinião

  • Leram
    2
  • Lendo
    0
  • Vão ler
    4
  • Relendo
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Lobão

Editora: Nova Fronteira

Assunto: Outros

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 233

Ano de edição: 2013

Peso: 375 g

comentar
  • lido
  • lendo
  • vou-ler
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
doar
aceito-doação
favorido
comprar
quero-ganhar

 

Péssimo
Marcio Mafra
15/06/2013 às 22:07
Brasília - DF
Fazer um livro polêmico deve ter sido o objetivo marqueteiro do autor.
Se o foi conseguiu com êxito.
Além de polêmicos, os juízos de valor e as opiniões do autor são chocantes. Algumas são ridículas e outras absolutamente tolas.
O capítulo “Vamos assassinar a presidenta da República?” é extravagante e bobo.
Bobo como se Lobão não soubesse discernir o que é ato pessoal de ato de Estado e de Governo.
Na “Viagem ao coração do Brasil” o autor praticou o egotismo (método literário em que o próprio eu é o ponto de referência de investigações e experimentos).
O último capítulo é uma birra contra Oswald de Andrade.
Lobão desce o sarrafo em Oswald de Andrade que foi famoso como poeta, panfletário, polemista, crítico, ensaísta, romancista e contista.
Ele nasceu em 1890 e morreu em 1954, três anos antes do nascimento de Lobão.
Carta aberta para contestar ensaios literários de quem morreu há 60 anos, parece coisa de alucinado.
Assim é Lobão.
Lobão em pele de bobão.
Ter talento de músico não é o mesmo que ter talento de escritor

Marcio Mafra
15/06/2013 às 00:00
Brasília - DF

Uma análise muito crítica azeda, irônica, mordaz e cruel da história, dos políticos, do Governo Federal e ainda das estrelas do meio artístico brasileiro.

Marcio Mafra
15/06/2013 às 00:00
Brasília - DF

A essa altura do Manifesto, nós constatamos outra sentença reativa, paralisante e piegas do tipo: "Contra o mundo reversível e as ideias objetivadas. Cadaverizadas. O stop do
pensamento que é dinâmico. O indivíduo vítima do sistema. Fonte das injustiças clássicas. Das injustiças românticas. E o esquecimento das conquistas interiores."

E você acha inteligente ansiar por um mundo irreversível? Contra os idiotas da objetividade, tudo bem, mas ideias objetivadas, em si, podem formar planos, metas, fazer a gente começar a crescer e andar com as próprias pernas, tornar os roteiros viáveis, factíveis, concretos.

Vítima do sistema: aí está uma pieguice autocomiserada que se tornou o nosso modus inoperandi.

Quanto ao restante do que você pretendeu dizer, ou não, irá desembestar uma gama de sujeitos a falar e a escrever igualzinho a você e um sem-número de toupeiras a aplaudir,
dissimulando entender algo que possui muito pouco a ser entendido.

E ansiar por "Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros"?

- E depois?

E o que dizer de ... "O instinto Caraíba"?

- Instinto Caraíba de quem, cara-pálida? (Me perdoe a infame piada.)

Oswald, essa aqui tem uma pegada que os tropicalistas irão morrer de inveja! "Morte e vida das hipóteses.

Da equação eu parte do Cosmos ao axioma Cosmos parte do eu. Subsistência. Conhecimento. Antropofagia." É de uma cosrnicida­ de luminescente!

Subsistência é forte ... não seria melhor almejar a superexistência?

Não deve ser muito confortável nem, muito menos, confiável lidar com uma nação que tem a antropofagia como símbolo de sua cultura/civilização, não acha?

Deve ser interessante imaginar as relações internacionais de uma diplomacia de antropófagos com o resto do mundo ...

Não sei, não, já que você gosta tanto de sínteses, frases soltas, mais parecendo riffs, do tipo dessas: "Morte e vida das hipóteses ... ", "Da equação eu parte do Cosmos ao axioma
Cosmos parte do eu", acho que você se tornaria mais claro e menos pedante fazendo um bom roquenrou, que é síntese pura.

Tenho certeza de que, depois dessa experiência, você iria querer jogar essa baboseira pernóstica toda fora, Oswald. Isso faz mal à saúde mental e física.

Tu tens verve, sangue no olho e calor no coração

Está mais do que na cara que, por trás desse histrião iracundo, és um homem cheio de bondade, uma doce criatura, um delicado, um gozador, um meigo.

Agora só falta começar a pensar com mais clareza, menos rancor e menos presepada retórica de significado duvidoso.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
15/06/2013 às 00:00
Brasília - DF

Nunca fui muito ligado aos figurantes do meio artístico. Sabia da existência de Lobão como compositor/cantor de rock’n’roll. Como o seu Manifesto estava nas principais pilhas dos lançamentos das livrarias no mês de maio/2013, achei o titulo inteligente e comprei o Manifesto do Nada, na Terra do Nunca. 


 

Para baixar ou visualizar o E-BOOK é necessário logar no site.
Clique aqui! para efetutar seu login.

 

Não tem uma conta?
Clique aqui e crie a sua agora!