carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Poema Sujo

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Poema Sujo

Livro Excelente - 1 comentário

  • Leram
    4
  • Vão ler
    3
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    3

Autor: Ferreira Gullar

Editora: José Olympio

Assunto: Poesia

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 100

Ano de edição: 2009

Peso: 145 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Excelente
Marcio Mafra
13/06/2013 às 17:38
Brasília - DF
Poema Sujo é considerado a obra prima de Ferreira Gullar e não é sem méritos. Ele o escreveu quando estava exilado em Buenos Aires, enxotado pela ditadura militar que governava o Brasil no ano de 1975. Ele se sentia perseguido e tinha medo de ser assassinado pela colaboração da ditadura brasileira com a ditadura argentina. Numa inspiração sofrida, começou a escrever o poema, para registrar o lado bom, o ruim, o poético ao lado de todas as lembranças dos anos que tinha vivido em São Luis do Maranhão. Rompantes da juventude, observações sórdidas, românticas e chocantes sobre os hábitos dele e da gente que o cercava. Sua vida transparece em todos os versos do poema. O estilo da escrita é genial com alternâncias de antíteses do tipo ruim x bom, fácil x difícil, puro x sórdido, inocente x desbocado. O final é sensacional, senão brilhante.

Marcio Mafra
13/06/2013 às 00:00
Brasília - DF

A história de um tempo da vida de Ferreira Gullar, narrada num só poema, onde ele revela a sordidez e a impureza do cotidiano humano em passagens comoventes que surgiram com a inspiração de  "escrever um poema que fosse o meu testemunho final, antes que me calassem para sempre". 

Marcio Mafra
13/06/2013 às 00:00
Brasília - DF

turvo turvo
a turva

mão do sopro
contra o muro
escuro

menos menos

menos que escuro

menos que mole e duro menos que fosso e muro: menos que furo
escuro

mais que escuro:
claro

como água? como pluma? claro mais que claro claro: coisa alguma
e tudo

(ou quase)

um bicho que o universo fabrica e vem sonhando desde as entranhas
azul

era o gato
azul

era o galo
azul

o cavalo
azul

teu eu

tua gengiva igual a tua bocetinha que parecia sorrir entre as folhas
de banana entre os cheiros de flor e bosta de porco aberta como
uma boca do corpo (não como a tua boca de palavras) como uma
entrada para

eu não sabia tu
não sabias

fazer girar a vida

com seu montão de estrelas e oceano
entrando-nos em ti

bela bela
mais que bela

mas como era o nome dela?

ão era Helena nem Vera
nem Nara nem Gabriela
nem Tereza nem Maria
Seu nome seu nome era ...
Perdeu-se na carne fria

perdeu-se na confusão de tanta noite e tanto dia
perdeu-se na profusão das coisas acontecidas

constelações de alfabeto

noites escritas a giz

pastilhas de aniversário

domingos de futebol

enterros corsos comícios

roleta bilhar baralho

mudou de cara e cabelos mudou de olhos e risos mudou de casa
e de tempo: mas está comigo está

perdido comigo

teu nome

em alguma gaveta


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
13/06/2013 às 00:00
Brasília - DF

Ferreira Gullar era, talvez, a figura mais marcante e mais importante da FLIP 2010, em Parati, RJ, que foi realizada no mês de agosto. Ele desfilou como uma personalidade rara, cara e com muita simpatia. Confesso que torço o nariz para a grande maioria dos poetas, claro com as exceções da praxe como João Cabral de Melo Neto, Camões, Dante Alighieri, Drumond , Cecilia Meireles e outros menos votados. Nunca tinha me dado o trabalho de ler Ferreira Gullar, nem na sua coluna do jornal O Globo. Achava ele um chato de galocha. Mesmo tendo assistido a sua apresentação na FLIP, não mudei minha opinião. Na livraria que funcionava anexa ao pavilhão da  FLIP, perguntei qual o melhor livro dele e me indicaram “Poema Sujo.” Comprei por obrigação. Deixei o livro na fila de leituras. Em abril de 2013 fiz uma viagem à Italia e levei o livro para leitura de bordo. Desde então coloquei o nome do poeta na lista dos maiorais que citei antes. Ele é mesmo um craque, um campeão, um poeta maior.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2020
Todos os direitos reservados.