carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Inferno

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Inferno

Livro Bom - 3 opiniões

  • Leram
    33
  • Vão ler
    50
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    19

Autor: Dan Brown

Editora: Arqueiro

Assunto: Romance

Traduzido por: Fabiano Morais

Páginas: 443

Ano de edição: 2013

Peso: 600 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
favorido
comprar
quero-ganhar

 

Bom
Juliana Bento
27/03/2017 às 02:08
Rio das Pedras - SP
Estou adorando ler esse livro, já conhecia a história de Dante ( mesmo ainda sem a ler A Divina Comédia) através da leitura da trilogia O Inferno de Gabriel. Está sendo uma ótima experiência ver a história de Dante novamente com esse contexto, pois é muito cativante, envolvente e emocionante. Como sempre Dan Brown sabe como prender a gente com uma dose aventura e ação e aquele toque de romance.

Ótimo
Elias Marinho
13/02/2015 às 12:02
Santa Maria - DF
Dan Brown é e sempre será um autor extraordinário, é de ficar espantado pela quantidade de informações históricas e geográficas que ele consegue reunir em um só livro. O capricho, o esmero em não somente prender a atenção do leitor a uma história de ação, mas também de informar ao leitor dos diversos aspectos que aquele fato ou lugar congrega, me fascina.
A quantidade de informações, por vezes, chega a tornar a leitura cansativa, quando no êxtase dos acontecimentos, você é interrompido para ler sobre aspectos ocorridos naquele lugar há centenas de anos atrás.
Todavia, a leitura é mais que recomendada, pois creio que grande parte dos leitores, assim como eu, irão se sentir literalmente dentro de locais fascinantes do mundo como a Praça de São Marcos ou Santa Sofia, lugares altamente desejadas pelos amantes das artes. E o autor como sempre consegue dar um final magnifico à obra.

Bom
Marcio Mafra
02/06/2013 às 17:41
Brasília - DF
O Inferno, novo livro de Dan Brown segue o mesmo figurino dos anteriores (Anjos e Demônios e O Símbolo Perdido) e do consagrado Código Da Vinci. O autor e seu editor, inteligentemente, publicam este novo romance ambientado nas duas mais espetaculares cidades italianas, além de Roma: Veneza que era o ponto de ligação entre o oriente e ocidente, e Florença, o berço das artes e do desenho. Em Veneza o palco é a Praça e Basílica de São Marcos. Em Florença a Galeria degli Uffizi e o Palazzo de Pitti fazem o pano de fundo. Tudo isso salpicado pelo poema “A Divina Comédia” de Danthe Alighieri e a pintura renascentista “Mapa do Inferno” de Sandro Botticelli. A narrativa é de pura ação com excessos de referências históricas, museólogas e artísticas. Por vezes as ações são tão rápidas que mais parecem roteiro de “thriller” para cinema, como filmes de conspiração e investigação tipo CSI , Dexter ou Havaii Five-0. Com certeza, “Inferno” logo estará sendo negociado com alguma produtora de cinema, se é que já não o foi. O protagonista do romance é Robert Langdon, o mesmo professor de Havard - dos romances anteriores de Dan Brown – conferencista de sucesso e historiador especializado em simbologia. Os personagens secundários ficam no seu devido lugar, havendo destaque somente para as Doutoras Sienna Brooks, uma bióloga mal resolvida, e Elizabeth Sinskey, que no livro faz (mal) o papel de diretora da OMC Organização Mundial de Saúde, especialista em doenças contagiosas e epidemiologia. O bandido principal se suicida logo no começo da história. Os outros não têm muito destaque. O herói, Robert Langdon consegue fugir da policia e de uma organização secreta – e provavelmente aparecerá no próximo livro de Dan Brown. Ainda assim o final do da historia é inteligente. Código da Vinci é livro excelente. Inferno, nem tanto.

Marcio Mafra
02/06/2013 às 00:00
Brasília - DF

A história do professor Robert Langdon, que numa louca corrida através das cidades italianas de Florença e Veneza tenta desvendar um mistério cujas pistas estão inseridas nos versos do poema “Divina Comédia, de Dante Alighieri” e também no quadro “Mapa do Inferno” do pintor “Sandro Botticelli”. Langdon é um excelente conferencista, professor de Havard e historiador especializado em simbologia. Ele acorda num hospital para onde tinha sido levado, com um tiro na cabeça. A cirurgia resulta numa amnésia parcial que dificulta muito o entendimento dos fatos. Ainda no hospital sofre outra tentativa de assassinato, sendo salvo pela interveniência da médica Sienna Brooks .Eles escapam e a partir daí empreendem uma luta contra o tempo, na tentativa de evitar a possível contaminação da população mundial, por vírus ou bactérias, que imaginam são absolutamente mortais.

Marcio Mafra
02/06/2013 às 00:00
Brasília - DF


O banheiro do Frecciargento não era maior do que o de um avião comercial - mal havia espaço para se virar. O homem de pele irritada encerrou a ligação com o diretor e guardou o telefone no bolso.

A situação mudou, percebeu ele. De repente tudo parecia ter ficado de cabeça para baixo e ele precisou de alguns instantes para se situar.

Meus amigos agora são meus inimigos.

O homem afrouxou a gravata e encarou no espelho o rosto coberto de pústulas. Seu aspecto estava pior do que ele imaginara. O rosto, porém, era pouco preocupante se comparado à dor que ele sentia no peito.

Com gestos hesitantes, ele desabotoou a parte de cima da camisa e a abriu.
Forçou-se a olhar no espelho ... e examinou o peito nu.

Meu Deus.

A área enegrecida estava aumentando.

A pele no centro de seu peito estava escurecida por um negro-azulado profundo. A mancha, que havia aparecido na noite anterior, do tamanho de uma bola de golfe, agora estava tão grande quanto uma laranja. Ele tocou delicadamente a pele sensível e fez uma careta.

Apressou-se em abotoar a camisa de volta, esperando ter forças para fazer o que devia ser feito.

A próxima hora vai ser decisiva, pensou. Uma delicada série de manobras.
Fechou os olhos e se recompôs, repassando mentalmente tudo o que precisaria acontecer. Meus amigos se tornaram meus inimigos, tornou a pensar.

Respirou fundo várias vezes, em constante agonia, na esperança de que isso o acalmasse. Sabia que precisava manter a serenidade se quisesse esconder suas verdadeiras intenções.

Paz de espírito é fundamental para uma atuação convincente.

O homem de pele irritada estava habituado a farsas, mas mesmo assim seu coração batia acelerado. Tornou a respirar fundo, latejando de dor. Você vem enganando as pessoas há anos, lembrou a si mesmo. É isso que faz da vida.

Reunindo forças, preparou-se para voltar à companhia de Langdon e Sienna.
Minha última atuação, pensou.

Como uma precaução final antes de sair do banheiro, retirou a bateria do telefone, certificando-se de que o aparelho não pudesse mais ser usado.

Como ele está pálido, pensou Sienna quando o homem de pele irritada tornou a entrar na cabine e se acomodou na cadeira com um suspiro de angústia.

- Está tudo bem? - perguntou ela, genuinamente preocupada.

Ele assentiu.

- Sim, tudo bem. Obrigado.

Como o homem não parecia disposto a compartilhar nada mais do que isso, Sienna mudou de tática:

- Se não se importar, preciso do seu telefone de novo. Gostaria de continuar buscando mais informações sobre o doge. Talvez consigamos encontrar algumas respostas antes de visitarmos a Basilica de São Marcos.

- Claro - disse ele, tirando o celular do bolso e verificando a tela. - Ai, droga. Minha bateria estava quase acabando durante a ligação. Parece que agora morreu de vez. - Ele olhou de relance para o relógio. - Já estamos chegando a Veneza. Vamos ter que esperar.
 


  • INFERNO É FIEL AO ESTILO SUPERCONSAGRADO DE DAN BROWN

    Autor: Luis Eduardo Matta

    Veículo: Jornal O Globo - Segundo Caderno, Pagina 3, Domingo 26 de maio de 2013

    Fonte: Especial para O Globo - Segunda Carderno, Pagina 3, Domingo 26 de maio de 2013

    INFERNO É FIEL AO ESTILO SUPERCONSAGRADO DE DAN BROWN

    Reviravolta emocionante na trama torna, porém, o livro diferente dos anteriores.

    Cotação: Ótimo

    Por Luis Eduardo Matta - escritor

    Especial para O Globo - Segunda Carderno, Pagina 3, Domingo 26 de maio de 2013

    Após a estreia com Fortaleza digital, lançado em 1998, e, sobretudo, graças ao sucesso alcançado com "O código Da Vinci" (2003), Dan Brown promoveu uma renovação na linguagem do
    -thríller, ao misturar os ingredientes tradicionais do gênero ­ suspense, ação e mistério - a elementos instigantes de teor histórico, científico e religioso.

    No decorrer de cada um dos seus livros, doses generosas de informações, que abarcam universos tão distintos quanto arte renascentista, física de partículas, simbologia cristã e biologia vão sendo reveladas, sem que isso prejudique o ritmo narrativo. Tudo temperado
    pela habilidade do escritor em adulterar sutilmente alguns dados a fim de confundir o leitor e índuzí-lo, em vários momentos, a se questionar sobre o que ali é ficção e o que é real.
    E, também, por uma técnica notável de deixar os protagonistas sob pressão constante,
    fugindo e investigando ao mesmo tempo, em aventuras tensas e ágeis que, via de regra,
    se desenrolam num intervalo de poucas horas.

    COMEÇO PERTURBADOR

    Em seu novo lançamento, "Inferno" (Arqueiro, tradução de Fernanda Abreu e Fabiano Morais, 448 páginas, R$ 39,90), Dan Brown manteve-se fiel ao estilo que o consagrou. O livro, o sexto de sua carreira, é o quarto protagonizado pelo seu mais célebre personagem, o professor de simbologia de Harvard, Robert Langdon. O começo da história é perturbador: Langdon acorda desmemoriado num leito hospitalar com um ferimento à bala na cabeça e atormentado por pesadelos onde uma mulher de cabelos grisalhos o encara na margem oposta de um rio de águas ensanguentadas e repleto de cadáveres. Ao olhar pela janela, ele reconhece a torre do Palazzo Vecchio e se dá conta de que está em Florença, sem, contudo, ter a menor Idéia de como e por que fora parar ali. Antes que possa pensar a respeito, ele sofre uma tentativa de assassinato dentro do hospital e se salva graças à ajuda de Síenna Brooks, a médica que o atendia no momento. A partir daí, Sienna torna-se a parceira feminina da vez de Langdon, a exemplo de Sophie Neveu em "O código Da Víncí" Vittoria Vetra em "Anjos e de­
    mônios"; e Katheríne Solomon, em "O Símbolo Perdido".

    Langdon logo encontra em seu paletó um misterioso tubo de metal gravado com o ícone de ameaça biológica. Ao telefonar para o consulado dos Estados Unidos a fim de pedir ajuda, descobre, horrorizado, que o governo de seu próprio país instruíra alguém para mata-lo. Tem início, então, uma corrida desesperada no melhor estilo dos livros de Dan Brown, que levará Langdon e Sienna a percorrer ruas e monumentos de Florença e de lá rumar para Veneza e Istambul, a fim de evitar um ataque bíológico urdido por um geneticista fanático por Dante Alíghíeri que dias antes se suicidara.

    A chave para o mistério está numa série de códigos inspirados na "Divina comédia'; em especial no "Inferno'; que Langdon e Sienna vão decifrando enquanto fogem de um verdadeiro exército de perseguidores fortemente armados e dispostos a capturá-los a qualquer custo.

    RITMO FRENÉTICO

    "Inferno" segue nesse ritmo frenético até a chegada dos personagens a Veneza, quando  esfria subitamente. Em parte, isso se deve à descrição exageradamente minuciosa da cidade, que Dan Brown faz ao longo de parágrafos intermináveis, deixando bastante clara a sua adoração por Veneza. Mas é justamente neste momento que a trama sofre a sua reviravolta mais impressionante, e que torna esse livro totalmente diferente dos anteriores protagonizados pelo simbologista de Harvard.

    A faceta polêmica de "Infernol" fica por conta de um tema que Dan Brown aborda sem cerimônia: o da superpopulação humana. Assim como aconteceu com Michael Crichton em "Estado de medo" ao pôr em dúvida o aquecimento global, Dan Brown poderá ser questionado sobre se endossa a tese do antagonista do seu novo livro de que o alto índice de natalidade humana é a principal catástrofe ambiental num planeta já bastante povoado. E que, por causa disto, a Terra estaria sob o risco de se ver transformada em breve numa versão real do inferno criado por Dante Alighieri.

    Luis Eduardo Matta é escritor

  • BEST SELLER FRENÉTICO

    Autor: Luiz Prisco

    Veículo: Jornal Correio Braziliense

    Fonte: Correio Braziliense, Brasilia Domingo, 2 de junho de 2013 - caderno Diversão e Arte, pagina 8

    Best seller frenético Novo Livro de Dan Brown repete fórmula de sucesso, mantém altos números de venda e briga com a crítica. Luiz Prisco Correio Braziliense, Brasilia Domingo, 2 de junho de 2013 - caderno Diversão e Arte, pagina 8 O nome Dan Brown é capaz de causar frisson no mercado editorial. O escritor, uma espécie de Paulo Coelho norte-americano, causa arrepios na crítica, mas esgota exemplares rapidamente das prateleiras. Com Inferno, sexto livro do autor, a história não é diferente. Em uma semana, dos 500 mil da primeira tiragem, 120 mil exemplares já foram vendidos. Os números de Dan Brow são realmente impressionantes. No Brasil, o autor já vendeu mais de 4,7 milhões de livros. Em escala mundial, são 150 milhões de cópias comercializadas. Isso sem falar na bilheteria dos dois filmes O código Da Vinci e Anjos e Demônios com cifras de US$ 1,25 bilhão. Inferno também lidera a lista dos mais vendidos da Publishnews, publicação especializada em mercado editorial. Inferno marca o retomo de Dan Brown após quatro anos de hiato. O último lançamento foi O símbolo perdido (2009), que vendeu cerca de 900 mil cópias no Brasil. O livro retoma o simbologista Robert Langdon - interpretado por Tom Hanks nos cinemas - no papel de protagonista. A receita da trama é a mesma dos outros livros: perseguições, mistérios, arte, simbolismo e religião. (ver resenha) A crítica internacional não recebeu o novo livro de Dan Brown de forma tão positiva. Peter Conrad, do britânico The Guardian, ironiza o autor. "Eu pensava que Dan Brown era apenas ruim. Mas, depois de ler a última versão do thriller que ele reescreve de tempos em tempos, começo a suspeitar que ele também possa ser maluco", registra o crítico. Monica Hesse, do Whashington post, critica as imprecisões históricas da obra. "Como os outros trabalhos de Brown, é mais divertido ler Inferno quando você aceita como verdadeiro cada pedaço colocado na trama", espicaça. No entanto, o duelo com a crítica não é uma novidade na carreira do escritor: dono de números de vendas empolgantes, Dan Brow não cai no gosto dos intelectuais. Iuan Pedro Rojas, do departamento de Letras da Universidade de Brasília (UnB), observa que autor e Críticos enxergam o livro de forma diferente. "Os best -sellers respondem a uma lógica de mercado e a academia analisa o livro como uma obra de arte", explica. Rojas acredita que a crítica é apenas um dos ingredientes responsáveis pelo sucesso das obras. "Esse sucesso pode ser explicado por conta de outras coisas, como uma publicidade agressiva e estratégias de marketing etc", argumenta o professor.
Marcio Mafra
02/06/2013 às 00:00
Brasília - DF

Comprei Inferno no mesmo dia em que chegou à Livraria Cultura de Brasília, porque todos os jornais e revistas faziam menção ao grande lançamento de Dan Brown,  e informavam que a história se passa em Florença e Veneza, na Itália.  Por coincidência eu acabara e voltar de uma viagem pela Itália.  Conhecendo o estilo detalhista do autor, fiquei mais motivado pela compra do livro porque, certamente, iria “rever” os museus, ruas, praças, palácios e monumentos daquelas maravilhosas cidades. 


 

Para baixar ou visualizar o E-BOOK é necessário logar no site.
Clique aqui! para efetutar seu login.

 

Não tem uma conta?
Clique aqui e crie a sua agora!

 

 

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.