carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Você está aqui Principal / Livros / Em Chamas

Em Chamas

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Em Chamas

Livro Bom - 3 opiniões

  • Leram
    34
  • Lendo
    1
  • Vão ler
    25
  • Relendo
    0
  • Recomendam
    10

Autor: Suzanne Collins

Editora: Rocco

Assunto: Adolescente

Traduzido por: Alexandre D'elia

Páginas: 413

Ano de edição: 2011

Peso: 450 g

comentar
  • lido
  • lendo
  • vou-ler
  • re-lendo
  • recomendar
tenho
trocar
empresto
doar
aceito-doação
favorido
comprar
quero-ganhar

 


Mediano
Angélica Maria de Oliveira
14/07/2015 às 16:40
São Paulo - SP
Acho que dentre os três volumes, é o mais dinâmico, onde a narrativa nos traz bastante personagens, no entanto não perde a história já contada anteriormente e esclarece alguns pontos amarrados do livro anterior.


Excelente
Gabriel Dias Amaral
12/11/2013 às 00:55
Belo Horizonte - MG
Livro excelente, um dos meus favoritos!

Ruim
Marcio Mafra
17/06/2012 às 13:06
Brasília - DF


No seu segundo livro da trilogia dos Jogos Vorazes, Suzanne Collins praticou aquilo que se conhece como “livro de trouxa”. Segundo o glossário de Livronautas, livro de trouxa é o mesmo que ouro de trouxa. Aquilo que parece mas não é. “Em Chamas” parece um novo livro, mas não é. Talvez seja, também, um livro de mimeógrafo. Ainda segundo o glossário “são livros não originais, cópias ou remendos mal feitos de outros livros, geralmente do mesmo autor”. É um expediente baixinho para continuar faturando. É só esticar a história. No “Em Chamas” Katniss Everdeen  tem uma entrevista com o Presidente da Capital, o Sr. Snow, onde ele reclama da “pretensa liderança negativa” que ela exerce sobre os habitantes dos diversos Capítulos. Tal liderança poderá provocar levantes contra a boa ordem e os costumes do povo dominado. E por aí vai. Nada de novo acontece durante os agressivos jogos. É só matar ou morrer.  Coisa chata e repetitiva. Igual ao primeiro livro "Jogos Vorazes". Enganação proposital. Por isso o final do livro “Jogos Vorazes” foi quase patético. Mas, o final do “Em Chamas” é mais que patético. Reclama-se que os adolescentes não leem, não gostam de ler. Não aprendem a ler, não tomam gosto pela leitura. Mas com uma droga de livro desse tipo, ninguém tomará gosto pela leitura. Adolescente não é trouxa. Trouxa é o escritor e seu editor.



Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A continuação da história dos Jogos Vorazes, que foram vencidos por Katniss e Peeta, cuja dupla de vencedores quase viram “pessoas ingratas” para o sistema político de Panem.
Os vencedores são obrigados a participar, imediatamente, de “outro” jogo, onde os vencedores de todos os jogos anteriores foram obrigados a disputar o Septuagésimo Aniversário dos Jogos.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Na minha cabeça, o presidente Snow deveria ser visto em pilares de mármore adornados com bandeiras gigantescas. É perturbado r vê-lo cercado de objetos comuns em minha sala. É como tirar a tampa de uma panela e encontrar uma víbora com os dentes arreganhados em vez do cozido.
O que poderia estar fazendo aqui? Minha mente volta rapidamente aos dias de abertura de outras turnês da vitória. Lembro-me de ter visto os tributos vitoriosos com seus mentores e estilistas. Até alguns oficiais do alto escalão do governo apareciam vez por outra. Mas nunca havia visto o presidente Snow. Ele participa das celebrações na Capital. Ponto.
Para ter feito todo esse percurso desde a sua cidade só pode significar uma única coisa. Estou em sérios apuros. E se estou mesmo, minha família também está. Um calafrio percorre meu corpo quando penso em minha mãe e minha irmã perto desse homem que me despreza. E sempre me desprezará. Porque passei a perna em seus sádicos Jogos Vorazes, obriguei a Capital a fazer papel de boba e conseqüentemente minei seu controle.
Tudo o que estava tentando fazer era manter Peeta e eu vivos. Qualquer ato de rebelião que possa ter existido foi puramente casual. Mas quando a Capital decreta que apenas um tributo pode ficar vivo e você tem a audácia de desafiá-la, imagino que isso por si só já seja uma rebelião. Minha única defesa era fingir que estava sendo levada à loucura pela minha paixão por Peeta. Então nós dois tivemos permissão para continuar vivos. Para ser coroados como vitoriosos. Para poder voltar para casa, comemorar, dar adeus às câmeras e ser deixados finalmente em paz. Até agora.
Talvez seja a novidade da casa, ou o choque de vê-lo, ou a compreensão mútua de que ele poderia mandar me matar em um segundo que faz com que me sinta uma intrusa. Como se aquela fosse a casa dele e eu fosse a penetra. Então, não lhe dou as boas-vindas nem lhe ofereço uma cadeira. Não digo nada. Na realidade, trato-o como se fosse uma verdadeira cobra, do tipo mais venenoso. Fico imóvel, olhos grudados nele, avaliando as possibilidades de uma fuga.
- Acho que podemos tornar toda essa situação muito mais simples se concordarmos que um não deve mentir para o outro - diz ele. - O que você acha?
Acho que minha língua ficou congelada e falar seria algo impossível, então surpreendo-me respondendo com uma voz firme:
- Sim, isso nos poupará tempo.
O presidente Snow sorri e reparo em seus lábios pela primeira vez. Estou esperando lábios de serpente, o que significa nenhum lábio. Mas os dele são grossos, a pele bastante esticada. Sou obrigada a imaginar se a sua boca foi modificada para fazer com que ele ficasse mais atraente. Se for o caso, foi uma perda de tempo e de dinheiro porque ele não é nem um pouco atraente.
- Meus conselheiros estavam preocupados com a possibilidade de você ser uma pessoa difícil, mas você não -está planejando ser uma pessoa difícil, está? - pergunta ele.
- Não - respondo.
- Foi o que disse para eles. Eu disse que uma garota que passou por tantos infortúnios para se manter viva não vai estar interessada em jogar tudo isso fora de mão beijada. Sem falar na família que ela precisa proteger. Sua mãe, sua irmã e todos aqueles ... primos. - Pelo jeito como demorou para falar a palavra "primos", posso dizer de antemão que ele sabe que Cale e eu não compartilhamos nenhuma parte de nossa árvore genealógica.
Bom, todas as cartas estão sobre a mesa agora. Talvez seja melhor assim. Eu não me dou muito bem com ameaças ambíguas. Prefiro saber logo como está o placar.
- Vamos sentar. - O presidente Snow senta-se à grande escrivaninha de madeira polida onde Prim faz seus deveres de casa, e minha mãe, seus orçamentos. A exemplo de nossa casa, esse é um local onde ele não tem nenhum direito (apesar de ter, no fundo, no fundo, todos os direitos) de ocupar. Sento-me em frente à escrivaninha em uma das cadeiras entalhadas de encosto reto. Ela é feita para uma pessoa mais alta do que eu, de modo que somente as pontas dos meus pés tocam o chão.
- Estou com um problema, senhorita Everdeen - diz o presidente Snow. - Um problema que começou no momento em que você pegou aquelas amoras envenenadas na arena.
Esse foi o momento em que imaginei que se os Idealizadores dos Jogos tivessem de escolher entre assistir a Peeta e eu cometermos suicídio - o que teria significado a falta de um vencedor - e permitir que nós dois permanecêssemos vivos, eles ficariam com a segunda opção.
- Se o Chefe dos Idealizadores dos Jogos, Seneca Crane, tivesse alguma coisa naquela cabeça, ele teria transformado você em pó ali mesmo. Mas ele teve um desafortunado ataque de sentimentalismo. Então você está bem aqui. Pode imaginar onde ele está? - pergunta ele.
Balanço a cabeça porque, pela maneira como ele fala, está mais do que claro que Seneca Crane foi executado. O cheiro de rosas e de sangue ficou ainda mais forte agora que apenas uma escrivaninha nos separa. Tem uma rosa na lapela do presidente Snow, o que pelo menos sugere uma fonte para o perfume de flor, mas ela deve ser geneticamente aprimorada, porque nenhuma rosa verdadeira exala um aroma como aquele. Quanto ao sangue ... eu não sei.
- Depois disso, não havia mais nada a fazer além de deixar que vocês dois prosseguissem com sua pequena encenação. E você foi muito boa nisso também, como aquele jeitinho de estudante loucamente apaixonada. As pessoas na Capital ficaram bastante convencidas. Infelizmente, nem todo mundo foi enganado por seu ato dramático - diz ele.
Meu rosto deve estar registrando pelo menos uma pontinha de espanto por ele tocar nesse assunto.
- Isso, é claro, você não sabe. Você não tem acesso a informações sobre o clima nos distritos. Em vários deles, todavia, as pessoas viram o seu pequeno truque com as amoras como um ato de desafio, não como um ato de amor. E se uma garota do Distrito 12, logo esse!, pode desafiar a Capital e escapar incólume, o que os impedirá de fazer o mesmo? - diz ele. ÀO que poderá impedir, digamos, um levante?
Demora um pouco para a última sentença dele penetrar na minha cabeça. Então todo o peso dela me atinge em cheio. - Ocorreram levantes? - pergunto, não só tremendo de medo, mas também um pouco exultante diante da possibilidade.
- Ainda não. Mas ocorrerão se o curso dos acontecimentos não mudar. E é sabido que levantes levam a revoluções.
- O presidente Snow esfrega um ponto em cima da sobrancelha esquerda, o exato ponto onde eu mesma tenho as minhas dores de cabeça. - Você faz alguma ideia do que isso significaria? De quantas pessoas morreriam? Das condições que os sobreviventes teriam de enfrentar? Independentemente dos problemas que alguém possa ter com a Capital, acredite quando digo que se ela lançar suas garras sobre os distritos, mesmo que por um curto período de tempo, todo o sistema desmoronará.
Fico chocada com a franqueza e mesmo com a sinceridade do discurso. Como se a sua principal preocupação fosse o bem-estar dos cidadãos de Panem, quando na verdade nada poderia ser mais distante da verdade do que isso. Não sei como ouso dizer as palavras seguintes, mas digo.
- Ele deve ser muito frágil mesmo, se um punhado de amoras pode derrubá-lo.
Há uma longa pausa enquanto ele me examina. Então ele apenas diz:
- É frágil, sim, mas não da maneira que você imagina. Alguém bate na porta e em seguida o homem da Capital estica a cabeça.
- A mãe dela quer saber se o senhor quer chá.
- Eu gostaria. Gostaria muito de tomar um chá - diz o presidente. A porta se abre ainda mais e lá está minha mãe em pé segurando uma bandeja com um serviço de chá de porcelana que ela trouxe para a Costura quando se casou. - Pode colocar aqui, por favor. - Ele coloca o livro que estava lendo no canto da escrivaninha e dá uma batidinha com a mão no centro.
Minha mãe coloca a bandeja na escrivaninha. Ela contém um bule de chá e xícaras de porcelana, leite e açúcar, e um pratinho com biscoitos lindamente decorados com suaves flores coloridas. A decoração só pode ser obra de Peeta.
- Que visão mais convidativa. Você sabe, é engraçado o quanto as pessoas frequentemente se esquecem que os presidentes também precisam comer - diz o presidente Snow, com todo o seu charme. Bom, de qualquer modo o gesto parece acalmar um pouco a minha mãe.
- O senhor deseja mais alguma coisa? Posso preparar alguma coisa mais substanciosa se o senhor está com fome - oferece ela.
- Não, melhor do que isso impossível. Muito obrigado diz ele, dispensando-a. Minha mãe curva a cabeça, olha para mim de relance e vai embora. O presidente Snow serve o chá para nós dois e coloca leite e açúcar em sua xícara. Em seguida, passa um bom tempo mexendo. Sinto que ele já disse tudo o que tinha a dizer e está esperando a minha resposta.
- Eu não tive intenção de começar nenhum levante - digo a ele.
- Acredito em você. Pouco importa. Seu estilista acabou sendo profético na escolha de seu traje. Kamiss Everdeen, a garota em chamas, você acendeu uma fagulha que, se não for contida, pode crescer e se transformar num inferno que destruirá Panem - diz ele.
- Por que o senhor simplesmente não me mata agora? Solto a pergunta.
- Publicamente? Isso apenas acrescentaria combustível às chamas.
- Providencie um acidente, então - sugiro.
- Quem acreditaria nisso? - pergunta ele. - Você não acreditaria, se estivesse assistindo.
- Então o senhor poderia simplesmente dizer o que deseja que eu faça. É só dizer que eu faço.
- Se ao menos a coisa fosse assim tão simples. - Ele pega um dos biscoitos floridos e o examina. - Magnífico. Foi a sua mãe que fez?
- Peeta. - E, pela primeira vez, descubro que não sou capaz de encará-Ia. Vou pegar o chá, mas o coloco de volta quando ouço o ruído da xícara roçando no pires. Para disfarçar, pego rapidamente um biscoito.
- Peeta. Como está o amor da sua vida?
- Bem - digo.
- Em que momento ele se deu conta do grau exato de sua indiferença? - pergunta ele, mergulhando o biscoito no chá. - Eu não sou indiferente.
- Mas talvez não tão encantada com o jovem quanto fez o país acreditar - diz.
- Quem diz que eu não sou?
- Eu digo. E não estaria aqui se fosse a única pessoa que tivesse dúvidas a esse respeito. Como anda o primo bem apessoado?
- Eu não sei ... eu não ... - Minha ojeriza em relação a essa conversa, a discutir com o presidente Snow meus sentimentos por duas das pessoas que mais estimo, faz com que as minhas palavras saiam engasgadas.
- Fale, senhorita Everdeen. Posso matá-la facilmente se não chegarmos a uma resolução feliz - diz o presidente. Você não está fazendo nenhum favor a ele desaparecendo na floresta em sua companhia todos os domingos.
Se ele sabe disso, o que mais ele sabe? E como ele sabe disso? Muitas pessoas podiam dizer a ele que Gale e eu passamos nossos domingos caçando. Por acaso, não aparecemos no fim de cada um desses dias abarrotados de caça? E não fazemos isso há anos? A verdadeira questão é o que ele acha que acontece na floresta além do Distrito 12. Certamente não temos sido rastreados lá. Ou temos? Será que fomos seguidos? Isso parece impossível. Pelo menos de ser feito por uma pessoa. Câmeras? Até agora isso não havia passado pela minha cabeça. A floresta sempre foi nosso local mais seguro, nosso local além do alcance da Capital, onde somos livres para dizer o que sentimos, para ser o que realmente somos. Pelo menos antes dos Jogos. Se temos sido observados desde então, o que eles viram? Duas pessoas caçando, dizendo coisas traiçoeiras contra a Capital, sim, não resta dúvida. Mas não duas pessoas que se amam, o que parece ser a conclusão do presidente Snow. Estamos livres dessa acusação. A menos que ... a menos que ...
Aconteceu uma única vez. Foi rápido e inesperado, mas aconteceu de fato.
Depois que Peeta e eu voltamos dos Jogos, passaram-se várias semanas até que eu ficasse a sós com Cale. No início, eram as celebrações obrigatórias. Um banquete para os vitoriosos para o qual somente as pessoas dos mais altos escalões eram convidadas. Um feriado para todo o distrito com comida de graça e animadores trazidos da Capital. O Dia da Parcela, o primeiro de doze, em que pacotes de comida foram entregues a todas as pessoas do distrito. Essa foi minha celebração favorita. Ver todas aquelas crianças famintas da Costura correndo de um lado para o outro brandindo latas de creme de maçã, carne enlatada e até balas. Em casa, pesados demais para serem carregados, seriam encontrados sacos de grãos, latas de óleo. Saber que uma vez por mês por um ano inteiro todos eles receberiam uma nova parcela. Essa foi uma das únicas vezes em que realmente me senti bem por ter vencido os Jogos.
Então, entre cerimônias e eventos e repórteres documentando todos os meus passos enquanto me apresentava em público e agradecia e beijava Peeta para a audiência, eu não tinha nenhuma privacidade. Depois de algumas semanas, as coisas finalmente arrefeceram. As equipes de filmagem e os repórteres foram embora. Peeta e eu assumimos a fria relação que tínhamos tido desde então. Minha família se estabeleceu em nossa casa na Aldeia dos Vitoriosos. A vida cotidiana do Distrito 12 - trabalhadores nas minas, crianças na escola voltou a sua rotina e a seu ritmo normais. Esperei até achar que o território estava de fato limpo e então, num domingo, sem dizer nada a ninguém, levantei-me horas antes do nascer do sol e me encaminhei para a floresta.
A temperatura ainda estava quente o suficiente para que não precisasse de casaco. Levei um saco cheio de comidas especiais: galinha fria, queijo, pães assados e laranjas. Na minha antiga casa, vesti minhas botas de caçada. Como de costume, a cerca não estava eletrificada e foi simples deslizar para a floresta e pegar meu arco e as minhas flechas. Fui para o nosso local, meu e de Gale, onde tomamos café da manhã juntos na manhã da colheita que me mandou para os Jogos.
Esperei por pelo menos duas horas. Tinha começado a pensar que ele havia desistido de mim nas semanas que haviam passado. Ou que ele não gostava mais de mim. Ou até me odiava. E a ideia de perdê-lo para sempre, meu melhor amigo, a única pessoa a quem confiei meus segredos, era tão dolorosa que eu mal conseguia suportar. Não depois de tudo o mais que havia acontecido. Sentia as lágrimas escorrendo em meus olhos e a garganta começando a se fechar como sempre ocorre quando fico chateada.
Então, levantei os olhos e lá estava ele, a três metros de distância, apenas me observando. Sem nem mesmo pensar, dei um salto e o abracei com força, deixando escapar um estranho som que misturava riso, engasgo e choro. Ele me abraçava com tanta força que eu nem conseguia ver o seu rosto, e demorou um bom tempo até que me soltasse, mas, então, ele já não tinha muita escolha porque eu estava tendo uma crise de soluços tão inacreditável que precisava urgentemente beber alguma coisa.
Naquele dia, fizemos o que sempre fazíamos. Tomamos nosso café da manhã. Caçamos, pescamos e colhemos. Conversamos sobre as pessoas na cidade. Mas não sobre nós, sua nova vida nas minas, o período que passei na arena. Sobre outras coisas apenas. Quando estávamos no buraco do muro que fica próximo ao Prego, acho que eu realmente já estava acreditando que as coisas poderiam voltar a ser como sempre foram. Que poderíamos ser como sempre fomos. Havia entregue toda a caça para Gale vender, já que tínhamos comida de sobra agora. Disse para ele que não iria ao Prego dessa vez, mesmo estando com muita vontade de aparecer por lá, porque minha mãe e minha irmã não sabiam nem mesmo que eu tinha saído para caçar, e ficariam imaginando onde eu poderia estar. Então, de repente, enquanto eu sugeria assumir as armadilhas que precisavam de um cuidado diário, ele segurou o meu rosto e me beijou.
Eu estava completamente despreparada. Alguém poderia pensar que depois de todas aquelas horas que passei com Gale - observando-o falar e rir e se preocupar -, eu saberia tudo o que deveria saber sobre os lábios dele. Mas não imaginava que eles seriam tão cálidos em contato com os meus. Ou que aquelas mãos, que podiam montar as mais intricadas armadilhas, pudessem me prender com a mesma facilidade. Acho que alguma espécie de ruído escapou do fundo da minha garganta, e lembrei vagamente dos meus dedos, bem fechados e pousados em seu tórax. Então ele me soltou e disse:
- Eu precisava fazer isso. Pelo menos uma vez. - E foi embora.
Apesar de o sol estar se pondo e de minha família estar possivelmente preocupada, sentei-me ao lado de uma árvore próxima ao muro. Tentei decifrar o que estava sentindo em relação ao beijo, se tinha gostado dele ou se ele tinha me deixado indignada, mas só me lembrava de fato da pressão dos lábios de Gale e do aroma das laranjas, que ainda estava perceptível em sua pele. Não tinha sentido comparar aquele beijo com os muitos que eu trocara com Peeta. Ainda não estava claro para mim se algum deles havia realmente contado. Por fim, fui para casa.
Naquela semana, cuidei das armadilhas e deixei a carne com Hazelle. Mas só vi Gale no domingo seguinte. Tinha um discurso na ponta da língua sobre como não queria um namorado e nunca tinha planejado me casar etc. e tal, mas acabei não usando. Gale se comportou como se o beijo jamais houvesse acontecido. De repente, ele estava esperando que eu dissesse alguma coisa. Ou que eu retribuísse o beijo. Em vez disso, a exemplo dele, simplesmente fingi que a coisa jamais acontecera. Mas havia acontecido. Gale havia despedaçado alguma espécie de barreira invisível entre nós dois com aquele beijo, qualquer esperança que eu pudesse ter tido de reatar nosso antigo e descomplicado relacionamento. Seja lá o que eu pudesse estar fingindo, jamais poderia voltar a olhar para aqueles lábios da maneira como sempre olhei.
Tudo isso passa como um raio na minha cabeça enquanto os olhos do presidente Snow fixam-se em mim logo depois de sua ameaça de matar Gale. Como fui estúpida em pensar que a Capital simplesmente me ignoraria assim que voltasse para casa! Talvez eu não soubesse nada sobre os potenciais levantes. Mas sabia que eles estavam zangados comigo. Em vez de agir com a extrema cautela que a situação exigia, o que foi que eu fiz? Do ponto de vista do presidente, ignorei Peeta e ostentei minha preferência pela companhia de Gale diante de todo o distrito. E, ao fazer isso, deixei bem claro que estava, na realidade, fazendo pouco da Capital. Agora havia deixado Gale em perigo, e sua família e minha família e Peeta também, em função da minha falta de cuidado.
- Por favor, não faça nenhum mal a Gale - sussurro. - Ele é só um amigo meu. Ele é meu amigo há anos. Nossa relação não passa disso. Além do mais, agora todo mundo pensa que nós somos primos.
- Só estou interessado em como isso afeta a sua dinâmica com Peeta e, portanto, como isso afeta o clima nos distritos diz ele.
- Vai ser a mesma coisa na turnê. Estarei apaixonada por ele como estava antes.
- Como você está agora - corrige o presidente Snow.
- Como estou agora - confirmo.
- Só que o seu desempenho terá de ser bem melhor para que os levantes possam ser evitados - diz ele. - Essa turnê será a nossa única chance de controlarmos essa situação.
- Eu sei. Vou me empenhar. Vou convencer todo mundo nos distritos de que não estava desafiando a Capital, de que estava loucamente apaixonada.
O presidente Snow se levanta e limpa os lábios grossos com um guardanapo.
- Mire mais alto caso você esteja falhando.
- Como assim? Como é que eu posso mirar mais alto? - pergunto.
- Convença a mim. - Ele joga o guardanapo e pega o livro. Não estou olhando para ele quando se dirige à porta, então estremeço quando sussurra em meu ouvido:
- A propósito, estou sabendo do beijo. - Em seguida, a porta se fecha atrás dele.


  • Jogos Vorazes

    Autor: Marcelo Gleiser

    Veículo: Folha de São Paulo, 8 abril 2012

    Fonte: Facebook: goo.gl/93dHI

    O Filme revela uma perspectiva triste da humanidade: moralmente, continuamos nas cavernas
    Marcelo Gleiiser

    Folha de São Paulo 8 abril 2012

    No fim de semana passado assisti ao filme "Jogos Vorazes", baseado na trilogia de Suzanne Collins. Confesso que fui meio a contragosto, se bem que meus dois filhos mais velhos me garantiram que eu iria gostar. E gostei mesmo.
    No gênero das distopias futuristicas, essa é uma ficção que traz o que a humanidade tem de melhor e de pior, ancorada nas lições do darwinismo. Mesmo com narrativa um tanto juvenil, o filme tem bela cinematografia e os atores são excelentes, misturando nomes famosos, como Donald Sutherland, com caras novas, como Jennifer Lawrence, que faz a heroína Katniss Everdeen.
    Num futuro distante, o poder foi centralizado. Alguns poucos vivem uma vida de extrema decadência e afluência no Capitólio, o coração de Panem, enquanto que a maioria sobrevive miseravelmente em 12 distritos adjacentes, cuja função prover bens para a classe dominante. A semelhança com o Império Romano não é mera coincidência.
    De fato, os tais jogos são uma reinvenção das terríveis batalhas travadas pelos gladiadores no Coliseu. A cada ano, um casal de jovens de cada distrito é selecionado para participar dos jogos. Para o deleite da população de Panem, os 24 batalham até o último sobrevivente, que pode retomar livre para o seu I distrito. Embora não tenha lido os livros, soube que são ainda mais violentos do que o filme. Quando perguntei aos meus filhos por que essa história não virou videogame, me informaram que "em video games é tabu matar criança". Esse tipo de moral jamais restringe a ficção.
    Armas de todos os tipos são fornecidas, se bem que chegar até elas pode ser fatal. Os jogos são um exercício de sobrevivência do melhor "adaptado", embora isso não signifique necessariamente ser o mais rápido ou o mais forte. (Uma combinação dos dois sem dúvida é útil, mas não decisiva.)
    Com o desenrolar da história, vemos alianças sendo formadas para derrotar um inimigo poderoso. O dilema, claro, é que essas alianças são temporárias, já que no final só um pode sobreviver. Você só pode confiar em si mesmo. A menos que alguém queira se sacrificar por você.
    Na teoria da evolução, autossacrificio faz sentido se ele beneficiar a sobrevivência do grupo. Mas qual o seu valor quando não existe um grupo e cada um deve lutar por si? Será esse tipo de sacrificio a maior expressão de amor?
    Até o amor pode ser uma boa estratégia, e podemos nos questionar se as poucas relações afetuosas eram genuinas ou apenas convenientes. Um teste só poderia ocorrer após os jogos, o que é impossível, já que apenas um pode sobreviver. A relação de Katniss e seu companheiro de distrito Peeta me pareceu bem unidirecional.
    Esse tipo de narrativa revela uma perspectiva triste da humanidade: embora possamos desenvolver tecnologias sofisticadas, moralmente continuamos nas cavernas.
    Uma louvável exceção é Steven Pinker, que em seu livro mais recente descreve como nossa espécie vem progredindo moralmente. Talvez, mas falta muito ainda.
    Espero que as pessoas que leiam o livro de Pinker ou assistam a "Jogos Vorazes" vejam a lição dessas obras: que só progrediremos moralmente como espécie quando tomarmos a proteção da vida um lema.

    MARCELO GLEISER é professor de física teórica no Dartmouth College, em
    Hanover (EUA), e autor de "Criação Imperfeita". Facebook: goo.gl/93dHI

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Embora toda trilogia, coleção ou assemelhado vira uma lingüiça sem fim, comprei o segundo livro de Suzane Collins: Em Chamas.


 

Para baixar ou visualizar o E-BOOK é necessário logar no site.
Clique aqui! para efetutar seu login.

 

Não tem uma conta?
Clique aqui e crie a sua agora!