carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Amores Vagos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Amores Vagos

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Alexandre Brandão

Editora: Alternativa

Assunto: Contos

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 142

Ano de edição: 2010

Peso: 145 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Elias Marinho
15/07/2011 às 19:54
Santa Maria - DF

Para mim livro tem a função de prender, ensinar ou fazer o leitor viajar através das páginas.

Este livro não consegue fazer nenhuma das três coisas. Embora não tenha sido escrito por amadores, este livro que é uma coletânea de contos, alguns inclusive que chegam a ser bem interessantes, porém, quando começa a ficar bom, termina, por isso não gostei. Gosto de livros que me fazem ir dormir mais tarde só para saborear mais algumas páginas ou reclamar que a viagem de casa para o trabalho foi curta demais ou ficar triste por não ter mais a companhia de personagens fascinantes.

Provavelmente para incentivar a novos leitores a idéia dos autores possa ser uma boa atitude, porém, para leitores mais experientes (sem falsa modéstia) ficará o gostinho de “quero mais”.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Amores Vagos é uma coletânea de contos escritos por um grupo de amigos que freqüentaram o mesmo curso literário há 25 anos e que mantiveram e resolveram lançar de forma independente este livro que tem por objetivo fazer o leitor ler e passar adiante, daí o nome de estilingue.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

“Voltando ao pardal: bem depois que ele se foi pela janela, meu pensamento voltou a ele, e foi um pensamento de pena, diria até de amor. O bicho deve ter me enfeitiçado. Se ainda na semana passada demiti três pais de família e logo, logo esqueci suas expressões assustadas e deprimidas, como é que agora estava pensando no susto de um simples pardal? Então deu-se o mais surpreendente: ao ter esse pensamento, me lembrei da cara de cada um dos demitidos. Recordei suas reações, a lágrima de um, que chorou feito criança, a boca cerrada de outro que imaginava enfrentar a provação com dignidade por não protestar, nem alterar a fisionomia, as costas do terceiro que se curvavam, enquanto ele falava dos nove anos que dedicara à empresa, da injustiça de que estava sendo alvo.
Fui para casa deprimido e intrigado com o efeito-pardal. Será que eu estava mudando? Isso seria péssimo! Levara muito tempo para chegar àquela frieza essencial para minha profissão. Como é que eu poderia demitir gente, se pensasse depois nos demitidos, nas suas famílias, nos seus problemas? Uma de minhas tarefas mais freqüentes na empresa era aquela, e vários diretores passavam para mim o encargo de mandar embora seus subordinados. “Você é durão. Eu não tenho coragem.” Se perdesse a coragem, perderia grande parte do meu prestigio.


  • Amores Vagos Na Flip

    Autor: Cristina Zarur

    Veículo: Blog

    Fonte: http://cristinazarur.wordpress.com/2010/08/06/amores-vagos-na-flip-2/

    Amores Vagos na Flip
    Publicado em agosto 6, 2010 por cristinazarur
    Em matéria publicada pelo O Globo, em 6 de agosto, a repórter Lívia Brandão escreveu sobre o projeto Estilingues, que brindou os visitantes da FLIP com o livro “Amores Vagos”.
    “Há 25 anos, enquanto o Brasil se desvencilhava das amarras da ditadura militar, o caminho de sete escritores de 20 e poucos anos se cruzou numa oficina literária. Unidos num grupo, atravessaram duas décadas e meia motivados pelo interesse comum pelas letras. Agora, resolveram celebrar suas bodas de prata com um projeto ousado e generoso, que prima, acima de tudo, pela liberdade de que os cidadãos comuns não desfrutavam na época em que se conheceram. Com a coletânea de contos “Amores vagos”, Alexandre Brandão, Cristina Zarur, Marilena Moraes, Miriam Mambrini, Nilma Lacerda, Sônia Peçanha e Vânia Osório resolveram adaptar para sua realidade a prática do bookcrossing, que consiste em partilhar livros em lugares públicos, muito comum na Europa, e escolheram a 8ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty para sediar o início das comemorações por sua duradoura amizade.
    Edições têm espaço para leitor anotar
    Para isso, distribuíram gratuitamente 500 exemplares do livrinho de bolso pelos quartos das pousadas mais populares da cidade. Através de uma apresentação assinada a 14 mãos, eles estimulam aqueles que encontrarem um exemplar sobre a cama a lê-lo a passá-lo adiante da maneira mais conveniente. Cada edição possui um espaço para o registro de quem pegou o livro, quando e onde leu — como aquelas fichas que controlam o tráfego das boas e velhas bibliotecas.
    — Há seis ou sete anos viajei para a Alemanha e a Itália e, por coincidência, encontrei exemplares de livros de autores locais deixados no meu quarto de hotel. Desde então, essa idéia ficou na minha cabeça e resolvi levá-la ao grupo como uma forma de divulgar nosso trabalho — explica Miriam, autora de romances, contos e novelas e ganhadora do prêmio Stanislaw Ponte Preta.
    Custeado pelos próprios autores e lançado sob o selo independente batizado de “Estilingues”, “Amores vagos” tem, como o título sugere, o sentimento maior como tema central. Depois da Flip, a idéia é distribuir os 2 mil exemplares restantes por feiras e eventos literários Brasil afora e outros locais aparentemente pouco amigáveis para leituras mais profundas, como salas de espera de consultórios médicos.
    — Quisemos dar o livro para apresentar nosso trabalho àqueles que já possuem o hábito da leitura e temos a esperança de atingir não-leitores. Por isso “Amores vagos” é gratuito — conta Cristina, uma das mães do projeto, endossado por escritores como Luiz Ruffato (que participa de mesa na Casa da Cultura às 12h de domingo), responsável pelo texto da orelha. Caso a mira dos “estilingues que atiram livros” seja certeira, a intenção é levar o selo à frente.
    — Pretendemos, no próximo ano, lançar um novo volume de contos, também unidos por um tema, e distribuir da mesma maneira. ■”

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Recebi a incumbência do Marcio Mafra, que trouxe este livro da FLIP 2010, em ler e comentar para o site Livronautas.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.