carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Sobre Meninos e Lobos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Sobre Meninos e Lobos

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    4
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Dennis Lehane  

Editora: Companhia das Letras

Assunto: Romance

Traduzido por: Luciano Vieira Machado

Páginas: 481

Ano de edição: 2004

Peso: 520 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
20/12/2007 às 13:23
Brasília - DF

Sobre Meninos e Lobos é uma história de crime e castigo, com os tradicionais ingredientes das histórias policiais. Um crime bárbaro. Um policial muito técnico e completamente integro. Um grupo de amigos de infância, onde todos conhecem os seus muitos defeitos e poucas qualidades. Também conhecem e misturam suas mulheres, seus filhos, seus amores, seus porres, seus heroísmos, suas angustias e traumas. Aliás, trauma é coisa que não falta na história: O Dave quando menino foi seqüestrado por dois adultos, que durante três ou quatro dias o submeteram à toda sorte de abusos sexuais. Cada um dos três personagens principais, têm algo a revelar.Mas, tudo não passa de criminalidade gratuita, violenta e as vezes consentida nos bairros pobres americanos.O final não surpreende mas é bom.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de três amigos de infância: Dave, Jimmy e Sean, que voltaram a se enredar 25 anos mais tarde, quando já eram adultos. Uma filha de Jimmy foi assassinada e Dave é o grande suspeito do crime. O policial encarregado do caso é Sean. Quando os três eram crianças, Dave o agora suspeito, foi abusado sexualmente por um bandido e carrega esse trauma durante toda a sua vida.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Onde estava Celeste? Será que sabia que ele tinha sido levado para aquele lugar? Será que ao menos ela se preocupava com isso? E quanto a Michael? Será que sentia saudades do pai? 0 pior, se ele morresse, era que Celeste e Michael contiinuariam suas vidas. Sim, eles ficariam perturbados por algum tempo, mas resistiriam e começariam uma nova vida, pois é isso que acontece por aí todos os dias. Só no cinema as pesssoas definham por seus mortos, e suas vidas ficam avariadas como relógios quebrados. Na vida real, a morte é uma coisa banal, um acontedmento que todos esquecem, menos você.
As vezes Dave se perguntava se os mortos olhavam para aqueles que deixaram para trás e choravam ao ver que passavam tão bem sem eles. Como o caso de Eugene, filho de Stannley, o Grandalhão. Estaria ele lá em cima, em algum lugar do éter, com sua cabecinha lisa e sua camisolinha branca de hospital, olhando para baixo e vendo seu pai rindo num bar, pensando consigo mesmo: Ei, pai, e eu? Você se lembra de mim? Eu tambem existi, um dia.
Michael teria urn novo pai, e talvez ele frequentasse a faculdade e falasse a alguma garota sobre seu pai, que o ensinara a jogar beisebol, mas de quem ele tinha uma vaga lembrança. Foi há tanto tempo - diria ele. Tanto tempo atrás.
E Celeste era atraente o bastante para conseguir outro homem. E não poderia ser de outro modo. Solidão, diria ela as amigas. Eu não aguentava mais. E ele é uma pessoa muito boa. Ele trata o Michael muito bem. E as amigas de Celeste trairiam a memória de Dave em dois tempos. Elas iriam dizer: que bom para você, querida. Isso é muito saudável. É predso tocar a vida adiante ...
E Dave estaria lá em cima com Eugene, os dois olhando para baixo, exprimindo o seu amor em altos brados, numa voz que os vivos não ouviam.
Meu Deus. Dave teve vontade de se encolher num canto e acalentar a si mesmo. Sentia-se desmoronar. Sabia que se os policiais voltassem agora, ele se deixaria dobrar. Ele diria tudo o que quisessem saber. Nem que fosse para que lhe dessem um pouco de calor humano e mais uma Sprite.
E então a sala de interrogatórios se abriu para Dave, para seu medo e sua carência de calor humano, e o policial uniformizado que entrou era forte, jovem, com aquele ar de policial que conseguia ser ao mesmo tempo impessoal e autoritário.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Guilhermo Arriaga, Mexicano, compunha uma das mesas da Flip de 2007, em Parati, junto com o americano Dennis Lehane, autor de Sobre Meninos e Lobos. Eles falaram sobre o tema literário "crime e castigo". Comprar o Sobre Meninos e Lobos, assim como o Doce Aroma da Morte, foi um caminho natural.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2020
Todos os direitos reservados.