carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Filha do Capitão

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Filha do Capitão

Livro Bom - 1 opinião

  • Leram
    2
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Pushkin

Editora: Abril

Assunto: Romance

Traduzido por: Marques Rebêlo

Páginas: 183

Ano de edição: 1972

Peso: 440 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
25/12/2007 às 21:40
Brasília - DF

Puskin é considerado um grande poeta e igualmente grande dramaturgo. Neste romance ele descreve boa parte das asperezas, desigualdades sociais e pouca civilidade que acontecia fora da região de São Petersburgo, onde vivia a Imperatriz. A filha do Capitão é uma história de amor que se passa inicio do século 18, na grande e extensa Rússia. A narrativa gira em torno dos senhores e servos, seus militares claramente divididos entre oficiais e cossacos, além das tribos de bárbaros, tudo isso dentro de um cenário nevado de fortalezas e vilarejos, distantes da corte. A filha do Capitão, ainda proporciona uma certa perspectiva dos princípios, códigos e costumes da Rússia de então. Para a época era uma história emocionante. Hoje é banal.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de Piotr Andreitch, que acompanhado de seu servo Savielitch, que foi mandado pelo seu pai, Andrei Pietrovitch, para prestar serviço militar na fortaleza de Orienburg, onde comandava o Andrei Karlovitch. Piotr se apaixonou pela filha de Andrei Karlovitch, de nome Maria Ivanovna. Foi em Orienburg que aconteceu uma grande revolta popular que quase abalou o trono imperial de Catarina, e em torno dessa revolta se passa a vida de Piotr.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Naquela noite não dormi, nem me despi. Tinha o propósito de ir, cedinho, para o portão por onde Maria Ivanovna deixaria a fortaleza e me despedir dela pela derradeira vez. Verificara-se em mim uma considerável mudança: a agitação dos meus pensamentos era menos pungente do que o abatimento em que estivera até há pouco mergulhado.
Á melancolia da separação vinham juntar-se uma vaga e doce esperança, numa nervosa expectativa dos perigos a enfrentar e um nobre sentimento do dever a cumprir. A noite correu sem que eu desse conta.
Já ia eu saindo de casa, quando chegou um cabo com a informação de que os cossacos haviam abandonado a forrtaleza, carregando Iulai, e que pelas redondezas viam-se cavaleiros desconhecidos. A hipótese de que Maria Ivanovna não pudesse deixar a fortaleza me amedrontou. Dei apressadamente umas ordens ao cabo e corri para a casa do comandante.
O dia vinha rompendo. Ia à toda, quando ouvi que me chamavam. Era Ivan Ignatitch, que me alcançou:
- Aonde vai? Ivan Kusmitch está na muralha e mandou que eu viesse buscá-lo. Pugatchev chegou!
- Maria Ivanovna já foi? - perguntei angustiadadamente.
- Não conseguiria. A estrada para Orienburg já foi cortada. A fortaleza está cercada. As coisas não vão bem, Piotr Andreitch


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não qualquer historia sobre este livro de Pushkin


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.