carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

O Que é Conto

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
O Que é Conto

Livro Ótimo - 1 opinião

  • Leram
    2
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    1

Autor: Luzia de Maria

Editora: Brasiliense

Assunto: Educação

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 99

Ano de edição: 2004

Peso: 85 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ótimo
Marcio Mafra
25/06/2007 às 13:03
Brasília - DF

Livro bom de se ler - e contar - é este "o que é o conto". A autora faz um livro quase didático, como sói acontecer, com uma professora-escritora. Na verdade, o livro todo é quase um só capitulo, na tentativa de explicar o que é conto. Muitas citações e menções de autores nacionais ou estrangeiros. Menciona, de Brecht, conhecido dramaturgo alemão, no início do seculo 20, "O Menino Inerme" como o que marcou a literatura com o gênero conto. Diversas são as citações de Mario Andrade. Claro que a Professora Doutora não explica o que é conto. Mas justifica. Vale a leitura. Não vale o conto.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história do conto, cuja narrativa além de curta curta, tem a sua ação em torno de um só ponto de interesse.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Ter o que contar.
Há anos, um cientista alemão, baseando-se na origem ilegitima de alguns dos maiores gênios da humanidade, como Da Vinci, Beethoven e Wagner, lançou uma nova teoria: - as grandes inteligencias sao sempre geradas num momento de paixao.
Segundo os organizadores da antologia As Obras Primas do Conto Universal, da Martins Editora, tal teoria também se aplica aos contos de Guy de Maupassant, narrativas tão densas de vida que parecem todas elas geradas em clima de paixão. Tendo pertencido a geração que enriqueceu, quantitativa e qualitativamente, a prosa francesa do século XIX, enquanto Balzac e depois, ao seu lado, Flaubert e Zola tem seus nomes muito mais forteemente ligados ao romance, é como o mestre do
conto que Maupassant se notabilizou.
Algumas decadas antes Edgard Allan Poe havia lançado, nos Estados Unidos, o que seria a semente dos modernos contos policiais. Estórias que caminham nas sendas prodigiosas do fantástico e do misterioso, utilizando argumentos capazes de gerar a lógica naquilo que, aparentemente, é do mais completo absurdo. Poe cria os seus textos tendo como base do suspense um imaginário que joga com categorias de irrealidade e sobrenatural, denunciando, de certo modo, uma espécie de parentesco com os antigos contos medievais de tipo satânico ou de magia negra.
Mas é no plano da realidade mais imediata, sem transpor as fronteiras da verossimilhança e da probabilidade, que Guy de Maupassant consegue se mover, armando a cuidadosa arquitetura de seus textos. Tendo escrito, ao lado de alguns poucos romances, cerca de trezentos contos, seu grande trunfo parece ficar por conta do seu "poderoso gênio inventivo".
Ernbora apresente urn estilo tenso, de extrema economia e concisão, depurando o texto de tudo aquilo que o comprometa estilísticamente, cabe a ele, talvez mais que a qualquer outro de sua época, o tftulo de grande inventor de estórias. Diante de uma página de Guy de Maupassant, o leitor é irresistivelrnente enlaçado a partir das linhas iniciais e acompanha, magnetizado, o desenrolar dos acontecirnentos, todos interligados pelo princlpio da casualidade.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Comprei o livro, em meados de 2006, movido pelo desejo de explicar, à mim mesmo, que raio é esse gênero literário chamado conto.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.