carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Sombras da Romãzeira

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Sombras da Romãzeira

Livro Excelente - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Tariq Ali

Editora: Record

Assunto: Romance

Traduzido por: Beatriz Horta Corrêa

Páginas: 284

Ano de edição: 2005

Peso: 355 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Excelente
Marcio Mafra
15/10/2006 às 22:14
Brasília - DF

Sombras da Romãzeira é um livraço. Se a história é boa, se o autor é um escritor, o livro é bom. A narração se aproxima do ano de 1500, época em que os reis Fernando e Isabel invadiram a África mulçumana e impuseram aos vencidos a religião cristã, com toda a sua barbárie social, econômica, religiosa e cultural. A resposta dos muçulmanos foi um radicalismo exacerbado e cruel, mesmo assim lírico, romântico, humano e nobre. A história flui e tem passagens marcantes, gostosas e divertidas.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história da família de Omar bin Abdala, que se passa em torno de sua casa, na vila al-Hudail.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

..." - O senhor mesmo disse, capitão, que não espera qualquer resistência. Por que nos manda matar gente inocente? Por quê? - Velho idiota! - respondeu o capitão, com os olhos reluzindo de ódio. - Você não vai durar muito. Por que ser generoso só com nossas vidas? - Não estou entendendo o que o senhor quer dizer, capitão. - Se você matar os homens, as mulheres e os filhos deles vão ficar com um ódio cego de tudo o que seja cristão. Para salvar suas vidas, vão se converter, mas isso vai ser um veneno. Está me ouvindo? Um veneno, inoculado para sempre em nossa pele. Um veneno que será muito difícil de extrair. Agora entendeu? O velho soldado balançou a cabeça, incrédulo, mas era evidente que não ia obedecer. O capitão controlou seus instintos, pois não queria baixar o moral de seus soldados pouco antes de irem para a batalha. Resolveu não punir o amotinado...."

.... Como todos os aldeões, Ubaidala foi convidado a se proteger na casa, mas preferiu voltar para a aldeia. Alguma coisa lhe dizia que estaria mais seguro em sua própria casa, longe da família a quem tinha servido durante tanto tempo. Quanto a isso, estava tragicamente enganado. Quando voltava para a aldeia, um cavaleiro, instado por seus companheiros, desembainhou a espada e levantou-a no ar, em direção ao distraído Ubaidala. O administrador não teve tempo de reagir. Em segundos sua cabeça, separada do corpo num só golpe, rolou pela areia...."

..."Só Alá é Deus e Maomé o seu Profeta".


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Comprei este livro quando estive no FLIP de Parati, em agosto de 2006.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.