carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

O Último Leitor

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
O Último Leitor

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    2
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: David Toscana

Editora: Casa da Palavra

Assunto: Romance

Traduzido por: Ana Lucia Pelegrino

Páginas: 159

Ano de edição: 2005

Peso: 235 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
15/10/2006 às 20:45
Brasília - DF

O "último leitor" é uma reflexão entre a morte, a miséria e a literatura. O bibliotecário Lucio, que quase não tem o que comer, lê os livros e escolhe os que entende bons e os separa dos maus. Os bons ficam disponíveis para leitura, enquanto os maus são atirados no inferno para servirem de alimento para as baratas. Tudo isso mesclado a ocultação um cadáver de uma criança que morreu afogada no único poço d'água do lugarejo Icamole.




Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de Lúcio, encarregado da biblioteca em Icamole, pacata cidade do México. Lucio se divide entre livros e a ocultação do cadáver de uma menina que foi encontrada morta no poço d'água.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

..."Não acho que Melquisedec seja tão firme a ponto de resistir aos rurais. Dizem que são piores do que a polícia civil. Não sei, nunca se sabe o que acontece, só se ouvem rumores; mas no momento em que o velho confessar terei toda a polícia na minha propriedade, com olhos e lanternas voltados para o fundo do poço, dizendo aqui não tem nada, e Melquisedec eu juro que joguei a menina aí. Você não está enganado de poço? não, senhores, foi neste, no de Remigio, e dirá isso tão sinceramente que os rurais voltarão para mim seus olhares e perguntas e socos, e do mesmo jeito que em "A macieira" tudo vai se voltar contra mim..." A leitura não é difícil. Talvez a tradução não tenha sido muito feliz. Não conseguiu transmitir emoção, comoção, pena, surpresa, nem ceticismo. Também não possui a alegoria do “realismo mágico” que os novos romancistas latino-americanos tanto gostam de utilizar em seus textos.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Comprei o livro, durante o Flip de Parati em agosto de 2006, por se tratar de um livro de um dos convidados internacionais que fariam um debate no Flip.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.