carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

História da Riqueza do Homem

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
História da Riqueza do Homem

Livro Ótimo - 1 comentário

  • Leram
    4
  • Vão ler
    2
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    3

Autor: Leo Huberman

Editora: Zahar

Assunto: Economia

Traduzido por: Waltensir Dutra

Páginas: 318

Ano de edição: 1981

Peso: 365 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ótimo
Marcio Mafra
15/10/2006 às 17:04
Brasília - DF

"A Historia da riqueza do homem" é livro que, ao final, proporciona uma idéia geral do surgimento das primeiras teorias econômicas. Ao longo da leitura o autor vai relacionando o surgimento das teorias com a história mundial, até o grande crash da bolsa americana, no ano 1929. Leitura facil.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A teoria das escolas econômicas aplicada à história e outros ensinamentos, que tentam explicar porque surgiram no mundo as doutrinas econômicas, numa abrangência que vai desde as idade média até o final da 2º Guerra, em 1945.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Leis naturais de quem ?
As coisas caem para baixo, e não para cima. O leitor sabe o que lhe aconteceria se pulasse da janela. Os fisicos nos fizeram um favor de explicar isso. Newton formulou a lei da gravidade, uma de uma série de leis naturais que, segundo nos informam, descreve o universo físico. O conhecimento dessas leis naturais nos permite planejar nossas ações e atingir urn objetivo desejado. Agir na, ignorância delas, ou sem levá-las em conta, pode ter más consequências.
Do mesmo modo os economistas da época da Revolução Industrial desenvolveram uma serie de leis que, diziam, eram tão validas para o mundo social e econômico como as leis dos cientistas para o mundo físico. Formularam uma serie de doutrinas que eram as "leis naturais" da Ecopomia. Estavam convencidos de suas verificações. Não discutiam se as leis eram boas ou más. Não havia por que discutir. Suas leis eram fixas, eternas. Se os homens fossem inteligentes e agissem de acordo com os princípios que expunham, muito bem; mas se não, e agissem sem, respeito às suas leis naturais, sofreriam as conseqiiencias.
Ora, pode ser ou não verdade que esses economistas, em sua busca da verdade, fossem sublimemente indiferentes aos resultados práticos de suas pesquisas. Mas eram homens de carne e osso, que viviam num certo lugar e numa certa época. Isso significa que os problemas por eles tratados eram os rriesmos que surgiam naquele lugar e naquela época. E suas doutrinas atingiram poderosos grupos na sodedade, que consequentemente as aceitavam ou rejeitavam, de acordo com seus interesses, e viam a "verdade" àquela luz.


  • Comentário

    Autor: Ervin Moretti

    Veículo: São Paulo, SP,em 3/10/2002,publicou sua opinião no site da Livraria Submarino

    Fonte:

    Por quê esquecemos a História? Com rara precisão e visão, Leo Huberman nos traz do passado até 1936, e com absoluta clareza nos mostra o que iria acontecer nos anos seguintes. Ninguém mais conseguiu isto, e tenho a certeza de que os dirigentes mundiais atuais aprenderiam muito com este livro .   

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Nada em especial para registrar sobre este livro.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.