carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Quatro Estações

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Quatro Estações

Livro Bom - 3 opiniões

  • Leram
    4
  • Vão ler
    11
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    2

Autor: Stephen King

Editora: Objetiva

Assunto: Suspense

Traduzido por: Andréa Costa

Páginas: 303

Ano de edição: 2001

Peso: 530 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 


Ótimo
Vanessa Cristina Deodato de Souza
22/11/2018 às 15:27
Olinda - PE
Realmente muito bom. Stephen King, como sempre, nos supreendendo

Bom
Tiago dos Santos Lima Neto
17/04/2015 às 13:21
Tangará - SC
Já que você não gostou desta e de outras obras do Stephen King eu queria ler todos os livros do autor, mas estou sem dinheiro para compra-los. Então porque não doá-los para mim? Poderia entrar em contato pelo e-mail : tiago_santos515@hotmail.com

Péssimo
Marcio Mafra
14/10/2006 às 18:26
Brasília - DF

Stephen King é um conhecidíssimo autor de histórias de horror, terror e suspense. Os autores de histórias deste gênero - indissoluvelmente ligado ao do suspense - fazem muito sucesso porque os temas de seus livros são transformados em filmes. Depois que viram filmes o sucesso é inevitável, em virtude de sua enorme divulgação. O mestre dos mestres neste gênero foi o inglês Alfred Hitchcock . Ele nasceu em 1899 e morreu em 1980. Portanto, ainda alcançou o tempo do cinema mudo, onde fez grande sucesso, assim como o fez, muito mais marcadamente, com o advento do cinema sonoro. Hitchcock fez escola. Está aí o Stephen King para confirmar. Quatro estações é uma história idiota, que destaca a crueldade em todas as quatro histórias, que só se entrelaçam porque o autor assim queria. Não há dúvida que Stephen King seguiu os passos do Hitchcock e se transformou num autor esperto e habilidoso, além de muito rico. Mesmo assim Quatro Estações conta uma história porca e ordinária, ainda que exista um nicho de leitores desse gênero literário, que faz a festa do autor.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Quatro estações entrelaça quatro histórias de horror e suspense:
1) A tentativa de se libertar de condenação perpétua.
2) A relação promíscua de um rapaz apaixonado pelo nazismo e um velho.
3) O fascínio de um grupo de jovens ante um menino morto.
4) Uma jovem grávida e sua luta para conceber o primeiro filho.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A composição de Todd chamou-se "A Responsabilidade de um Americano'. Durante a temporada de beisebol daquele ano, foi o melhor lançador do colegio, ganhando quatro e não perdendo nenhuma. Sua média de defesas foi 361. Na festa de premiações em junho, recebeu o titulo de Atleta do Ano junto com uma insignia dada por Coach Haines (Coach Haines, que certa vez lhe dissera para continuar treinando as bolas curvas, "porque nenhum desses negros pode rebater uma bola curva, nenhum deles, Bowden".
Moniica Bowden desfez-se em lágrimas quando Todd telefonou para ela do colégio e disse que ia ganhar o prêmio. Dick Bowden ficou com o ar empertigado no escritório durante duas semanas depois da cerimonia, tentando não se gabar. Naquele ano alugaram uma cabana em Big Sur e passaram lá 15 dias, onde Todd aliviou a cabeça.
Durante aquele mesmo ano, Todd matou quatro vagabundos. Esfaqueou dois deles e nos outros bateu com urn cacete. Sempre vestia duas calças para o que chamava de "expedições de caça". Algumas vezes rodava nos ônibus da cidade procurando lugares prováveis. Os dois melhores, descobriu, eram a Missão de Santo Donato para indigentes, na Douglas Street, e a esquina do Exército da Salvação, na Euclid.
Percorria lentamente esses lugares esperando ser abordado por alguém pedindo esmolas. Quando urn bêbado aproximava-se dele, Todd dizia que ele, Todd, queria uma garrafa de uísque e que se o bêbado fosse comprá-la, dividiria com ele. Conhecia um lugar, dizia, onde poderiam ir. Cada vez era um lugar diferente, claro. Resistia a uma necessidade intensa de voltar a plataforma de trem e ao cano atrás do terreno baldio na estrada para Cienaga. Retornar ao local de um crime anterior seria insensato.
Durante o mesmo ano, Dussander fumou moderadamente, bebeu bourbon e viu televisão. Todd aparecia as vezes, mas suas conversas tomavam-se cada vez mais áridas. Estavam tomando rumos diferenntes. Dussander comemorou seu aniversário de 79 anos, quando Todd fez 16. Dussander observou que 16 anos era a melhor idade da vida de um jovem, 41 da de um homem de meia-idade e 79 da de um velho. Todd concordou polidamente com um aceno de cabeça. Dussander estava bem alto e tagarelava de uma forma que deixava Todd visivelmente constrangido.
Dussander matara dois bêbados durante o ano letivo de Todd de 1976-77. O segundo estava mais esperto do que parecia; mesmo depois de Dussander tê-lo levado completamente embriagado, cambaleou pela cozinha com o cabo de uma faca de carne saindo da nuca, jorrando sangue sobre sua camisa e pelo chão. O bêbado redescobrira o hall de entrada depois de duas voltas cambaleantes pela cozinha e quase escapara.
Dussander ficou em pé na cozinha com os olhos arregalados de espanto e descrença, observando o bêbado grunhir e resfolegar em direção à porta, debatendo-se de um lado para o outro do hall e derrubando reproduções baratas de Currier & Ives no chão.
Seu espanto só cedeu quando o bêbado ja estava tateando a maçaneta da porta. Entao Dussander disparou pela cozinha até a gaveta de utensílios, abrindo-a desajeitadamente e tirando seu garfo de came. Correu até o hall com o garfo estendido a sua frente e enfiou-o nas costas do bêbado.
Dussander ficou em pé em cima dele, ofegante, seu coração velho batendo acelerado de forma amedrontadora ... batendo acelerado como o da vítima de um ataque cardiaco do programa de TV de sábado à noite de que gostava, Emergency!.
Mas finalmente voltou a urn ritmo normal e ele percebeu que ficaria bem.
Teve que limpar uma grande quantidade de sangue.
Isso fora há quatro meses e, desde então, não fizera mais suas propostas no ponto de ônibus do Centro. Estava com medo desde que quase estragara tudo da ultima vez... mas quando lembrava da forma como tinha conduzido as coisas no último momento, seu coração enchia-se de orgulho.
No final, o bêbado não conseguira alcançar a porta, e isso era o importante.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não há qualquer historia sobre este livro


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.