carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Eu Gosto Tanto de Você...

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Eu Gosto Tanto de Você...

Livro Bom - 1 opinião

  • Leram
    2
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Leila Rentroia Iannone

Editora: Moderna

Assunto: Adolescente

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 45

Ano de edição: 1988

Peso: 65 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
14/10/2006 às 18:07
Brasília - DF

Historinha para menininhos e jovens. Não é um gênero fácil para o caminho da literatura, mas a história poderia ser menos óbvia. Serve. Não é nada parecido com um Marcos Rey, "mas dá para o gasto".


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história do Padre Thomaz que resolveu passar a Noite de Natal com os meninos de rua, na porta da Catedral da Sé, em São Paulo.....

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Seis horas .
Já não chove, mas o calor ainda incomoda. A umidade havia deixado seus cabelos desalinhados, a roupa amassada, e Thomas parecia cria de lá mesmo, da Praça da Sé.
Desce as escadas molhadas, sentindo a água penetrar pelos buracos das sandálias. Olha o marco zero da cidade e vê Idalina, a crioulinha machona, aliviar com arte o bolso de urn homem, que nada percebeu. A garota sai de fininho e senta-se tranquila na mureta mais próxima. Thomas questiona-a com os olhos, censurando implicitamente sua atitude.
- Oi, seu padre! Acho que pintou sujeira, né? -
- É, pintou sim. O que voce pegou?
- Nada, não. Só uns trocados. Vou comprar pastel e caldo de cana. Tá afins? Se não tá, não vem com sermão, não, que a fome tá preta.
A menina corre em direção à pastelaria da esquina da Barão de Paranapiacaba. Devoraria pastéis e caldo de cana sem se preocupar com a afanada do minuto anterior, e Thomas sabia que suas censuras de nada adiantariam diante da fome e do hábito.
Mocotó e Madá chegam e vão se sentando. Ele, como sempre, numa postura segura, desafiadora, assumindo o papel de chefe da praça. Ela, esguia e agressiva, acentuando sua imagem triste com um estrabismo violento, impedindo que o interlecutor se fixasse no seu rosto sem a inevitável pergunta: para onde ela estava olhando?
- Não é que o padre veio? - goza Mocotó.
- A gente pensou que era bafo seu, essa de vir dormir na praça. Mas já que veio, tá legal.
Madá encosta levemente a mão no ombro de Thomas, ensaiando carinho. Ele sabe que é.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Meu amigo Raimundo Pires me deu este livro.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2018
Todos os direitos reservados.